Pelourinho de Alcanede

IPA.00002008
Portugal, Santarém, Santarém, Alcanede
 
Pelourinho reconstituído no séc. 19, mas sem fundamentos iconográficos, sobre o qual foi colocada, recentemente, uma escultura a representar D. Afonso Henriques. Tem soco de três degraus circulares, encimado por coluna octogonal e capitel ornado por elementos decorativos fitomórficos e cordiformes neomanuelinos.
Número IPA Antigo: PT031416040005
 
Registo visualizado 312 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Comemorativo  Memória de pelourinho    

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composta por soco de três degraus circulares, onde assenta uma coluna de base e fusto prismático, com anel e capitel simples, ornado por elementos fitomórficos e cordiformes, sobre o qual surge, numa pequena base, a figura escultórica de D. Afonso Henriques.

Acessos

Calçada dos Paços do Concelho. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,415843, long.: -8,820798

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG, 1.ª série, n.º 136 de 23 junho 1910

Enquadramento

Urbano. Implanta-se num largo arborizado, defronte do edifício da Junta de Freguesia.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comemorativa: memória de pelourinho

Utilização Actual

Comemorativa: memória de pelourinho

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 outubro 1933

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 12 - doação de foral à povoação, por D. Teresa; 1163 - D. Afonso Henriques manda povoar Alcanede, encarregando da tarefa D. Gonçalo de Sousa; séc. 12, final - foi doada por D. Sancho I à Ordem de Avis; 1333 - confirmação do foral por D. Afonso IV; 1514, 22 Dezembro - foral novo de D. Manuel; 1517, 26 Janeiro - publicação do foral; séc. 17 - Filipe III de Portugal integra a povoação num condado doado a D. Francisco de Lencastre; séc. 17, final - doação da povoação aos condes de Vila Flor; 1712 - é da Comarca de Santarém e pertence à Ordem de Avis; tem 300 vizinhos; tem 2 juízes ordinários, vereadores, procurador do concelho, escrivão da câmara, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão, 6 tabeliães do judicial e notas; tem escrivão dos direitos reais e escrivão das sizas; 1758 - nas Memórias Paroquiais é referido que a povoação e seu termo pertence à Ordem militar de São Bento de Avis, doação feita no séc. 12; 1855 - extinção do concelho; 1883 - construção do pelourinho; séc. 20, final - colocação da imagem de D. Afonso Henriques no topo da estrutura.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de calcário.

Bibliografia

COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza…, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal, vol. III, Lisboa, 1949.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 1, n.º 78, fl. 555-568)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Rosário Gordalina 1992 / Isabel Mendonça 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login