Pelourinho de Alvalade

IPA.00002005
Portugal, Setúbal, Santiago do Cacém, Alvalade
 
Arquitectura político-administrativa e judicial, quinhentista. Pelourinho de pinha cónica, com soco quadrangular de quatro degraus, onde assenta base troncopiramidal e fuste circular, encimado por pináculo cónico. Tratando-se de uma estrutura de grande sobriedade arquitectónica, sujeita a várias quedas e apeamentos, que conduziram ao seu desmembramento e dispersão dos seus elementos por vários locais, voltou a assumir o seu papel simbólico da identidade local durante um processo que culminou na sua recente reconstrução. É de grande simplicidade construtiva onde se reflectem diversas influências características da nossa arquitectura de meados do séc. 16 em particular na tentativa de recriar uma coluna de ordem toscana, cujas regras não são ainda totalmente dominadas, sentindo-se ainda presente alguns elementos da tradição medieval, particularmente visíveis na base troncopiramidal com chanfres e no remate em pináculo troncocónico.
Número IPA Antigo: PT041509020003
 
Registo visualizado 181 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição régia  Tipo pinha

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composta por soco quadrangular de quatro degraus com focinho em cantaria de mármore de Trigaches, onde assenta base troncopiramidal, de mármore branco assente em plinto de secção quadrada e rematada por dois toros. Fuste cilíndrico de dois tambores em mármore de Trigaches com capitel com colarete de secção circular, friso e ábaco de secção quadrada, com remate superior troncocónico também em mármore.

Acessos

Largo da Misericórdia. WGS84 (graus decimais) lat.: 37,940454; long.: -8,393827

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, em destaque, isolado no centro de uma praça de planta rectangular, tendo a E. a Igreja da Misericórdia (v. PT041509020011) e a O. o edifício dos antigos Paços do Concelho e a Sede da Casa do Povo. Assenta em pequeno adro circular em calçada de vidraço.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Art.º 3º, Dec. n.º 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

RESTAURADORES: Atelier de Conservação e Restauro de Carlos Boal e Margarida Fonseca (1999-2000, 2003).

Cronologia

1510, 20 Setembro - D. Manuel concede foral a Alvalade sendo posteriormente erguido o pelourinho frente aos antigos Paços do Concelho; 1755, 01 Novembro - queda do pelourinho devido ao terramoto, perdendo toda a decoração fitomórfica que decorava a base e o capitel; mais tarde é reconstruido e colocado na esquina direita dos antigos Paços do Concelho, sobre um enorme plinto quadrado; 1758, 15 Maio - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco António de Almada Pereira de Guevara e Macedo, é referido que a povoação, com 181 vizinhos, é do rei; tem juízes ordinários e câmara sujeitos ao ouvidor da Comarca de Ourique; 1921 - o pelourinho cai do plinto em que se encontrava; a Junta de Freguesia pede à Comissão Executiva da Câmara Municipal a sua reparação urgente, pelo que é reerguido e recolocado no mesmo local; 1933, 11 Outubro - classificado como Monumento Nacional pelo Dec-Lei nº 23 122; 1950 - nova queda e posterior reedificação; 1957 - apeamento do pelourinho devido às obras realizadas nos antigos Paços do Concelho, sendo as suas peças colocadas no Cemitério de Alvalade; 1964 - alguns fragmentos do pelourinho encontravam-se guardados na antiga Cadeia; 1972 - nove peças do pelourinho encontravam-se guardadas na Junta de Freguesia; 1980, década de - as peças existentes do pelourinho são recolhidas pelo Grupo de Acção Cultural da Casa do Povo de Alvalade e pelo Arquitecto José António Falcão em representação da Real Sociedade Arqueológica Lusitana, sendo depositadas no interior da Igreja da Misericórdia (v. PT0415090200121); 1999 - as peças do pelourinho encontravam-se nas instalações da Junta de Freguesia, sendo em Outubro entregues ao Atelier de Conservação e Restauro de Pedra de Carlos Boal e Margarida Fonseca em Lisboa, com vista à sua recuperação; 2000, 04 Setembro - reconstruido, o pelourinho é colocado no centro da Praça D. Manuel I; 2000, 20 Setembro - reinauguração do pelourinho comemorando o aniversário da data da outorga do foral a Alvalade; 2002, 29 Setembro - vandalizado com fragmentação do remate e gola; 2003, 08 Maio - o pelourinho é novamente restaurado pela mesmo atelier.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Cantaria de mármore branco, mármore cinzento de Trigaches e calcário.

Bibliografia

LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, vol. 1, 1873, p.72.; LEAL, Silva, A nossa Pátria, 1906, p.46; MAGALHÃES, F. Perfeito, Álbum Alentejano, 1936; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; RAMOS, Luís Pedro, Alvalade " Das Origens ao Século XX ", Santiago do Cacém, 2000.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMSC

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMSC

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; CMSC; DGARQ: Memórias Paroquiais (vol. 3, n.º 31, fl. 259-262)

Intervenção Realizada

CMSC: 1999 - 2000 - restauro e reconstrução do pelourinho pelo atelier de conservação e restauro de Carlos Boal e Margarida Fonseca; 2003, Maio - restauro do remate pelo mesmo atelier.

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1992 / Ricardo Pereira 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login