Câmara Municipal do Porto / Edifício dos Paços do Concelho do Porto

IPA.00019997
Portugal, Porto, Porto, União das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória
 
Arquitectura Política e Administrativa, do séc. 20. Paços do Concelho de planta trapezoidal de dominante horizontal, envolvendo dois pátios interiores, com cobertura em terraço, fachadas em cantaria de granito aparente, e torre ao centro com cobertura em cúpula. No interior, desenvolvido ao longo de sete pisos, destacam-se os paços perdidos do rés-do-chão, pela composição arquitectónica e pinturas, a escadaria monumental iluminada por clarabóias e andar nobre pelo mobiliário e elementos decorativos. Edifício emblemático de grande presença arquitectónica, destacado pela sua implantação privilegiada, numa das principais praças da cidade. A sua composição arquitectónica e decorativa foi baseada em elementos construtivos dos finais do século XIX, inspirados na Ópera de Paris e nos grandes Palácios do Norte da França e da Flandres. A cobertura é em lajes de betão armado, impermeabilizadas.
Número IPA Antigo: PT011312120259
 
Registo visualizado 2137 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Político e administrativo regional e local  Câmara municipal  Casa da câmara  

Descrição

Planta trapezoidal, desenvolvida em seis pisos e cave, de dominante horizontal, envolvendo dois pátios interiores, torre ao centro e cobertura em terraço. Fachadas em cantaria de granito aparente, de aparelho isódomo intercalado com fiadas salientes e arestadas no piso térreo. A fachada principal, orientada a S., de maior exuberância decorativa, desenvolve-se em três níveis de registo delimitados por friso, cornija e varandas balaustradas, sendo o primeiro rasgado por sete portais engradados, rematados por meio arco pleno, sobrepujados e intercalados por mísulas com decoração vegetalista, a que se sobrepõem varandas. A ladear a porta principal, dois atlantes seguram a varanda central, mais saliente que as restantes. O segundo registo, a que corresponde o andar nobre, é marcado pela presença de um mezzanino e pela abertura de sete pórticos de verga recta, ladeados por pares de colunas dóricas, rematados por frontões entrecortados, encimados por óculos com grinaldas, ao nível do mezzanino, exceptuando o vão central, rematado por arco de volta perfeita com aduela ao centro, assente em capiteis de importa, e tímpano com a pedra de armas da republica portuguesa esculpida. Sobre o arco de volta perfeita, colocados lateralmente, surgem dois corpos masculinos, desnudos, em alto-relevo, sobre incrustação metálica. Sob a cornija e friso, estes suportados por modilhões lisos, foram reproduzidas doze pedras de armas que correspondiam ao número de freguesias do Concelho do Porto, na época de construção. O terceiro e último registo, é marcado pela arcada de vinte e um vãos, distribuídos em conjuntos de três, intervalados pela colocação de doze cariátides de tradição helénica, que suportam o remate em platibanda, percorrido por balaustrada, de onde emergem doze urnas bem ritmadas, seguindo o mesmo enfiamento das cariátides. O acesso à fachada principal faz-se através de duas rampas laterais que principiam na Pç. do General Humberto Delgado, junto das extremidades da fachada principal. As fachadas laterais e posterior, idênticas entre si, denunciam maior sobriedade. São rasgadas por numerosos vãos de portas e janelas, de verga recta, distribuídos harmoniosamente ao longo dos seis pisos. Ao nível do andar nobre, apresentam varandas protegidas por balaustrada, suportados por mísulas, duas lateralmente e uma no alçado posterior. O quinto piso é rematado por entablamento assente em modilhões simetricamente repartidos. O sexto piso, em mansarda, ligeiramente mais recuado e recortado, apresenta-se revestido com placas de ardósia tipo "escama" e preenchido por aberturas de verga recta, ritmadas, encimadas por varandins de cantaria com balaústres, que circundam o terraço. A torre, com setenta metros de altura, apresenta planta quadrangular de volumes escalonados, apoiando-se no rés-do-chão em maciço de betão. Os quatro panos da torre apresentam decoração idêntica entre si, e dividem-se em três níveis de registo, delimitados por friso e cornija saliente, e varandas. O primeiro registo é marcado pelo conjunto de três esguias seteiras rematadas por arco de volta perfeita, sobrepujadas por cornija assente em modilhões lisos, seguidas pela colocação dos mostradores do relógio eléctrico, com carrilhão, envolvidos por festões florais, circulares e aduelas sem decoração, com fundo branco, numeração árabe a preto, e ponteiros em ferro. O segundo registo, de configuração octogonal, ligeiramente mais recuado para dar lugar a varanda circundante assente em mísulas, protegida por balaústres, apresenta em quatro faces composição arquitectónica de inspiração clássica, com quatro pórticos de verga recta ladeados por pares de colunas, encimadas por entablamento rematado por urnas em forma de vaso e pedras de armas coroadas, e nas restantes quatro faces, portas de verga recta encimadas por friso e cornija, sobrepujadas por ventanas rematadas por arco de volta perfeita que albergam sinos. O último registo, mais recuado, é rematado por cúpula octogonal e zimbório, interrompida em quatro dos lados por frontão triangular e coroada por pináculo. O acesso à torre é feito através de escada com cento e oitenta degraus. O INTEROR, com acesso pelas fachadas principal e posterior desenvolve-se ao longo de sete pisos com comunicação entre si, por intermédio de escadas e elevador. Do rés-do-chão sai uma escadaria central e monumental, de três lanços e um largo patamar, percorrida por balaustrada e revestida a mármore preto, que comunica com o andar nobre, e duas escadarias laterais que se desenvolvem ao longo dos sete pisos, organizados da seguinte forma: Arquivos e Central de aquecimento na cave; recepção no Rés-do-chão, presidência, vereação, sala das Sessões e D. Maria II no terceiro piso, e os serviços administrativos e técnicos nos restantes pisos. Todos os pisos possuem o mesmo número de divisões organizadas de igual forma, diferindo apenas ao nível dos pormenores decorativos. Alguns dos espaços encontram-se nobremente decorados, destacam-se no rés-do-chão os paços perdidos em alvenaria de granito aparente, com tectos em abobada de berço apoiada em arcos torais, com tectos pintados com motivos vegetalistas de influência romântica, tendo num dos pontos ao centro o Brasão da Câmara Municipal do Porto com a imagem de Nossa Senhora da Vandoma, padroeira da cidade. No andar nobre destacam-se o salão nobre, a sala da presidência, a sala D. Maria II, a sala das sessões e a sala de espera, pelo seu mobiliário e obras de arte.

Acessos

Praça General Humberto Delgado e Largo da Trindade

Protecção

Incluído na Zona Especial de Proteção do Conjunto da Praça da Liberdade, Avenida dos Aliados e Praça do General Humberto Delgado (v. PT011312120287)

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado em plataforma, em posição destacada, ocupa o lugar central no topo da avenida dos aliados, contornado por praças e arruamentos. A N. pela Praça da Trindade (v. PT011312120152 Igreja da Trindade), a S. pela Praça General Humberto Delgado, a O. pela Rua dos Fenianos e a E. pela Rua de António Sardinha. Edifício emblemático de grande presença arquitectónica, cuja composição volumétrica expressa grande magnificência, constituindo juntamente com o edificado envolvente, um conjunto arquitectónico monumental de particular interesse histórico, arquitectónico e artístico.

Descrição Complementar

ESCULTURA: As doze cariátides que encimam a fachada principal representam da esquerda para a direita: Navegação / Pesca / Agricultura / Viticultura / Construção Civil / Indústria / Ciências / Arquitectura / Escultura / Pintura / Música e Literatura. FRESCOS: Nas paredes laterais da Escadaria de acesso ao andar nobre, surgem quatro painéis de pintura a fresco, representado o primeiro "As Origens-Portucale Gérmen de Nacionalidade"simbolizada por D. Afonso Henriques e seus cavaleiros, o segundo "A Dilatação Geográfica" simbolizada pelo Infante D. Henrique diante do mar novo e as caravelas, o terceiro "A Expansão Comercial" representada por Afonso Martins, Burguês Portuense eleito para celebrar o primeiro tratado comercial com a Inglaterra em 1353 (este fresco encontra-se degradado); e o último "O Porto Romântico" representado por Camilo Castelo Branco que fez do Porto o centro da sua melhor actividade jornalística e literária. Em frente do edifício encontra-se a estátua de Almeida Garrett *1, mandada erguer em 1954 no âmbito das comemorações do centenário da sua morte. Trata-se de uma imagem de grandes dimensões, feita em bronze e assenta em plinto de granito.

Utilização Inicial

Política e administrativa: câmara municipal

Utilização Actual

Política e administrativa: câmara municipal

Propriedade

Pública: Municipal

Afectação

Câmara Municipal do Porto

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTURA: Correia da Silva *2 (projecto inicial), Carlos Chambers Ramos*3, (acabamentos, arranjos interiores e algumas alterações introduzidas ao projecto inicial), Luís Cunha (mobiliário da sala de sessões); PEDREIROS: Cooperativa dos Pedreiros do Porto; ESCULTURA: António Soares dos Reis, Sousa Caldas (autor das 6 primeiras cariátides), Henrique Moreira (autor das restantes 6 cariátides, e a "Industria" e a "Arte", existentes na escadaria nobre), Maria Alice Costa Pereira (autora das esculturas que representam o "Mar", a "Peixeira" e a "Ceifeira") e Gustavo Bastos (autor das figuras da "Honra" e "Concórdia"), PINTURA: Artur José Gonçalves, Santiago do Cacém (paredes e tectos da sala D. Maria II, antecâmara e passos perdidos do rés-do-chão), Santos & Irmão, Porto (pintura a folha de ouro nas portas dos salões e paços perdidos do 3º piso), Dórdio Gomes (pinturas murais da escadaria de acesso ao andar nobre); TAPEÇARIAS: Casa Formigal, Porto e Fábrica Lanarte, Lda., Guilherme Camarinha (tapeçarias para ornamentação decorativa das paredes da Sala de Sessões); RELÓGIO DA TORRE: Sociedade Electron, Lda; AZULEJOS DEDORATIVOS: Fábrica Cerâmica Viúva Lamego, Lisboa e execução de Soares da Costa, Lda; DOURADOR: Santos & Irmão, Porto; CAIXILHARIAS: Eng.º Armando dos Santos Paupério; PICHELARIA E AQUECIMENTO: J. Nunes Correia do Porto; ACABAMENTOS: Soares da Costa, Lda; ELECTRICIDADE: Magalhães e Corte Real; ELEVADORES: G. Peres, Lda; MONTA-CARGAS: Soprel, Lda; MARMOREIRO: Mármores & Granitos, Lda; MOBILIÁRIO: Viúva de João Ferreira & Filhos, J. Rocha de Azevedo, Lda.

Cronologia

1816 - A Câmara compra dois edifícios na Pç. Nova (hoje Pç. da Liberdade) *4 para instalação dos Serviços dos Paços do Concelho; 1915, 23 Dez. Em Sessão Camarária é aprovada a proposta para abertura de concurso para a execução do projecto do novo edifício dos Paços do Concelho, a construir na nova Avenida da Cidade; 1916, 1 Fev. - foram iniciadas as obras da nova urbanização previstas para o centro cívico da cidade. Este projecto compreendeu a demolição dos edifícios ocupados pela Câmara na Praça da Liberdade; 1916, 3 Fev. - a Câmara é transferida para o palácio do terreiro da Sé, pertença do Paço Episcopal, até à construção dos novos Paços do Concelho. Mudança que só se veio a registar 41 anos mais tarde; 1916, 11 Abril - é determinada a construção do edifício, tendo sido a obra promovida pela primeira vereação republicana, presidida por Elísio de Melo; 1919, 1 Dez. - o Vereador Manuel Caetano de Oliveira propôs entregar o projecto ao arquitecto municipal Correia da Silva, a fim de minimizar os custos; 1920 - foram realizados os primeiros trabalhos de alicerces e colocado um cofre na pedra fundamental contendo o auto de inauguração*5; 1947- foram retomadas as obras para conclusão do edifício*6; 1950 - foi celebrado contracto com o arquitecto Carlos Chambers Ramos para a elaboração do ante-projecto e projecto definitivo do edifício; 1951 - adjudicadas as obras de execução dos novos acessos ao edifício e suspensa a colocação de baldaquino na torre; 1957 - conclusão do edifício, instalação dos serviços camarários e inauguração oficial.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante.

Materiais

Granito, tijolo, madeira, vidro, betão armado, mármore preto, bronze, ferro forjado, estuque, cerâmica e azulejo liso e decorativo.

Bibliografia

Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, 1º Volume, Lisboa, 1959; PINTO, José Lima de Sousa, Monografia dos Paços do Concelho da Cidade do Porto, Câmara Municipal do Porto, Porto, 1990; Câmara Municipal do Porto, Porto a Património Mundial, Processo de Candidatura da Cidade do Porto à classificação pela UNESCO como Património Cultural da Humanidade - 1993; FERNANDES, Fátima e CANNATÁ, Michele, Guia da Arquitectura Moderna, Porto1925 - 2002, 2002; Departamento de Arquivos da Câmara Municipal do Porto, Divisão de Arquivo Histórico, A Ponte e a Avenida. Contradições Urbanísticas no Centro Histórico do Porto, Câmara Municipal do Porto, 2001; Porto 2001, Guia da Arquitectura Moderna, Porto 1901 - 2001, Porto, 2001.

Documentação Gráfica

Arquivos da CM do Porto: AH, AG

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, Arquivos da CM do Porto: AH, AG

Documentação Administrativa

Arquivos da CM do Porto: AH, AG

Intervenção Realizada

Observações

*1 - A construção deste monumento, da autoria de Salvador Barata Feyo (1899 - 1990), veio responder a velhos anseios da cidade. Podem ser apreciadas outras obras do autor no Porto como a Estátua de Vimara Peres (1968), as esculturas dos pilares da Ponte da Arrábida, entre outras. *2 - O arquitecto Correia da Silva era desde 1911 arquitecto da Câmara Municipal do Porto. Foi autor de outros importantes trabalhos como o Mercado do Bolhão (v.PT011312120187) e a transformação do Matadouro Municipal. *3- O arquitecto Carlos Chambers Ramos (1897 - 1969) era na altura Director da Escola Superior de Belas Artes do Porto, foi incumbido de concluir a obra e introduzir as alterações que entendesse necessárias nas obras já realizadas. Das alterações constam a substituição de portas por janelas na fachada principal, foram tapados com granito quatro nichos que se destinavam a albergar esculturas na mesma fachada, a torre foi rebaixada e substituídos alguns elementos arquitectónicos e decorativos, e a escadaria de acesso à entrada principal voltada à Avenida, já construída, foi substituída por duas rampas. Contudo, esta não foi uma substituição fácil, depois de construídas as rampas foram novamente destruídas e reconstruídas de acordo com um novo estudo, por estrangularem exageradamente o trânsito nas ruas dos Fenianos e António Sardinha. O total da despesa provocada por esta alteração rondou os 370 000$00, tendo o arquitecto Carlos Ramos assumido suportar 120 000$00 da despesa; *4 - Esta casa foi construída em princípios do séc. XVIII por José Monteiro Moreira e comprada pela Câmara do Porto em 23 de Março de 1816 à Companhia Geral de Agricultura dos Vinhos do Alto Douro a quem a tinha vendido o seu proprietário. Mais tarde, em 1864 a Câmara compra outro edifício junto a este. *5 - As chaves do cofre estão no gabinete da Presidência e têm a seguinte inscrição: "Chaves do cofre que está na pedra fundamental do novo edifício dos Paços do Concelho em construção na Avenida das Nações Aliadas, e que contém o auto de inauguração XXIV-IV-MCMXX". *6 - A obra de alvenaria, cantarias, terraços e torre demorou 20 anos a ficar concluída e foi realizada pela Cooperativa dos Pedreiros. A totalidade do granito utilizado, foi retirado das pedreiras de S. Gens, excepto o das colunas do átrio de entrada e paços perdidos do rés-do-chão, que é proveniente de Fafe.

Autor e Data

Patrícia Costa 2003 / Ana Filipe 2008

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login