Pelourinho de Constância

IPA.00001974
Portugal, Santarém, Constância, Constância
 
Pelourinho oitocentista, de urna paralelepipédica, com soco circular de três degraus, coluna com plinto, também paralelepipédico, encimado por fuste liso e capitel jónico, rematado por urna e ferros de sujeição e esfera armilar. Possui uma feição clássica, com ferros de sujeição, no remate e esfera armilar estilizada.
Número IPA Antigo: PT031408010001
 
Registo visualizado 414 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição régia  

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composta por soco de três degraus circulares, onde assenta coluna de plinto paralelepipédico, com as faces emolduradas, de onde evolui coluna de fuste liso e capitel jónico. Remate em urna paralelepipédica, de onde evoluem quatro ferros de sujeição decorados por volutas e encimada por esfera rmilar estilizada sobre pés volutados.

Acessos

Praça Alexandre Herculano. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,474821; long.: -8,338912

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano. Destacado na praça, tendo a plataforma protegida por oito frades.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1578 - Punhete, actual Constância, recebeu o título de vila, dado por D. Sebastião; séc. 18, início - chamava-se a esta vila, ora Punhete ora Constância; 1712 - é da Comarca de Tomar e tem 2 juízes ordinários, vereadores, procurador do concelho, escrivão da câmara, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão, 2 tabeliães; 1758 - nas Memórias Paroquiais, assinadas por Vital da Trindade Morais, é referido que a povoação, com 390 fogos, é do rei e comarca de Tomar; tem juiz ordinário e câmara; séc. 19 - feitura do pelourinho; transposição para o actual local.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónoma.

Materiais

Estrutura em cantaria de cálcário.

Bibliografia

CASTRO, Adolfo Faria de, Pelourinhos do Ribatejo in Vida Ribatejana, 1948; CHAVES, Luis, Os Pelourinhos, Lisboa, 1938; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza…, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; MONTEIRO, Manuel, Pelourinhos, Lisboa, 1935; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Santarém, vol III, Lisboa, 1949.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 30,n.º 267, fl. 1985-1994)

Intervenção Realizada

CMC: séc. 20, início - colocação dos frades de protecção.

Observações

Autor e Data

Rosário Gordalina 1991 / Cecília Matias 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login