Câmara Municipal, Tribunal e Cadeia de Vila Nova de Foz Côa

IPA.00018570
Portugal, Guarda, Vila Nova de Foz Côa, Vila Nova de Foz Côa
 
Arquitetura judicial, política e administrativa, oitocentista. Edifício de planta retangular simples, com fachadas rasgadas simetricamente por vãos retilíneos no primeiro piso e em arco de volta perfeita, sobre impostas salientes e com pedra de fecho também saliente, no andar nobre. Portal principal centrado, em arco abatido, circunscrito por moldura de aparelho rusticado em granito, com juntas fendidas, ladeado por dois óculos engradados. Sobre o portal principal, janela de sacada protegida por guardas de ferro forjado, encimada por pedra de armas com a coroa picada. Remate em empena reta, alteada na zona central, para albergar a pedra de armas num esquema recorrente na arquitetura civil residencial barroca. Interior com átrio de entrada que distribui os vários espaços e de onde parte escadaria que se desenvolve em dois lanços, de acesso ao andar nobre. Escadaria iluminada por claraboia e circundada por varandim que distribui o acesso às várias dependências do andar nobre.
Número IPA Antigo: PT010914170155
 
Registo visualizado 1829 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Político e administrativo regional e local  Câmara municipal  Casa da câmara, tribunal e cadeia  

Descrição

Edifício de planta retangular, de volume simples, com cobertura em telhado de quatro águas, alteada em duas águas sob a fachada principal. Fachadas desenvolvidas em cave e dois pisos, separados por friso, em alvenaria rebocada e pintada de branco, percorridas por embasamento de cantaria e enquadradas por cunhais rusticados, formados por silhares de cantaria de junta fendida, terminadas em friso e cornija, sobreposta por beiral, alteado em empena na zona central da fachada principal. Fachada principal, virada a SO, antecedida por escadaria de dois lanços e rampa do lado direito, marcada por dois registos, sendo o primeiro rasgado ao centro por portal de arco abatido, integrado em larga moldura rusticada, em aparelho de junta fendida, com pedra de fecho saliente, ladeado por óculos ovalados e três janelas de guilhotina, de cada lado, de verga reta, enquadradas por moldura de granito. No segundo registo, apresenta sobre o portal principal, janela de sacada emoldurada, em arco de volta perfeita sobre impostas salientes, com pedra de fecho volutada, e sacada apoiada na moldura do portal, protegida por guarda de ferro forjado. Encima o conjunto pedra de armas com a inscrição "1858 / CAZA MUNICIPAL". Lateralmente abrem-se três janelas de cada lado, em arco de volta perfeita, emolduradas, com impostas e pedra de fecho salientes, e ombreiras dentadas na zona inferior. Fachada lateral esquerda com três registos, o primeiro correspondente à cave, antiga cadeia, é inteiramente em cantaria de granito aparente e rasgado por três janelas de verga reta, protegidas por grades de ferro; o segundo e terceiro registos, simétricos, são rasgados por quatro janelas de verga reta com molduras de granito, simples. Fachada lateral direita rasgada por quatro vãos de verga reta, em cada piso. A fachada posterior, adaptada ao declive do terreno, apresenta piso térreo parcialmente enterrado, e nos nos dois pisos seguintes, é rasgada simetricamente em cada piso, por cinco janelas de verga reta, emolduradas. Ao centro, a encimar o telhado, apresenta sineira em arco de volta perfeita, e na fachada, entre os dois pisos, elementos de granito destacados, representando a Coroa Real e as Armas de Portugal. INTERIOR: pela porta principal acede-se a átrio com pavimento de granito e paredes com lambrim de azulejos azuis sobre fundo branco, mais ou menos até meio, e rebocadas e pintadas de branco na parte restante; teto com traves pintadas de branco e intervalos a azul. É rasgado por quatro portas de verga reta emolduradas, sendo uma em cada parede lateral e duas na parede frontal, a ladear a escadaria. Escadaria de granito com arco abatido, de um só lanço no arranque, formando a meio patamar com dois lanços de acesso ao andar nobre. É iluminada por claraboia central e circundada por varandim que distribui as várias dependências do andar nobre.

Acessos

Praça do Município

Protecção

Incluido na Zona Especial de Protecção do Pelourinho de Foz Côa e da Igreja Paroquial de Vila Nova de Foz Côa / Igreja de Nossa Senhora do Pranto

Enquadramento

Urbano, isolado, ergue-se em plataforma adaptada ao declive do terreno, na principal praça da cidade, designada Praça do Município, onde também se ergue o Pelourinho de Foz Côa (v. PT010914170003), a Igreja Paroquial de Vila Nova de Foz Côa / Igreja de Nossa Senhora do Pranto (v. PT010914170001), e oTribunal de Comarca de Vila Nova de Foz Côa (v. PT010914170173). A NO. Desenvolve-se o edifício do Antigo Sanatório (v. PT010914170257), propriedade da Câmara Municipal, atualmente com ligação subterrânea com edifício da Câmara.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Política e administrativa: câmara municipal

Utilização Actual

Política e administrativa: câmara municipal

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

MESTRE PEDREIRO: Albino Barbosa

Cronologia

Séc. 16 / 17 - Provável construção do edifício primitivo dos Paços do Concelho, no mesmo local; 1858 - inicio da construção do edifício atual, que também integrava o tribunal, a cadeia, recebedoria, conservatória e todas as outras repartições públicas da vila; a cantaria foi obra de Albino Barbosa, extraída, durante dezoito meses, de uma pedreira em Chãs *1; 1868 - conclusão do edifício; 1918 - destruição da coroa que encimava o escudo.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em perpeanho de granito, rebocada e pintada de branco; embasamento, cunhais, molduras dos vãos, frisos e cornijas, bacia da sacada, pedra de armas, escadas e outros elementos em cantaria de granito aparente; portas e caixilharia de madeira; grades, guardas e mastro de ferro; janelas com vidro simples; tetos em estuque; pavimentos interiores de pedra, soalho, e mosaico; lambrim de azulejos; cobertura de telha.

Bibliografia

COIXÃO, António do Nascimento Sá e TRABULO, António Alberto Rodrigues, Por terras do concelho de Foz Côa - subsídios para a sua história estudo e inventário do seu património, 2.ª ed., Vila Nova de Foz Côa, 1999; LEAL, Augusto S. D'Azevedo Barbosa de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Diccionario Geographico, Estatistico, Chorografico, Heraldico, Archeologico, Biographico e Etymologico, de todas as cidades, villas e freguezias de Portugal, vol. XI, Lisboa, 1886; SOUSA, Fernando de, PEREIRA, Gaspar Martins, Alto Douro, Douro Superior, Editorial Presença, 1988.

Documentação Gráfica

CMVNFC

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA

Documentação Administrativa

CMVNFC

Intervenção Realizada

1980 - Obras gerais de conservação e beneficiação; 2004 - Abertura de uma ligação subterrânea com o edifício na Rua da Moreira / Antigo Sanatório.

Observações

*1 - Num rochedo da freguesia de Chãs, uma antiga pedreira, surge a inscrição: "ALVINO DE BARBOSA / COM CEOS 8 COMPOS / 18 MEZES COMRTARAO / PEDRA PA A CADEA D VA / NA FINA 13 D / JUNHO D 1858".

Autor e Data

Paula Figueiredo 2003 / Ana Filipe 2012

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login