Pelourinho de Santa Comba de Vilariça / Cruzeiro de Santa Comba de Vilariça

IPA.00000185
Portugal, Bragança, Vila Flor, Santa Comba de Vilariça
 
Arquitectura político-administrativa e judicial ou arquitectura religiosa, quinhentista. Cruzeiro de caminho ou pelourinho sem remate, pelo que não pode ser alvo de classificação tipológica, com fuste quadrangular. Cruzeiro de caminho que poderá ter aproveitado uma peça do antigo pelourinho, correspondente ao fuste, que possui inscrições ilegíveis.
Número IPA Antigo: PT010410120002
 
Registo visualizado 259 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Sem remate

Descrição

Estrutura erm cantaria de granito, composta por soco quadrangular de dois degraus de feitura recente. A coluna na sua base é de feição quadrada passando depois à sua forma oitavada. Duas das faces mostram inscrições ilegíveis. Um cilindro faz as vezes de capitel que suporta uma cruz latina com os topos dos braços boleados.

Acessos

No entroncamento das Ruas Manuel José e São Pedro

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano. As casas que o rodeiam são de um e dois registos com arranjos recentes. Num dos lados do entroncamento existe uma padaria recente com tijoleira em cimento.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Religiosa: cruzeiro

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 (conjectural) / 19 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 14 - criação do senhorio de Vila Flor, doado a Vasco Peres de Sampaio; séc. 16 - provável construção do pelourinho; 1758, 14 Março - segundo o vigário Silvestre Pereira nas Memórias Paroquiais, a freguesia tinha como donatário os Senhores da Casa de Vila Flor, na pessoa de António de São Paio e Melo e Castro Moniz e Torres, e pertencia à comarca de Torre de Moncorvo; tinha 88 vizinhos e cerca de 400 pessoas; séc. 19 - provável transformação de parte do pelourinho em cruzeiro; 1930 - Luís Chaves, autor que fez a tipologia dos Pelourinhos nacionais não refere a existência do pelourinho de Santa Comba da Vilariça; 1933 - classificação do Pelourinho de Santa Comba da Vilariça, pelo Decreto n.º 23 122, Diário de Governo n.º 231; 1935 - referência ao mesmo na publicação da obra geral denominada Pelourinhos; 1937 - o pelourinho não é pintado por Alberto de Sousa; 1935 / 1957 - F. Perfeito de Magalhães não o inclui nas suas aguarelas; 2009, 22 Setembro - desclassificação do Pelourinho, dada a sua inexistência, pela Declaração nº 324/2009, do Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico, I. P., Diário da República n.º 184, 2.ª Série.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério, MATOS, Henrique, As Freguesias do Distrito de Bragança nas Memórias Paroquiais de 1758. Memórias, História e Património, Braga, 2007; CHAVES, Luís, Os Pelourinhos Portugueses, Lisboa, 1930; Pelourinhos, Lisboa, 1935; MAGALHÃES, F. Perfeito de, Pelourinhos Portugueses, Lisboa, 1991; SOUSA, Alberto de, Pelourinhos do Distrito de Bragança, Bragança, 1982.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1994 - arranjo do largo onde se situa o cruzeiro.

Observações

Autor e Data

Ernesto Jana 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login