Igreja de Nossa Senhora da Conceição

IPA.00001827
Portugal, Leiria, Peniche, Peniche
 
Igreja maneirista e barroca, de planta retangular, composta, fachada marcada por torre sineira com cúpula bolbosa, nave e capela-mor abobadadas. Contraste entre a severidade e simplicidade maneiristas da fachada exterior e a exuberância decorativa barroca do interior.
Número IPA Antigo: PT031014030014
 
Registo visualizado 224 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja  

Descrição

Planta longitudinal, composta pelos 2 rectângulos justapostos da nave e da capela-mor, este a N. e de menores dimensões; adossadas a O. a sacristia e várias dependências, inscritas em planta rectangular, o quadrado da torre sineira e da capela baptismal a E.. Volumes articulados, com coberturas diferenciadas em telhado de 2 águas sobre a nave, capela-mor e capela baptismal, de 1 sobre os anexos, em cúpula bolbosa sobre a torre. Fachada principal voltada a S., com empena triangular, rasgada por portal de vão rectangular moldurado, encimado por janelão com peitoril em ferro e frontão contracurvado; torre sineira do lado E., rasgada por ventanas; cunhais e sanca envolvente em cantaria, pináculos ovais em acrotérios na empena e ângulos da sineira. Fachada lateral E. marcada pelo balanço da capela baptismal, com empena triangular e rasgada pela porta lateral com escada de acesso vencendo o desnível da praça. Na cabeceira o volume da capela-mor mais baixa, de empena triangular. Nave única, coberta por falsa abóbada a berço de madeira, com sanca envolvente, pintado a representar a Imaculada Conceição; coro-alto sobre colunas toscanas assentes em pias de água benta, em taça, sobre altos pedestais; púlpito do lado do Evangelho com guarda-voz, balcão em madeira entalhada, sobre base em pedra; arco triunfal de arco redondo, sobre pilastras toscanas comunicando com a capela-mor abobadada a berço e caleada.

Acessos

Rua de Nossa Senhora da Conceição

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 2/96, DR, 1.ª série, n.º 56 de 06 março 1996

Enquadramento

Urbano. Implantação harmónica. Integra-se no casario de Peniche de Baixo, com a fachada principal virada para a R. de Nossa Senhora da Conceição e a fachada lateral E. definindo um pequeno largo.

Descrição Complementar

RECHEIO - Paredes da nave, capela-mor e baptistério forradas a azulejo azul e branco, setecentista, representando cenas da vida de Cristo e da Virgem, sobre um rodapé com cenas profanas; no subcoro cenas do Cântico dos Cânticos. No coro-alto painéis em azul e branco, representando passos da vida de S. Francisco, vin-dos do extinto convento do Bom Jesus, sobre lambril de azulejos polícromos seiscentistas. (Azulejos da nave atribuídos ao mestre do P.M.P., à excepção do painel da Anunciação, atribuído a Valen-tim de Almeida; painéis do baptistério também atribuídos a Valen-tim de Almeida; painéis da capela-mor atribuídos a Teotónio dos Santos (MECO, 1989, p. 229 / 230)). Pintura de brutesco na abóbada da nave e tecto do subcoro em redor de cartela com a representação de Nossa Senhora da Conceição. Altar-mor e altares laterais em talha dourada de estilo nacional.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja

Utilização Actual

Religiosa: igreja

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR: Pedro Peixoto (atr., 1705).

Cronologia

1680 - início da construção da igreja, a expensas do povo, no local da antiga capela de S. Sebastião das Areeiras; séc. 18, 1º quartel - obras de remodelação do interior da capela: pintura da abóbada e subcoro, revestimento azulejar, talha dourada; 1705 - pintura do teto da nave, atribuível a Pedro Peixoto.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Cantaria de pedra rebocada, cantaria, tijolo, telhacerâmica, madeira, vidro.

Bibliografia

SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário artístico de Portugal, V, Lisboa, 1955; Tesouros artísticos de Portugal, Lisboa, 1976; GONÇALVES, Flávio, As obras setecentistas da Igreja de NªSª da Ajuda de Peniche e o seu enquadramento na arte portuguesa da 1ª metade do séc. XVIII, Boletim da Assembleia Distrital de Lisboa, 88, 89, 1982, 1983; MECO, José, O Azulejo em Portugal, in História da Arte, Lisboa, 1986; CALADO, Mariano, Peniche na História e na Lenda, Peniche, 1991; REIS, Vítor Manuel Guerra dos - O Rapto do Observador: invenção, representação e percepção do espaço celestial na pintura de tectos em Portugal no século XVIII. Lisboa: s.n., 2006. Texto policopiado. Dissertação de Doutoramento apresentada à Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, 2 vols; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/72900 [consultado em 20 dezembro 2016].

Documentação Gráfica

DGEMN: DRMLisboa

Documentação Fotográfica

DGEMN: DRMLisboa, DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login