Pelourinho de Aljubarrota

IPA.00001786
Portugal, Leiria, Alcobaça, Aljubarrota
 
Pelourinho quinhentista, de pinha piramidal, composto por soco circular de três degraus, coluna com base tripla e fuste liso, com capitel ornado por elementos fitomórficos, de onde evolui o remate piramidal, com símbolos heráldicos. O escudo do remate é mantelado por um chapéu eclesiástico, mas que o povo diz ser o da "Padeira de Aljubarrota" (MALAFAIA, 1997). Possui a esfera armilar e escudo português.
Número IPA Antigo: PT031001110004
 
Registo visualizado 593 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição monástica  Tipo pinha

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco circular de três degraus onde assenta uma coluna de base octogonal com três ressaltos intermédios e oito arestas decoradas com elementos florais desgastados, fuste cilíndrico liso monolítico, capitel de cesto ornado de quadrifólios relevados e ábaco poligonal. Sobre a coluna, surge o remate em pináculo piramidal com a esfera armilar e o escudo português, mantelado por chapéu eclesiástico, em relevo.

Acessos

Largo do Pelourinho, na freguesia de Nossa Senhora dos Prazeres, em Aljubarrota. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,566340, long.: -8,929590

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933 / ZEP, Portaria n.º 45/2014, DR, 2.ª série, n.º 14 de 21 janeiro 2014 *1

Enquadramento

Urbano. Isolado. Integra-se num pequeno largo empedrado junto à Rua Direita, em frente à torre da antiga Casa da Câmara e ao edifício da actual Junta de Freguesia.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1316, 01 Abril - concessão do primeiro foral, dado pelo abade de Alcobaça, pois Aljubarrota era uma das 14 vilas dos coutos do Mosteiro; 1514, 01 Outubro - D. Manuel concede-lhe foral novo, em Lisboa, em 01 de Outubro; séc. 16, 1º quartel - data provável de construção do pelourinho; 1712 - é da Comarca de Leiria e tem 450 vizinhos; pertence aos frades do Mosteiro de Alcobaça; 1758 - nas Memórias Paroquiais é referido que a povoação é pertença dos coutos de Alcobaça, geridos pelo abade Frei Manuel Barbosa; tem 2 juizes ordinários, de órfãos e das sizas, eleitos pelo povo e confirmados pelo abade; a Câmara, com 3 vereadores e um procurador, era eleita pelo povo e confirmados pelo abade; 1834 - extinção do concelho; 1967 - proposta de arranjo do espaço envolvente, em que se incluía a reconstrução de uma casa de dois pisos em ruína, de finais do séc. 18, junto ao pelourinho e ligada ao imóvel da Junta de Freguesia; 2012, 30 abril - proposta da DRCLVTejo de fixação de uma Zona Especial de Proteção Conjunta do Pelourinho, Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres (v. PT031001110011) e a Casa na Rua Direita, n.º 49 (v. PT031001110013); 16 outubro - publicação do projeto de decisão relativo à fixação da Zona Especial de Proteção conjunta da Igreja, Casa na Rua Direita, n.º 49 e o Pelourinho de Aljubarrota, em Anúncio n.º 13574/2012, DR, 2.ª série, n.º 200; 2013, 24 junho - publicação da alteração do projeto de decisão relativo aos limites da Zona Especial de Proteção conjunto da Igreja, Casa na Rua Direita, n.º 49 e Pelourinho, em Anúncio n.º 229/2013, DR, 2.ª série, n.º 119.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1988; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza…, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; GARCIA, Eduíno Borges, Ácerca dos Pelourinhos dos Coutos de Alcobaça, Alcobaça, 1975; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal, Vol. V, 1955; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Leiria, Viseu, 2000; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74417 [consultado em 5 agosto 2016].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 3, n.º 2, fl. 5-46)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

*1 - A Zona Especial de Proteção é conjunta da Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres (v. IPA.00001826), Casa na rua Direita, n.º 49 (v. IPA.00001484) e o Pelourinho de Aljubarrota (v. IPA.00001786).

Autor e Data

Isabel Mendonça 1991

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login