Pelourinho de Alfeizerão

IPA.00001776
Portugal, Leiria, Alcobaça, Alfeizerão
 
Pelourinho quinhentista, de pinha piramidal, reconstruído no final do séc. 20, integrando os váriso fragmentos que se encontravam disseminados. Tem soco de três degraus circulares, de feitura recente, de onde se eleva coluna de fuste torso composto por faixas helicoidais, encimado por capitel de acantos e por pináculo piramidal. Revela muitas semelhanças com o Pelourinho de Turquel, também nos coutos de Alcobaça (v. PT031001140009). Fuste ornado profusamente por elementos fitomórficos e apresentando cogulhos no remate, em cuja base eram ainda visíveis, em 1975, duas torres em relevo, que segundo alguns autores representariam a Torre de D. Framondo e o Castelo de Alfeizerão.
Número IPA Antigo: PT031001020003
 
Registo visualizado 480 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição monástica  Tipo pinha

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composto por soco de três degraus circulares com focinho saliente, de feitura recente, com o bordo superior boleado. Sobre este, eleva-se coluna assente numa base em forma de anel recortado, de fuste cilíndrico com caneluras helicoidais, ornadas por rosetas, dividido a meio por anelete. Capitel de listel circular com cesto de folhagem de acantos, encimado por ábaco quadrangular, sobrepujado por pináculo piramidal com cogulhos nas arestas, possuindo numa das faces uma figura humana com manto e noutra face duas torres *2.

Acessos

Largo da Igreja. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,500107, long.: -9,107574

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano. Em frente à igreja matriz, integrado num pequeno largo com calçada à portuguesa, separado da rua por um murete.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

DESENHO: Eduíno Borges Garcia (1984-1985).

Cronologia

1332 - concessão de foral pelo Abade D. Frei João Martins; 1422, 01 Junho - foral dado pelo abade de Alcobaça, D. Frei Fernando de Quental; 1514, 01 Outubro - concessão de novo foral a Alfeizerão por D. Manuel, confirmando os privilégios anteriores; 1758 - nas Memórias Paroquiais, é referido que a povoação, com 52 vizinhos, era dos coutos de Alcobaça, de que era abade Frei Manuel Barbosa; tem 2 juizes, 3 vereadores e um procurador; 1966 - Eduíno Borges Garcia descobre os restos do Pelourinho de Alfeizerão, quando estudava alguns elementos arquitectónicos postos a descoberto pelas obras de ampliação da igreja paroquial de Alfeizerão; dele restavam 4 fragmentos, um troço completo do fuste, com fractura parcial numa das extremidades, dois fragmentos ajustáveis, que formavam o outro troço do fuste, com o capitel e o remate completo em forma de pinha; 1981 - os fragmentos encontravam-se no cemitério, por trás da igreja, faltando-lhe contudo a base e o anelete central do fuste, além dos degraus; 1984 -1985 - reconstrução do pelourinho, conforme projecto de Eduíno Borges Garcia; 2007, 19 janeiro - proposta da DRCLVTejo de fixação da Zona Especial de Proteção das Ruínas do Castelo e Pelourinho de Alfeizerão; 2007, 26 junho - parecer favorável do IPA; 31 outubro - parecer favorável do Conselho Consultivo do IGESPAR; 2012, 08 fevereiro - nova proposta da DRCLVTejo de fixação de uma Zona Especial de Proteção para o Pelourinho; 29 fevereiro - parecer favorável do Conselho Nacional de Cultura.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de calcário.

Bibliografia

GARCIA, Eduíno Borges, Ácerca dos Pelourinhos dos Coutos de Alcobaça - Encontro do desaparecido pelourinho de Alfeizerão, Alcobaça, 1975; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Leiria, Viseu, 2000; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/73362 [consultado em 5 agosto 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 2, n.º 53, fl. 465-472)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

*1 - DOF: Pelourinho de Alfeizerão (fragmento). *2 - segundo Borges Garcia (1975, pp. 19 -20), representariam o castelo de Alfeizerão e a Torre de D. Framondo, em Famalicão, citados no foral de 1422.

Autor e Data

Isabel Mendonça 1991

Actualização

Cecília Matias 2001
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login