Igreja Paroquial de São Pedro de Peniche / Igreja de São Pedro

IPA.00001771
Portugal, Leiria, Peniche, Peniche
 
Igreja paroquial maneirista, de grandes dimensões, de planta retangular composta, com 3 naves de 5 tramos, cobertas a madeira, capela-mor abobadada; fachada com exonartex ladeada por 2 torres, sendo que uma delas não chegou a ser concluída.
Número IPA Antigo: PT031014040013
 
Registo visualizado 489 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta pelos 2 rectângulos das naves e da capela-mor, a O. e de menores proporções, à qual se adossam os 2 espaços rectangulares iguais, a sacristia e a casa de arrumos. Volumes articulados, com coberturas diferenciadas em telhado de 2 águas sobre nave e capela-mor, de 4 sobre os anexos. Fachada principal, em empena triangular, rasgada por exonártex com serliana, ladeada por 2 torres, uma delas com sineira coberta por cúpula bolbosa, a outra sem remate; óculo no corpo central, frestas rectangulares nas torres; cunhais e molduras divisórias dos andares em cantaria. Fachadas laterais rasgadas por portas travessas no 1º registo, 5 janelas rectangulares no 2º. Cabeceira em empena triangular, com cunhais em cantaria nos ângulos da capela-mor e capelas laterais. 3 naves de 5 tramos, divididas por arcos redondos sobre altas colunas cilíndricas toscanas, com tecto de madeira de 3 planos; capela baptismal com cúpula em meia esfera, no interior da torre S, escada de acesso ao coro-alto do lado oposto; arco triunfal em arco redondo sobre pilastras abrindo para a capela-mor mais baixa, coberta por abóbada a berço. Sacristia e divisão oposta cobertas por abóbadas de nervuras caleadas. RECHEIO - altar-mor em talha de estilo nacional, encimado pelas armas de São Pedro; altares colaterais em talha dourada dentro de edículas em arco redondo sobre pilastras, em cantaria; altares laterais integrados em edículas com frontão triangular, interrompido pela cruz. Grandes telas enquadradas por talha dourada, representando passos da vida de São Pedro, uma delas assinada e datada (Pedro Peixoto, 1711); Pinturas murais de motivos neo-clássicos na abóbada e paredes laterais da capela-mor. O baptistério é forrado a azulejo figurativo azul e branco, muito deteriorado, vindo do extinto convento do Bom Jesus. Do mesmo convento o cadeiral em madeira, em 2 alas, encostado às paredes da capela-mor.

Acessos

Largo de Castilho; Rua de José Estevão

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 2/96, DR, 1.ª série-B, n.º 56 de 06 março 1996

Enquadramento

Urbano. Isolado. Implantação harmónica. Integra-se na malha urbana de Peniche de Baixo, com a fachada aberta para um pequeno largo formado na confluência da R. Castilho e R. Dr. Francisco Seia com a R. José Estêvão. Escada de 3 lanços de acesso à fachada principal, vencendo o desnível do largo fronteiro.

Descrição Complementar

No coro-alto, órgão positivo.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Lisboa)

Afectação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR: José Rodrigues (1722), Pedro Peixoto (1711, 1722).

Cronologia

1589 - 1593 - Início das obras, no local da antiga capela do Espírito Santo; 1670 / 1698 - obras de ampliação (CALADO, 1991, p. 267); 1711 - o pintor Pedro Peixoto recebe da Confraria do Santíssimo Sacramento da igreja 4$800 de "huns praxõens que vendeo", 4$800 de "engessar o throno" e 68$000 "por pintar o tecto da cappª mor"; Pedro Peixoto executa ainda as quatro telas da capela-mor, com cenas da vida de São Pedro, uma delas representando A cura do homem coxo junto à Porta Especiosa pelos apóstolos Pedro e João, por 80$000; 1722 - o pintor Pedro Peixoto associado a José Rodrigues, recebe 5$010 de "raspara o gesso da trebuna", e 32$925 de, com o apoio de dois moços, pelo dourado da tribuna desse retábulo; posteriormente recebe 19$500 de um último pagamento de jornais.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Alvenaria de pedra rebocada, cantaria, tijolo, madeira, telha cerâmica, vidro.

Bibliografia

AA.VV - Arte Sacra nos antigos Coutos de Alcobaça. Lisboa: Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico, 1995; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário artístico de Portugal, vol. V, Lisboa, 1955; Tesouros artísticos de Portugal, Lisboa, 1976; CALADO, Mariano, Peniche na História e na Lenda, Peniche, 1991; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/73430 [consultado em 20 dezembro 2016].

Documentação Gráfica

DGEMN: DRMLisboa

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID, DRMLisboa

Documentação Administrativa

DGEMN: DSID

Intervenção Realizada

2015 - restauro do órgão de tubos.

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login