Farol de Aveiro / Farol da Praia da Barra

IPA.00017447
Portugal, Aveiro, Ílhavo, Gafanha da Nazaré
 
Arquitetura de equipamento. Farol costeiro de torre cilíndrica pintada com faixas horizontais vermelhas com edifício anexo; a torre tem escadaria de 288 degraus que nos conduzem ao farol que apresenta o sistema iluminante em ótica de cristal, direcional fixa, de luz branca. O Farol da Barra de Aveiro é o mais alto de Portugal e o segundo maior a nível europeu. Apresenta torre troncocónica com faixas brancas e vermelhas, rodeado por edifícios anexos.
Número IPA Antigo: PT020110030029
 
Registo visualizado 2711 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Comunicações  Farol    

Descrição

Acessos

A S. da foz do rio Vouga, na povoação da Barra; Avenida Fernão de Magalhães; Avenida João Corte Real

Protecção

Em estudo

Enquadramento

Isolado, a uma altitude de 66m. Implantado em plena praia. Do topo do farol avista-se o mar, a Ria, as praias da Barra e Costa Nova, as Gafanhas, São Jacinto e a cidade de Aveiro.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comunicações: farol

Utilização Actual

Comunicações: farol

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

MDN: Direcção de Faróis

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ENGENHEIRO: Paulo Benjamim Cabral (1879).

Cronologia

1856, 8 Janeiro - Determinou-se, por portaria, "que o Director das Obras Públicas do Distrito de Aveiro, de acordo com o capitão do Porto e com o Director Maquinista de Faróis escolhessem, perto da barra, loca apropriado para o farol"; 1858 - rejeitou-se a ideia de aproveitar a torre de sinais do Forte da Barra para a construção do farol; 1870, 14 Outubro - por portaria, é aprovado o plano de alumiamento geral da costa, elaborado pelo conselheiro Francisco Maria Pereira da Silva; 1879 - data do projecto do farol da autoria do engenheiro Paulo Benjamim Cabral, que previa uma torre de secção octogonal de 55m de altura; 1879 / 1893 - construção do farol, (*1) após alterações ao projecto inicial, sendo a obra dirigida inicialmente pelo engenheiro Silvério Pereira da Silva e posteriormente pelo engenheiro José Maria de Mello e Matos (*2); 1893 - conclusão da construção do farol; 15 Outubro - data do início do funcionamento do aparelho luminoso e do sinal sonoro (*3); a fonte luminosa era a incandescência pelo vapor de petróleo; 1929 - o farol sofre obras de reparação em sequência de avarias diversas que se julgou serem causadas por oscilações da torre; 1935 - transferência do sinal sonoro para o interior do edifício; 1936 - electrificação do farol, através da instalação de grupos electrogéneos; 1947 - substituição do aparelho, pelo existente actualmente, menor de 3ª ordem, pequeno modelo, dotado de painéis aeromarítimos, com uma característica luminosa de grupos de quatro relâmpagos brancos que se repete passados 13 segundos e o alcance luminoso correspondente é de 23 milhas; 1950 - o farol passa a ser alimentado pela rede de distribuição de energia; 1954 - Elaborado o estudo de arranjo do farol, pela Direcção-Geral dos Serviços de Urbanização (Serviços de Melhoramentos Urbanos); 1958 - montagem do ascensor de acesso à lanterna.

Dados Técnicos

A torre do farol tem uma altura de 62 m, a luz encontra-se a 66 m de altitude e o seu alcance luminoso é de 23 milhas (c. 43 km), com uma característica luminosa de grupos de quatro relâmpagos brancos com um período de 13 segundos.

Materiais

Bibliografia

Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1954, Lisboa, 1955; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, 1º Volume, Lisboa, 1959; GONÇALVES, A. Nogueira, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Aveiro, Zona-Sul, Lisboa, 1959; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, 1º Volume, Lisboa, 1960; VILHENA, João Francisco, LOURO, Maria Regina, Faróis de Portugal, Lisboa, 1995.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN / DREMCentro

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN / DSID, DGEMN / DREMC, SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1929 - Obras de grandes reparações, que incluíram o seu isolamento do resto do edifício por meio de paredes de tijolo e a colocação de catorze cintas de cimento armado para consolidar; DGEMN: 1958 / 1959 - obras de reparação do edifício do farol pelos Serviços de Construção e Conservação.

Observações

EM ESTUDO. *1 - A construção do farol de Aveiro veio substituir os serviços da Ermida da Senhora das Areias, que, segundo Frei Agostinho de Santa Maria, "(...) para os navegantes serve como farol, de vigia ou de estrela fixa, a qual, nos perigos das grandes tromentas e tempestades, avisa os que naufragam, para escaparem daquela desumana onda, que subverte os navios(...)" (in: VILHENA: 1995, 37). *2 - "(...) o farol de Aveiro importa em 51 contos de réis e será o primeiro a beneficiar de um elevador, que evitará (...) subir os 288 degraus da sua escadaria em caracol." (in:VILHENA: 1995, 37). *3 - O farol viria a ser equipado com um aparelho "de 1ª ordem, produzindo grupos de quatro clarões brancos de 2,5 segundos de duração de um eclipse de 1,5 segundos, sendo o intervalo entre sucessivos grupos de 9,5 segundos, com um alcance geográfico de 20 milhas" e "Uma trompa de Holmes de ar comprimido instalada próximo do farol constituía o sinal sonoro".

Autor e Data

Patrícia Costa 2003 / Cecília Matias 2008

Actualização

Teresa Ferreira 2012
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login