Liceu Nacional Alexandre Herculano / Escola Secundária Alexandre Herculano

IPA.00017400
Portugal, Porto, Porto, Bonfim
 
Arquitectura civil educativa, do séc. 20. Liceu
Número IPA Antigo: PT011312020256
 
Registo visualizado 1341 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Educativo  Escola  Liceu  

Descrição

Acessos

Avenida de Camilo, Rua de António Carneiro, Rua de António Granjo. WGS84: 41º08'53.59"N., 8º35'39.72"O.

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 226/2011, DR, 2.ª Série, n.º 12 de 18 janeiro 2011

Enquadramento

Urbano, isolado, destacado, constituindo a totalidade do extremo N. do quarteirão onde se insere. A envolvente é marcada por edifícios habitacionais e alguns edifícios industriais.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Educativa: liceu

Utilização Actual

Educativa: escola secundária

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: José Marques da Silva (1869- 1947)

Cronologia

1905 - com a reforma do ensino liceal e a criação de duas áreas administrativas na cidade, foi posta de parte a construção de um só liceu central para se construirem dois, um para cada área da cidade; assim, o Liceu Rodrigues de Freitas serviria a parte oriental e o Alexandre Herculano a parte ocidental; este último ficou provisoriamente instalado num edifício sem condições da Rua das Taipas; 1908 - o Liceu Central da primeira zona passou a designar-se Liceu Central de Alexandre Herculano; 1911 - foi aprovado no parlamento, por proposta do deputado Ângelo Vaz, que tinha sido médico no Liceu, um projecto de lei que autorizava o empréstimo para a construção de um novo edifício; o terreno para a sua construção pertencia à Quinta de Sacais, uma das muitas quintas que rodeava o Porto, entretanto dividida pela Avenida Camilo; 1916, 31 de Janeiro - lançamento da primeira pedra; 1921 - conclusão do edifício que inicia a actividade no início do ano lectivo; 1939 - construção de balneários e instalação de aquecimento de água; 1970 (década) - foi acrescentado com mais oito salas de aula por forma a garantir o aumento previsto de 800 alunos; 2005, 06 dezembro - Despacho de abertura do processo de classificação pelo presidente do IPPAR; 2006, 19 maio - proposta da DRPorto de classificação como Imóvel de Interesse Público; 20 dezembro - parecer favorável à classificação pelo Conselho Consultivo; 2010, 25 outubro - Despacho de homologação da classificação do Secretário de Estado da Cultura.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Bibliografia

Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1950, Lisboa, 1951; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1952, Lisboa, 1953; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1955, Lisboa, 1956; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, 1º Volume, Lisboa, 1959; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, 1º Volume, Lisboa, 1960; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no Ano de 1961, 1º Vol., Lisboa, 1962; Secção Regional do Norte da Associação dos Arquitectos Portugueses (org.), José Marques da Silva, arquitecto, 1869-1947, Porto, AAP, 1986; CARDOSO, António, O Arquitecto José Marques da Silva e a Arquitectura no Norte do País na primeira metade do Séc. XX, Porto, FAUP, 1997; PROVIDÊNCIA, Paulo, Liceus da República, in AAVV, Porto 1901-2001. Guia de Arquitectura Moderna, Porto, 2001; ALVES, Luís Alberto Marques, Liceu Alexandre Herculano, Porto, in NÓVOA, António e SANTA-CLARA, Ana Teresa (coord.), Liceus de Portugal: Histórias, Arquivos, Memórias, Lisboa, ASA, 2003, pp. 595-615;

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DREMN; UP: Instituto Arquitecto José Marques da Silva;

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSARH

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DREMN

Intervenção Realizada

DGEMN: 1938 - Obras gerais de reparação e conservação; 1950 - obras urgentes de reparação e conservação pela Direcção Regional; 1952 - remodelação da instalação eléctrica; 1955 - execução de obras de conservação, pela Direcção dos Serviços de Construção e Conservação; 1957 / 1958 - Obra de ampliação com oito salas pelos Serviços de Construção e Conservação; 1959 - continuação da 2ª fase das obras de ampliação do liceu, pelos Serviços de Construção e Conservação, em conjugação com a Junta de Construções para o Ensino Técnico e Secundário; obras de conservação; 1961 - continuação da 2ª fase das obras de ampliação.

Observações

EM ESTUDO.

Autor e Data

Filomena Bandeira / Patrícia Costa 2003 / Ana Filipe 2009

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login