Pousada de São Bartolomeu

IPA.00017332
Portugal, Bragança, Bragança, União das freguesias de Sé, Santa Maria e Meixedo
 
Pousada do século 20, de expressão " moderna ", construída de raiz, inserida na segunda fase de construção das pousadas, cronologicamente situada entre os meados da década de cinquenta e os anos de setenta. Insere-se na rede Pousadas de Portugal e, dentro deste, no grupo das Pousadas de Charme. A Pousada de São Bartolomeu marca um importante ponto de ruptura com imaginário oficial das pousadas de turismo, sendo a primeira de uma série que se afasta do discurso iconográfico-celebrativo do Estado Novo, para propor uma abordagem mais realista à tradição e à cultura portuguesas. Segundo Susana Lobo, seria apenas com a Pousada de São Bartolomeu que se cumpre plenamente o projecto das pousadas, sendo, nesse sentido duplamente moderna, "tão moderna que chega a ser pós-moderna". É estruturalmente moderna, na organização funcional e na articulação dos espaços internos ou na varanda racionalista que lança sobre a paisagem e, ideologicamente, encerra uma aspiração pós-moderna, porque recorre a valores da memória e da história construtiva local. O próprio desenho de mobiliário acompanha a renovação de conceitos propostos. Com a sua ampliação em 1996, o carácter e a escala da estrutura original foram completamente alterados, devido à duplicação do número de quartos e as consequentes transformações que isso implicou na adequação dos espaços de estar.
Número IPA Antigo: PT010402420087
 
Registo visualizado 663 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Comercial e turístico  Unidade hoteleira  Pousada  

Descrição

Planta em L irregular, composto por corpo rectangular mais antigo e maior e por um outro menor, formando volume único com coberturas em telhado de duas águas. Fachadas de um ou três pisos, adaptados ao declive natural da encosta, rebocados e pintados de branco e com zonas em xisto aparente, rasgadas por vãos rectilíneos. Na fachada posterior, aberto à paisagem, estruturam-se as varandas dos quartos com sacadas em ferro, e as das salas de estar e de jantar, animada por um elemento de escada que propõe o contacto com o chão. No INTERIOR aproveita-se o declive natural da encosta para resolver a instalação dos serviços e as instalações do pessoal em cave, libertando o piso principal, à cota do estacionamento automóvel, para articular a entrada, os espaços comuns e a cozinha. Neste piso situa-se um dos dez quartos previstos inicialmente, concentrando-se os outros nove no piso superior. Junto à entrada, destacam-se os corpos prismáticos dos acessos verticais, de hóspedes e de serviço, que ligam ao piso dos quartos e à cave. Os espaços de utilização comum dispõem-se de modo sucessivo, possuindo a sala de estar no centro da composição; uma grande lareira, articulada com a zona de bar, faz a transição para a sala de refeições.

Acessos

Estrada do Turismo

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, isolado, fora do núcleo urbano da cidade, junto à Estrada do Turismo e numa cota inferior à mesma. O edifício desenvolve-se paralelo às curvas de nível, adaptado à topografia do terreno e aproveitando o declive natural da encosta, dispondo os principais espaços e os quartos virados a nordeste, permitindo uma melhor exposição solar e vista panorâmica sobre a cidade e o castelo de Bragança (v. PT010402420003).

Descrição Complementar

No interior destacam-se as obras de vários artistas contemporâneos, nomeadamente a estátua da Santa Padroeira, colocada à entrada, e da autoria do escultor Gustavo Teles Garcia Bastos, o painel de azulejos da sala de jantar de Júlio Resende, tapeçarias de Amândio Silva, obras de Armando Alves, Augusto Gomes, Flor Campino, Jorge Pinheiro, Lagoa Henriques (escultura) e Souza Felgueiras.

Utilização Inicial

Comercial e turística: pousada

Utilização Actual

Comercial e turística: pousada

Propriedade

Privada: pessoa colectiva

Afectação

Grupo Pestana Pousadas

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: José Carlos Loureiro (1954, 1996); Pádua Ramos. DECORADORES: José Carlos Loureiro e Pádua Ramos. ENGENHERO: Amílcar Gil Alves (1954); ESCULTOR: Gustavo Teles Garcia Bastos (1959). PINTOR: Júlio Resende (1959).

Cronologia

1954 - apresentação do projecto da pousada elaborado pelo arquiteto José Carlos Loureiro; o projeto das estruturas é do engenheiro Amílcar Gil Alves; 1955 - continuação dos estudos, pela Direcção dos Serviços de Construção e Conservação, para a construção dos novos edifícios destinados à instalação da pousada; 1956 - continuação dos estudos tendo em vista a construção, pelos Serviços de Construção e Conservação; 1957 - início da construção da pousada, pelos Serviços de Construção e Conservação; 1959 - conclusão da Estátua da Santa Padroeira, disposta à entrada, pelo escultor Gustavo Teles Garcia Bastos, que custou 40 contos; estava em conclusão o painel de azulejos do pintor Júlio Resende, colocado na sala de jantar; inauguração da pousada; 1996 - ampliação da pousada com projeto do arquiteto José Carlos Loureiro; 12 julho - reabertura ao público da pousada; 2004, 30 dezembro - despacho de abertura do processo de classificação pelo Presidente do IPPAR; 2009, 23 outubro - caduca o processo de classificação conforme o Artigo n.º 78 do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n.º 206.

Dados Técnicos

Sistema estrutural misto.

Materiais

Alvenarias em xisto, a "pico fino" e a "pico grosso", trabalhadas numa estrutura mista com o betão armado, nem pela cobertura de duas águas, em telha Lusa.

Bibliografia

Arquitectura, n.º 78, Maio 1963, pp. 13-16; COSTA, Nuno Brandão, LOUREIRO, Luís Pinheiro - J. Carlos Loureiro. Colecção Arquitectos Portugueses. Vila do Conde: Verso da História e autores, 2013; FERNANDES, José Manuel, "Pousadas de Portugal. Obras de raiz e em monumentos" in Caminhos do Património, pp. 159-177, 1999; LOBO, Susana, Pousada de São Bartolomeu, em Bragança: a primeira pousada (pós)-moderna, in Revista Monumentos, nº 32, Lisboa, Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, dezembro 2011, pp. 142-147; IDEM, Pousadas de Portugal. Reflexos da Arquitectura Portuguesa no Século XX, Coimbra, Imprensa Universitária de Coimbra, 2006; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1955, Lisboa, 1956; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1956, Lisboa, 1957; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, vol. 1, Lisboa, 1959; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, vol.1, Lisboa, 1960.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSEP, DGEMN/DREL/DEM, DGEMN/DREMN/DE

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSConservação, DGEMN/DSARH-PO, CAM

Intervenção Realizada

DGEMN: 1959 - fase de acabamentos da construção, pelos Serviços e Construção e Conservação; equipamento e mobiliário pela Comissão para Aquisição de Mobiliário.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Sofia Diniz 2003 / Paula Noé 2012

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login