Igreja Paroquial de São Mamede / Igreja de São Mamede

IPA.00015432
Portugal, Lisboa, Lisboa, Santo António
 
Arquitectura religiosa, oitocentista. Igreja paroquial de planta longitudinal composta pela justaposição de 2 corpos rectangulares correspondentes, no interior, a nave e capela-mor, ambos de planta rectangular e cobertura em abóbada de berço (diferenciadas e separadas por cornija). Alçado principal animado por portal rasgado axialmente e por 3 janelões iluminantes, superiormente rematado por frontão triangular. Nave com muros animados por altares laterais intercalados por púlpitos afrontados. Capela-mor precedida de arco triunfal em cantaria e muro de topo decorado com retábulo a albergar pintura sobre tela.
Número IPA Antigo: PT031106460739
 
Registo visualizado 816 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

De planta longitudinal composta pela justaposição de 2 rectângulos (nave e capela-mor), apresenta volumetria paralelepipédica, sendo a cobertura efectuada por telhados a 2 e 3 águas. Alçado principal a SO., delimitado por cunhais de cantaria e animado por vãos alinhados segundo 2 registos separados por friso de cantaria. É rasgado a eixo por portal inscrito em arco de volta perfeita, enquadrado por duplas pilastras que suportam entablamento, definido por friso animado por triglifos e métopas, e remate em frontão triangular interrompido por painel escultórico. Acima do friso e articulado com o portal , janelão iluminante de verga contracurvada e remate em ática ladeado por 2 janleõies iluminantes de verga recta destacada. O alçado é superiormente rematado por frontão triangular, com o tímpano vazado por óculo e acrotérios assinalados por fogaréus e cruz ao centro. INTERIOR: do templo, reconhecem-se 2 entidades espaciais - nave e capela-mor - ambas de planta rectangular com cobertura em abóbada de berço diferenciadas, delimitadas por cornija, rasgadas por lunetas (falsas do lado do Evangelho) e animadas, no caso da nave, por pintura decorativa. Coro-alto adossado à face interna da fachada, com guarda em balaustrada de madeira circunscrita por. Muros laterais animados por altares inscritos em arcos de volta perfeita em cantaria - definidos por retábulos em talha dourada, dedicados, do lado da Epístola, a São Mamede e à Imaculada Conceição, e do lado do Evangelho, a Nossa Senhora de Fátima - intercalados por púlpitos com guarda em cantaria, de secção rectangular. No lado do Evangelho regista-se Capela do Santíssimo, de planta quadrada e cobertura em cúpula, com muros laterais e de topo rasgados por arcos de volta perfeita em cantaria que inscrevem, respectivamente, portas de verga recta destacada e retábulo superiormente articulado com baldaquino, albergando, ao centro, a figuração de Cristo Crucificado em madeira policroma. Na capela-mor, precedida de arco triunfal de volta perfeita em cantaria, reconhece-se no muro de topo, retábulo-mor em cantaria composto por colunas de capitéis compósitos que ladeiam pintura sobre tela.

Acessos

Largo de São Mamede

Protecção

Parcialmente incluído na Zona de Proteção no Aqueduto das Águas Livres (v. IPA.00006811) / Incluído na Zona Especial de Proteção Conjunta dos imóveis classificados da Avenida da Liberdade e área envolvente

Enquadramento

Urbano, em posição altimétrica dominante relativamente à via pública, articulado com adro delimitado por muro em balasutrada ao qual se acede através de escadaria axial. Constitui-se como elemento dominante do Largo em que se integra, cuja frente N. Fecha. Na proximidade do Palacete Fontalva (v. PT031106460740), que se ergue a O. do mesmo Largo, e do Palácio Alagoas (v. PT031106460610), em posição quase fronteira.

Descrição Complementar

AZULEJO: panos de muro da nave e capela-mor animados por lambril azulejar monócromo de perfil recortado que integra medalhões, com cenas religiosas, superiormente rematados por cruzes, também em azulejo; PINTURA: composição do tecto da nave com alegoria eucarística.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Lisboa)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Raul Martins (1924). ENGENHEIRO: Bento António Leça (1878). PINTOR: Conceição Lino (1924)

Cronologia

1603, 07 Março - concessão de ordem a Jácome Ribeiro de Leiva para lançar uma finta para as obras da igreja; 1769, 18 Dezembro - por carta régia desta data é transferida a paróquia de São Mamede para o seu novo distrito, ficando então como sua sede provisória a ermida de Nossa Senhora Mãe dos Homens (a qual havia sido fundada em 1749), localizada em Vale do Pereiro (actual confluência das ruas Braancamp e Alexandre Herculano); 1770 - primeira definição do território da freguesia; 1780 - alteração dos limites do território da freguesia; 1782 - início da construção da nova igreja paroquial de São Mamede; 1783 - a sede da paróquia passa para a nova igreja, cujas obras se encontravam ainda muito no início; 1834, 11 e 12 Abril - arrombadas as portas da sacristia, aberto o sacrário e roubado um cálice de prata; 1837, 15 Fevereiro - novo assalto à igreja, sendo roubados os resplendores das imagens, lâmpadas e outras alfaias de valor; 1839, Abril - tem de se proceder à demolição da casa de despacho da igreja, a qual ameaçava desabar, reparação do telhado da igreja em cosntrução; 1840 - decorrem as obras sob a direcção do mestre de obras José Moreira; 1846 - constituída uma comissão paroquial, a fim de verdadeiramente se impulsionar as obras; 1850 - consegue obter-se, por meio do marquês de Viana, um subsídio anual do governo para as obras da igreja; 1856 - são vendidas as ruínas da ermida de Nossa Senhora da Mãe dos Homens, por 400$000, revertendo esta quantia para as obras da nova igreja; 1861, 18 Agosto - abertura ao culto da igreja; 1863 - toma posse da paróquia o prior Luís António Teixeira Neto e Melo e Vasconcelos; 1865 - o corpo Sul do templo ameaçava ruína e era usado como capoeira; 1874 - uma doação de 250$000, do paroquiano Jerónimo Maschatt, permite retomar as obras; 1878, 26 Agosto - por portaria desta data foi autorizado o Ministério das Obras Públicas autorizado a proceder às obras na igreja, nomeando-se para o acompanhamento das mesmas o engenheiro Bento António Leça; 1903 - a instâncias do pároco, José Maria da Silva Livramento, foram retomadas as obras do corpo Norte; 1907 - arborização do largo fronteiro à igreja, pela Câmara Municipal; 1909, Fevereiro - calcetamento (em calçada portuguesa) do largo diante da igreja, pela Câmara Municipal; 1921, 26 Maio - um violento incêndio causa a quase total destruíção do edifício; 1924 - importante campanha de obras responsável pela total reedificação da igreja (efectuada sobretudo graças à comissão de fundos organizada - e parcialmente financiada - pelo 5º duque de Palmela), com projecto do arquitecto Raul Martins e contando com o retábulo-mor e azulejos de Conceição Silva no interior; 1927, 13 Maio - inauguração de uma capela dedicada a Nossa Senhora de Fátima e aos santos portugueses.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado, madeira, vidro, azulejos

Bibliografia

ALMEIDA, D. Fernando de, (dir. de), Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, Vol. V, Tomo II, Lisboa, 1975; ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, Livros II e XI, Lisboa, s.d.; ARAÚJO, Norberto de, Inventário de Lisboa, Lisboa, 1940 - 1956; CASTILHO, Júlio de, Lisboa Antiga. Bairro Alto, Vol. V, Lisboa, 1966; CONCEIÇÃO, Cláudio (Frei), Gabinete Histórico, Vol. X, Lisboa, 1824; CONSIGLIERI, Carlos, RIBEIRO, Filomena, VARGAS, José M., ABEL, Marília, Pelas Freguesias de Lisboa. De Campo de Ourique à Avenida, Lisboa, 1995; FRANÇA, José-Augusto, (dir. de), A Sétima Colina. Roteiro Histórico e Artístico, Lisboa, 1994; FRANÇA, José-Augusto, Monte Olivete Minha Aldeia, Lisboa, 2001; Igreja de São Mamede, in SANTANA, Francisco, SUCENA, Eduardo, (dir. de), Dicionário da História de Lisboa, Lisboa, 1994 ; PEREIRA, Luis Gonzaga, Monumentos Sacros de Lisboa em 1833, Lisboa, 1927 (ms. de c. 1840); Plano da Divisão e Transladação das Paróquias de Lisboa, Lisboa, 1780; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Depois do Terramoto. Subsídios para a História dos Bairros Ocidentais de Lisboa, Vol. II, Lisboa, 1967; SERRÃO, Vítor, História da Arte em Portugal - o Barroco, Barcarena, Editorial Presença, 2003; SILVA, Augusto Vieira da, As Freguesias de Lisboa, Lisboa, 1943; VITERBO, Sousa, Diccionario Historico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portuguezes ou a serviço de Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional, 1904, vol. III.

Documentação Gráfica

PEREIRA, Luis Gonzaga, Monumentos Sacros de Lisboa em 1833, Lisboa, 1927

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

BNP: Secção de Reservados, Colecção Pombalina, Cod. 619, fls. 331 - 336

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, década de 90, final - obras de conservação e beneficiação geral do exterior (pintura de paramentos e limpeza de cantarias).

Observações

Na antiga paróquia, no séc. 17 houve a pintura de uma Visitação por Domingos da Cunha, o Cabrinha (1598-1644); séc. 18 - execução do retábulo desaparecido por Manuel João da Fonseca e escultura da figura de Nossa Senhora da Conceição por José de Almeida.

Autor e Data

Filomena Bandeira, Teresa Vale e Maria Ferreira 2002

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login