Casa e Quinta da Coutada

IPA.00015173
Portugal, Viana do Castelo, Arcos de Valdevez, União das freguesias de Arcos de Valdevez (São Paio) e Giela
 
Arquitetura residencial, barroca. Solar integrado na tipologia da chamada "casa-comprida", definida por Carlos de Azevedo, com planta retangular e fachadas evoluindo em dois pisos, terminados em friso e cornija e com pilastras nos cunhais. A fachada principal tem a cornija alteada ao centro, formando falso frontão apontado, sob a qual se abre portal de perfil curvo encimado por brasão de família, precedida por escada com coluna de arranque decorada e amplo balcão, ladeada por vãos retilíneos de molduras simples. Quinta setecentista, com composição arquitetónica e vegetal desenhada e construída intencionalmente pelo homem e onde foram contempladas funções de lazer e de recreio. Apresenta funções marcadamente recreativas, contendo jardim, mata e horta. A vegetação ornamental surge disposta no sentido de criar ambientes agradáveis acompanhada de elementos construídos, como bancos, canteiros, estátuas e peças de água. O jardim tem composição formal simples, com canteiros de buxo em formas geométricas e caminhos cobertos com latada de vinha. Casa nobre de caráter sóbrio, destacando-se a decoração do portal principal e do arranque da escada, com cabeça antropomórfica e volutas. Segundo Castel-Branco, as escadas assemelham-se às existentes nos jardins de Villa dÉste, em Itália, ou no Generalife de Granada. A quinta tem uma dimensão bastante superior à da maioria das quintas da região e da zona do jardim é possível desfrutar visualmente grande extensão de mata que desce até ao rio. Esta visão de grande escala é acompanhada por um murmúrio leve da água que cai no tanque central. Na mata existe um exemplar de eucalipto de dimensão fora do vulgar. Todo o cenário é complementado por uma variedade de cores e aromas da vegetação. Também a zona do "parque" apresenta um jogo de cor marcante onde o rubro das faias contrasta com o verde das restantes espécies. É ainda de notar a manutenção cuidada que a quinta apresenta.
Número IPA Antigo: PT011601140236
 
Registo visualizado 239 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Edifício e estrutura  Residencial unifamiliar  Quinta  Casa nobre  Tipo planta retangular

Descrição

Propriedade de planta aproximadamente retangular, organizada em socalcos que descem até ao rio, limitada por muro a N. e a O. e pelos rios Vez e Ázera a S. e a E.. A casa dispõe-se no extremo O. da quinta, desenvolvendo-se em frente terreiro delimitado junto à estrada por uma sebe de cupressus e, a S., por muro perpendicular, coberto de hera, onde se abre portão de ferro de acesso à área de turismo de habitação. CASA de planta retangular simples, com cobertura homogénea em telhado de quatro águas, rematadas em beirada simples. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, evoluindo em dois pisos, com cunhais apilastrados e terminadas em friso e cornija. A fachada principal, virada a SE., apresenta três panos, definidos por pilastras toscanas, sendo o da esquerda protegido por muro coberto de hera e com cobertura sobreposta por ampla chaminé retangular. O pano da direita termina em friso e cornija, alteada ao centro, formando falso frontão apontado, coroado lateralmente e ao centro por fogaréus. Ao nível do andar nobre, rasga-se portal de verga curva, com recorte nos ângulos, de moldura côncava terminada em cornija contracurva e com fecho relevado, encimado por brasão de família. É precedido por escada de um lanço e um braço, formando amplo balcão retangular, que, no primeiro piso, é fechado criando estufa; a escada tem coluna de arranque decorada por aletas e cabeça antropomórfica. Lateralmente, rasgam-se janelas de peitoril, de molduras simples, surgindo uma no piso térreo e duas no segundo; o pano esquerdo é também rasgado por duas janelas iguais ao nível do andar nobre. À fachada lateral direita adossa-se, no alinhamento da frontaria, pano de muro com pequeno portal, de verga reta e um outro mais alto, o principal da quinta, de perfil contracurvo, terminado em friso e cornija, formando volutas e definido por pilastras, coroadas por pináculos, com portão em ferro. Fachada lateral esquerda alteada pela chaminé, rasgada no topo esquerdo por janela de peitoril, gradeada, encimada por janela de sacada, de perfil curvo, sobre mísulas, e com guarda em ferro. Fachada posterior igualmente terminada em friso e cornija alteada ao centro, formando falso frontão curvo, sob o qual se abre janela de sacada, de perfil abatido, com moldura côncava sobreposta no fecho por cartela e figura zoomórfica e, nas jambas, por florão central, com a sacada de perfil contracruvo e com guarda em ferro. Lateralmente abrem-se vãos retilíneos de molduras simples. Junto à fachada posterior, de onde se obtém visão global da quinta, desenvolve-se o jardim, de planta retangular, acedido por porta no extremo E. da casa, sendo limitado por um murete que o separa da mata a cota inferior. Ao longo do murete S. existe caminho coberto por latada de vinha, apoiada em esteios de granito. Sob a latada forma-se um corredor que faz o contraste claro - escuro com a restante zona do jardim permitindo, no entanto, a presença de pontos de luz que penetram a ramada. A estrutura do jardim é ainda definida por buxo talhado a cerca de cinquenta centímetros formando canteiros que delimitam os caminhos e são preenchidos com azáleas e cameleiras; no ângulo SE., sob latada de Glicínias, surgem duas namoradeiras integradas no murete de onde é possível avistar uma vasta área da quinta e da sua envolvente. Tanque central retangular com cantos arredondados com espaldar simples e estreito com cinquenta centímetros de altura e alimentado por bica de caudal reduzido permitindo a formação do efeito de espelho de água. No extremo oposto às namoradeiras o jardim prolonga-se por dois caminhos cobertos com latada de vinha apoiada em esteios de granito. Um ladeado por buxo talhado leva a zona de dependências agrícolas devolutas mas onde é possível reconhecer a estrutura hidráulica com caleiras de granito a céu aberto e a um tanque de armazenamento de água com forma triangular. Entre o jardim e a zona de dependências agrícolas fica à direita o "parque", plantação de faias e carvalhos com local de estadia que, devido à redução da temperatura sob esta plantação funciona como ponto de frescura em dias de mais calor. Outro inflete para a esquerda descendo até à mata. Ao sair do patamar do jardim pelo extremo junto às namoradeiras conjunto de escadarias passa por zona de horta conduzindo a local de sombra e vegetação ribeirinha do rio Vez.

Acessos

Giela, EN 202

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Decreto nº 28/82, DR, 1.ª série, n.º 47 de 26 fevereiro 1982 *1

Enquadramento

Peri-urbano, isolado, na margem esquerda do rio Vez, a 3 Km de Arcos de Valdevez, passando à frente da casa a estrada nacional; em frente desta, ergue-se o Complexo Desportivo de Arcos. Tem vista para o Monte do Castelo, Serra de Paredes de Coura, Monte de Peneja, Monte do Soajo e Serra do Gerês. A propriedade, vedada por alto muro, insere-se na unidade de paisagem Entre Minho e Lima, caracterizada por um clima marítimo, fresco durante todo o ano. Para este contribui em muito o relevo com encostas médias e altas e cabeços que sobem entre os 100 e os 800 metros. A abundância de água traduz-se na verdura permanente dos campos, matas e prados. Geologicamente dominam os granitos calco-alcalinos e a quinta estende-se numa das principais manchas de aluviossolos da zona. A nível da flora predominam as matas de carvalho-roble e castanheiro. Abunda também o freixo, o arando, o vidoeiro, o azevinho e o eucalipto.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: quinta

Utilização Actual

Comercial e turística: casa de turismo de habitação

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 18, 2ª metade - provável construção da casa, sendo utilizada pelo Marquês de Ponte de Lima na sua atividade cinegética; séc. 18, final - aquisição da propriedade por D. Maria Teixeira de Queiroz Vaz Guedes; 1899 - pertencia a D. Maria Teixeira de Queiroz Vaz Guedes, da casa dos Queirozes, da Vila de Arcos de Valdevez; 1930 / 1940, entre - execução do "parque"; 1990, década - florestação da quinta com espécies subsidiadas e ocorrência de quatro fogos na mata.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes. A quinta é organizada em socalcos que descem até ao rio controlando o declive do terreno. O jardim é sustentado por muro de suporte. A rega e o ornamento do tanque são feitos com água da companhia.

Materiais

Estrutura rebocada e pintada; pilastras, frisos, cornijas, brasão, fogaréus, escada e outros elementos em cantaria de granito; portas e caixilharia de madeira; vidros simples; grades de ferro; cobertura de telha. Material Vegetal: roseira em trepadeira (Rosa sp), azálea (Azalea sp), buxo (Buxus semperviriens), glicínia (Wisteria sinensis), rododendro (Rhododendron ponticum), buganvilea (Bougainvillea glabra), lillazeiro (Syringa vulgaris), criptoméria (Criptomerica japónica), faia (Fagus silvatica), plátano (Platanus hybrida), castanheiro (Castanea sativa), nogueira (Juglans regia), carvalho (Quercus robur), eucalipto (Eucalyptus globulus). Inertes: elementos constituintes do jardim (muro, tanque, bancos) construídos em granito.

Bibliografia

AZEVEDO, Carlos de, Solares Portugueses, Lisboa, 1969; Breve Inventário Artístico do Concelho de Arcos de Valdevez, CÂmara Municipal de Arcos de Valdevez, s.d.; CASTEL-BRANCO, Cristina, Jardins com História, INAPA, Lisboa 2002; GOMES, José Cândido, Terras de Valdevês, Arcos, 1985; SILVA, Armando e outros, Casas Armoriadas do Concelho dos Arcos de Valdevez, vol. V, Arcos de Valdevez, 2004.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Séc. 20, 2ª metade - Adaptação da quinta ao turismo

Observações

*1 - DOF: Casa da Coutada, com o seu jardim, portão e largo fronteiro, com frondosas árvores e verduras.

Autor e Data

Paula Noé 1992 / Pereira de Lima 2004

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login