Pelourinho do Sabugal

IPA.00001507
Portugal, Guarda, Sabugal, União das freguesias de Sabugal e Aldeia de Santo António
 
Pelourinho quinhentista, de que apenas restam alguns fragmentos, de bloco cilíndrico, com fuste torso com colunelos. Possui capitel cilíndrico.
Número IPA Antigo: PT020911300004
 
Registo visualizado 530 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo bloco

Descrição

Subsistem três fragmentos *1 de pelourinho, a parte do fuste, torso, com colunelos, o capitel cilíndrico arrecadados no Museu Municipal. O remate em bloco cilíndrico, levemente galbado está arrecadado na Câmara Municipal.

Acessos

Museu Municipal do Sabugal; Câmara Municipal do Sabugal. WGS84 (graus decimais) lat.: 40.351586; long.: -7.092415

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1ª série, nº 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1175 - a povoação encontrava-se integrada no concelho de Ciudad Rodrigo. 1190, cerca de - criação do concelho do Sabugal por D. Afonso IX de Leão, que teria concedido carta de povoação; 1230 - concessão do senhorio aos Templários, mas na 2ª a metade do séc. 13 pertencia ao Infante D. Pedro (filho de D. Afonso X de Leão). 1296, 10 Novembro - concessão de carta de foral por D. Dinis. 1297 - integração em território português na sequência do Tratado de Alcanices, sendo seu senhor Ieonês Sancho Peres de Ledesma; séc. 14 - pertence a Vasco Fernandes Coutinho, Senhor de Leomil; 1357 - criação do couto de homiziados por D. Afonso IV; 1515, 01 Junho - renovação do foral por D. Manuel; hipotética edificação de um pelourinho de gaiola, desenhado por Duarte d'Armas; localizar-se-ia na actual Praça da República en frente ao Antigo Tribunal (onde se encontra hoje o chafariz) ou em frente à Porta da Vila; 1582, 20 Fevereiro - Filipe III cria co Condado do Sabugal, dado a D. Duarte de Castelo Branco; séc. 18 - a povoação passa para a família Assis Mascarenhas; 1758, 22 Abril - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco Francisco Xavier de Sampaio, é referido que a povoação, com 125 vizinhos, pertence ao Conde do Sabugal, Manuel Assis de Mascarenhas; tem 2 juízes ordinários, câmara com três vereadores e procurador do concelho; 1879 - demolição do pelourinho devido ao alargamento e regularização da praça; 1907 - reconstituição em desenho de Vale de Sousa, que apresenta um pelourinho de pinha e não de gaiola. Segundo informação de F. P. Curado encontrava-se na Torre do Relógio um fragmento de coluna torsa, talvez pertencente ao pelourinho, mas desconhece-se o seu paradeiro.

Dados Técnicos

Fragmentos.

Materiais

Fragmentos em cantaria de granito.

Bibliografia

AFONSO, Virgílio, Terras e Gentes, Sabugal, 1985; CHAVES, Luís, Pelourinhos Portugueses, Vila Nova de Gaia, 1930; CORREIA, Joaquim Manuel, Terras de Riba-Côa, Memórias sobre o Concelho do Sabugal, Lisboa, 1946; CURADO, Fernando Patrício, A Freguesia do Sabugal ao Longo dos Tempos, in Boletim Municipal, Sabugal, 1988, nº 8; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito da Guarda, Viseu, 1998; VAZ, João Luís, Sabugal, Esboço de uma Monografia, Sabugal, 1985.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 33, n.º 10, fl. 61-78)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

*1 - alguns fragmentos encontram-se em poder de um particular.

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login