Mosteiro de São Luís de Pinhel / Igreja Matriz de Pinhel / Igreja de São Luís

IPA.00001502
Portugal, Guarda, Pinhel, Pinhel
 
Convento de clarissas, de que subsiste a igreja de planta retangular. Elementos seiscentistas: nave única; portal de lintel recto e moldura de meia-cana encimado por friso saliente; tecto de caixotões e revestimento azulejar polícromo da capela-mor; retábulo do altar-mor de talha dourada maneirista. Elementos oitocentistas: portal em arco abatido ladeado por pilastras molduradas; janelas em arco abatido; coroamento curvilíneo do alçado principal; torre sineira com coroamento piramidal. O coro alto é de construção recente.
Número IPA Antigo: PT020910170011
 
Registo visualizado 182 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Mosteiro feminino  Ordem de Santa Clara - Clarissas (jurisdição do ordinário)

Descrição

Planta longitudinal composta por dois rectângulos justapostos e adossamento de torre de planta quadrada e dois anexos de planta rectangular a S. e de sacristia de planta rectangular a N.. Cobertura diferenciada a duas águas. Fachada principal orientada a O, com embasamento proeminente. No primeiro registo, possui portal em arco abatido ladeado por pilastras molduradas e encimado por friso saliente com data de 1808 incisa, surgindo, no segundo, janelão em arco abatido com moldura curvilínea e coroamento angular curvilíneo. A torre tem três registos divididos por frisos, surgindo uma fresta em cada um dos primeiros registos, tendo, no terceiro, abertura sineira em arco pleno. O coroamento é piramidal. Na fachada S., a torre é cega nos dois registos inferiores e, no terceiro, abertura sineira em arco pleno. No corpo da nave, dividido em dois registos, surge, no primeiro, anexo adossado e no superior duas janelas em arco abatido. O volume da capela-mor tem igualmente anexo adossado e, no registo superior duas janelas rectas. Remate em cornija. Fachada N. tem, no corpo da nave, portal recto e moldura de meia-cana encimado por friso saliente e superiormente janela em arco abatido e janela recta, pedra de armas. No volume da capela-mor, surge adossada a sacristia com 2 janelas rectas. Remate em cornija. Fachada E. cego, rematado em empena com cornija. INTERIOR de nave única, coro-alto sustentado por arco abatido. Pavimento lajeado e cobertura em falsa abóbada de berço de madeira. A nave é iluminada por 2 janelas a S. e a N.. No lado S., surge púlpito com base quadrada de cantaria e balcão decorado. Integra dois altares simétricos, encaixados em arcos plenos de cantaria e com retábulos em talha dourada e tábuas pintadas. Arco triunfal de volta perfeita. Capela-mor iluminada por duas janelas a N. e S., com pavimento lajeado e cobertura de tecto apainelado de 35 caixotões (7 no sentido transversal e 5 no sentido longitudinal) pintados com figuração de cenas marianas. No lado N., surge porta recta encimada por arcossólio em arco abatido com inscrição e rematado por pedra de armas em pedra de Ançã, tendo no oposto porta recta encimada por arcossólio simétrico ao anterior. Os muros são totalmente revestidos com azulejo polícromo de padrão geométrico e motivos vegetalistas estilizados. Retábulo do altar-mor em talha dourada e com tábua pintada figurando Cristo *1.

Acessos

Praça Sacadura Cabral

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público, Portaria n.º 740-CX/2012, DR, 2.ª série, n.º 248, 24 dezembro 2012

Enquadramento

Urbano, situa-se em local plano ajardinado, na proximidade do Pelourinho (v. PT020910170001) e do Solar Antas e Meneses (v. PT020910170010), actuais Paços do Concelho, adossado à Igreja da Misericórdia (v. PT020910170007).

Descrição Complementar

Existência de um órgão.

Utilização Inicial

Religiosa: mosteiro feminino

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese da Guarda)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ESCULTOR: Casa Fânzeres de Braga. FUNDIDORES: Oficina Fernandes. MARCENEIRO: Júlio de Figueiredo Júnior. ORGANEIRO: António Joaquim Claro.

Cronologia

1596 - Fundação da Igreja e Mosteiro de São Luis, de freiras clarissas, por Luís de Figueiredo Falcão *2; tinha de renda anual 100$000 e 16 moios de pão; 1602, 5 Dezembro - entrega do convento à Ordem de São Francisco, apesar de desentendimentos entre o fundador e vários prelados que pretendiam a ampliação das instalações; as primeiras freiras provinham do Mosteiro de Santa Clara da Guarda; 1603, Outubro - entram as primeiras religiosas no edifício; conflitos sucessivos com o bispo sobre o estatuto das religiosas, que levou à interdição do mosteiro; séc. 17 - colocação do tecto de caixotões e retábulo do altar-mor; revestimento azulejar da capela-mor; 1620 - oferta de relíquias pelo papa Paulo V, de São Caio Papa, São Vital, Santa Teodora e Santa Cristina; 1631 - morte do fundador, sepultado da igreja; 1647 - morte do filho do fundador, António de Figueiredo Falcão; séc. 18 - execução da imagem de São José; 1797 / 1828 - foi erigida em Catedral por ordem do Bispo D. Bernardo Bernardino Beltrão, após a demolição da Igreja do Salvador; 1808 - obras de renovação da igreja, talvez reconstrução da fachada principal e construção do coro-alto em madeira; 1836 - extinção do convento; posteriormente a igreja passou a servir funções paroquiais; 1862 - construção da torre sineira, por mestre local; 1881, 30 Setembro - por bula de Leão XIII, foi extinto o bispado; 1906 - colocação do órgão; séc. 20, 1ª metade: após a Proclamação da República os edifícios monacais foram adaptados para a instalação do teatro, tribunal e outras repartições públicas e a cerca foi transformada em passeio público; as actuais instalações da Misericórdia pertenciam também ao mosteiro; execução das mísulas pelo marceneiro Júlio Figueiredo Júnior; 1904 / 1906 - feitura de um órgão, do tipo francês, por António Joaquim Claro; execução de uym novo sino na oficina Fernandes, de Trancoso; 1916 - pelo Arrolamento dos Bens da Freguesia de Pinhel, é referida a existência de paramentaria diversa, de um Crucificado em marfim, de um baptistério novo, uma custódia de prata dourada, três relicários e as imagens do Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora do Encontro, Imaculada Conceição (do 3.º quartel do séc. 19 e na Capela do Hospital), Santo António, Santa Clara e São Salvador (na Igreja de Santa Maria), Santa Inês, do séc. 17, e três sinos; 1988 - restauro do órgão e construção de novo coro-alto assente em arco abatido de granito; 1997 - foi elaborado o estudo para a construção de um museu de arte-sacra e novo cartório paroquial, na ala anexa à Igreja; 1977, 6 de janeiro - proposta de classificação da DGPC; 1980, 22 de agosto - parecer da Comissão do IPPC a propor a classificação como IIP.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes; tecto de caixotões.

Materiais

Granito; cantaria e alvenaria; aparelho isódomo; revestimento inexistente e reboco; telha de aba e canudo.

Bibliografia

LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1873; CASTRO, Osório da Gama e, Diocese e Distrito da Guarda, Porto, 1902; MARTA, Ilídio, Pinhel Falcão, Celorico da Beira, 1943; BIGOTTE, Quelhas, O Culto de Nossa Senhora na Diocese da Guarda, Lisboa, 1948; ALMEIDA, José António Ferreira de, dir., Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 198O; Direcção-Geral do Planeamento Urbanístico, Plano da Área Territorial da Guarda, Património Artístico - Cultural, Situação Actual, Concelho de Pinhel, Lisboa, 1984; VALENÇA, Manuel, A Arte Organística em Portugal, vol. II, Braga, 1990; MARTA, Ilídio S., Perfil de Pinhelenses, Pinhel, 1993; VAZ, Padre Francisco, Santa Maria de Pinhel, Lisboa, 1995; Intervenção de fundo na Igreja de São Luís, in Terras da Beira, 17 Agosto 2006.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSARH

Intervenção Realizada

1968 / 1969 - obras nos altares, ambões e pavimentos, pelo mestre pedreiro Albino Alves Hermenigil; 1989 - restauro do órgão por António Simões, custeado pela Secretaria de Estado da Cultura.

Observações

*1 - o mosteiro ocupava o actual jardim, clube, teatro, tribunal, secretaria e cadeia. *2 - estipulava que ele e descendentes ali se sepultassem e que se gravassem as suas armas nas paredes; a abadessa vitalícia seria uma sua irmã, proveniente do convento da Guarda, tendo o convento 33 religiosas, 10 à sua escolha, com o dote de 20$000; obrigava a clausura, excepto parentes até ao segundo grau.

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login