Pelourinho de Lamegal

IPA.00001499
Portugal, Guarda, Pinhel, Lamegal
 
Pelourinho quatrocentista, sem remate, pelo que não pode ser alvo de classificação tipológica, com fuste octogonal e remate por pequena peça circular. Apresenta afinidades com os pelourinhos de Penaverde (v. PT020901090004), Torroselo, Canas de Sabugosa, Folhadal e Candosa. Fuste decorado com meias esferas e remate arcaico.
Número IPA Antigo: PT020910120003
 
Registo visualizado 220 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Sem remate

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, assente directamente em afloramento rochoso, não tendo degraus. Coluna com base quadrada chanfrada nos ângulos, de fuste octogonal decorado com fiadas verticais de meias esferas na metade superior, em quatro das suas faces. Ausência de capitel. Remate com peça quadrangular, na qual se insere a extremidade do fuste e cujas faces se retraem superiormente formando um coroamento em forma de pirâmide truncada irregular.

Acessos

Largo do Pelourinho. WGS84 (graus decimais) lat.: 40,662936; long.: -7,080075

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1ª série, nº 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, isolado, situa-se em local plano, atravessado pela principal via do aglomerado, rodeado por algumas construções rústicas e na relativa proximidade da Igreja Matriz.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 15 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 13 - povoação doada por D. Afonso III a D. Pedro Anes; D. Pedro Salvadores, Bispo do Porto fundou a Igreja de Santa Maria. 1284 - nas Inquirições de D. Dinis, era a única Honra do julgado de Pinhel; 1294 - D. Afonso III obteve o padroado da igreja por troca com a igreja de Cabanões (Ovar); séc. 15 - provável edificação do pelourinho; ausência de carta de foral, apesar de constituir pequena unidade concelhia com autonomia no exercício da justiça, mas não administrativa; 1527 - no Cadastro da População do Reino não é referido como concelho, mas como "termo do Lugar" de "Lamegal"; 1594 - concessão do título de Conde de Castelo Rodrgido a D. Cristóvão de Moura, por D. Filipe II; a povoação pertence ao Conde; 1600, 29 Janeiro - concessão, por D. Filipe III, do título de Marquês de Castelo Rodrigo a D. Cristóvão de Moura; 1641 - confiscação dos bens dos Marqueses, que passam à Coroa; séc. 18 - anexação da freguesia de Penhaforte; 1758 - nas Memórias Paroquiais é referido que a povoação, com 128 vizinhos, pertence à Coroa, administrada pela Junta dos Três Estados; tem juiz ordinário e câmara; 1836 - extinção do estatuto concelhio e integração no concelho do Jarmelo; 1854 - passagem para o concelho da Guarda; 1862 - passagem do concelho da Guarda para o concelho de Pinhel. Ainda é referenciável a antiga Casa da Câmara, construção rústica descaracterizada e o local da forca.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

BARROCO, Joaquim Manuel, Panoramas do Distrito da Guarda, Guarda, 1978; Direcção-Geral do Planeamento Urbanístico, Plano da Área Territorial da Guarda, Património Artístico - Cultural, Situação Actual, Concelho de Pinhel, Lisboa, 1984; LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1873; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; MARTA, Ilídio, Pinhel Falcão, Celorico da Beira, 1943; REAL, Mário Guedes, Pelourinhos da Beira Alta, in Beira Alta, Viseu, vol. XXXIII, 1974; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito da Guarda, Viseu, 1998.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 19, n.º 43, fl. 369-372)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login