Dólmen da Matança / Orca de Corgas da Matança

IPA.00001459
Portugal, Guarda, Fornos de Algodres, Matança
 
Dólmen megalítico, simples, de câmara poligonal, sem corredor, atendendo à tipologia estabelecida por I. Moita; tipo frequente no Noroeste Peninsular, constituindo uma redução dos dólmens de câmara e corredor desenvolvido. Apresenta-se fragmentado, incompleto e reconstituído.
Número IPA Antigo: PT020905100008
 
Registo visualizado 465 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Funerário  Anta    

Descrição

Câmara com cerca de 3,5 m. de diâmetro, em forma de tronco de pirâmide de base decagonal, constituída por nove esteios quase trapezoidais inclinados para o centro, à excepção da pedra mestra em posição vertical; entrada orientada a E. possuindo também abertura do lado oposto; os esteios apresentam a totalidade da sua altura à excepção de um esteio a O. com cerca de um terço da altura original, de dois esteios a N., um dos quais junto à entrada, fragmentados na parte superior; um dos esteios a O. encontra-se consolidado com grampos de ferro; o chapéu apresenta fenda central; não existem vestígios da mamoa *1.

Acessos

EC 587, ao Km 6,1, a 200 m a Oeste

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 44 075, DG, 1ª série, nº 218 de 05 dezembro 1961

Enquadramento

Rural, isolada, em zona de interesse paisagistico, constituindo uma planície fértil, na proximidade da Ribeira de Carapito; rodeado por gradeamento de planta circular em madeira, ao qual se acede por caminho marcado por gravilha.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Funerária: anta

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Megalítico

Arquitecto / Construtor / Autor

Não aplicável.

Cronologia

2900 - 2640 a.C. - provável edificação; 1896 - exploração arqueológica efectuada por José Leite de Vasconcelos em Setembro, que recolheu o seguinte espólio, que foi transferido para o Museu Etnográfico Português: um núcleo de cristal de rocha, um machado de pedra polida, duas placas de granito, um testo de granito fragmentos cerâmicos; 1959 - processo de Classificação refere que alguns esteios se encontravam partidos, dois dos quais caídos no solo, estando o monumento escorado; estimativa de 12.000$00 para trabalhos de consolidação,anexa ao Processo de Classificação.

Dados Técnicos

Construções megalíticas.

Materiais

Granito.

Bibliografia

Vasconcelos, José Leite de, Aquisições do Museu Etnográfico Português, in O Archeologo Português, Lisboa, 1897, vol. III; DIONÍSIO, Sant'Ana, Guia de Portugal, Lisboa, 1924; MOITA, Irisalva, Características Predominantes do Grupo Dolménico da Beira Alta, Lisboa, 1968; ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1980.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

IPPAR: 1988 / 1989 - recuperação, limpeza e tratamento da envolvente sob orientação de Domingos de Jesus da Cruz.

Observações

*1 - a abertura O. indica a ausência de um esteio; I. Moita afirma que possuiria corredor, referindo-se aos dois esteios anteriormente caídos no solo.

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login