Capela de Nossa Senhora do Rosário

IPA.00014510
Portugal, Viseu, Lamego, Penude
 
Arquitectura religiosa, maneirista e revivalista neoromânica. Capela de planta longitudinal de nave única, flanqueada por torres sineiras e com sacristia adossada à fachada lateral direita, com cobertura interior em falsa abóbada de berço abatido de madeira, em caixotões, iluminada por amplas janelas rectilíneas rasgadas nas fachadas laterais. Fachada principal harmónica, de solução neoromânica, com corpo central em empena, rasgado por portal escavado em arco de volta perfeita, flanqueado por torres de ventanas de volta perfeita, coroadas por merlões. Fachadas rematadas por friso e cornija, a lateral esquerda rasgada por porta travessa de verga recta. Interior com coro-alto, púlpito no lado do Evangelho e retábulo-mor de talha pintada, de estilo barroco.
Número IPA Antigo: PT011805170147
 
Registo visualizado 108 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta longitudinal composta por nave única, flanqueada por duas torres sineiras quadrangulares, e por sacristia adossada ao lado direito, de volumes articulados e disposição verticalista das massas na fachada principal, com cobertura homogénea em telhado de duas águas, que se prolonga em aba sobre a sacristia; as torres são cobertas em terraço. Fachadas em cantaria de granito aparente, percorridas por embasamento saliente, com cunhais apilastrados e rematadas e friso saliente e cornija. Fachada principal voltada a SE., harmónica com corpo central em empena com cruz no vértice, rasgada por portal escavado de volta perfeita e moldura saliente, encimado por silhar com cruz e por relógio circular, flanqueado por dois óculos também circulares, todos com molduras recortadas formando triângulos, unidas entre si; são sobrepujados por livro aberto, em cantaria. Em plano ligeiramente mais recuado, duas torres sineiras de três registos divididos por frisos de cantaria, os dois inferiores cegos e o superior com quatro ventanas de volta perfeitas, coroadas por friso e merlões; nas faces posteriores, apresentam portas de volta perfeita de acesso ao interior. Fachada lateral esquerda, virada a SO., rasgada por porta de volta perfeita junto à sineira e, em posição centralizada, porta travessa de verga recta, surgino, ainda, dois janelões rectilíneos, todos com molduras de cantaria salientes. Fachada lateral direita, virada a NE., com porta de volta perfeita junto à tirre e duas janelas rectilíneas, surgindo, no corpo da sacristia, de dois pisos, duas portas de verga recta, uma delas elevada e com acesso por escadas, na face SE., e duas janelas rectilíneas sobrepostas, a inferior com grades e a superior com caixilharia de guilhotina. Fachada posterior em empena cega com cruz latina no vértice e pináculos cónicos sobre os cunhais. INTERIOR rebocado e pintado de branco, excepto na zona do sub-coro, em cantaria de granito aparente, em aparelho isódomo, percorrido por lambril de cantaria, com pavimento de madeira e corredor central em lajeado, tendo cobertura em falsa abóbada de berço abatido de madeira, em caixotões pintados de azul, assentes em cornija do mesmo material e com tirantes. Coro-alto em estrutura de cimento armado, assente em mísulas de cantaria com guarda balaustrada de madeira e acesso por porta de verga recta no lado do Evangelho, através da torre. O portal axial e a porta travessa encontram-se ladeados por pias de água benta hemisféricas, em cantaria. No lado do Evangelho, púlpito quadrangular com guarda plena de madeira e acesso por porta de verga recta a partir do segundo piso da sacristia. A parede testeira encontra-se totalmente ocupada por retábulo-mor de talha pintada de bege, branco e dourado, de planta recta e cinco eixos definidos por duas colunas coríntias e quatro torsas, ornadas por pâmpanos, todas assentes em duas ordens de plintos paralelepipédicos, os superiores ornados por motivos fitomórficos; o eixo central é formado por nicho côncavo de volta perfeita, com fundo pintado de azul e contendo trono de cinco degraus, na base do qual surge sacrário embutido, em forma de templete poligonal, fanqueado por colunas torsas e com a porta ostentando Cristo redentor; as duas colunas interiores prolongam-se numa arquivolta torsa, encimada por tabela rectangular horizontal, flanqueada por quarteirões e moldura recortada, contendo a pomba do Espírito Santo pintada; os eixos laterais possuem mísulas com imaginária. Altar paralelepipédico, surgindo, sob os eixos extremos, portas de perfil contracurvado de acesso à zona posterior do altar.

Acessos

Ao Km 111,5 da EN 2, para caminho público; a 500 m, no Largo do Outeiro

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado em posição de referência da malha urbana do lugar, separado por adro murado terraplanado artificialmente, em zona de forte declive. Junto à fachada principal, escadas de acesso ao portal e, a ladear a lateral direita, surgem escadas de acesso ao adro e à zona mais alta da povoação. Encontra-se rodeado por casas de habitação incaracterísticas.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: capela

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 19 / 20 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Idade Média - há notícia da construção de uma capela em honra do Bispo de Tours, São Martinho, no mesmo local da actual; séc. 17, meados - um grupo de devotos de Nossa Senhora do Rosário, entronizou um altar com a imagem dessa invocação, que posteriormente ocuparia o lugar do antigo orago, alterando-se por isso o nome da capela para o actual; provável ampliação da primitiva capela; 1701 - construção de um retábulo em talha; notícia de que se recitava publicamente o terço na capela; na Festa de 15 de Agosto, fazia-se a exposição do Santíssimo Sacramento num relicário ao peito da imagem do orago; séc. 19 - o carrilhão que fora fundido para o santuário de Nossa Senhora dos Remédios, em Lamego, e que não foi aprovado pela Mesa daquela Irmandade, foi comprado pela população, para esta capela; 1865, 7 Agosto - a exposição do Santíssimo no peiro da imagem foi suprimido por provisão episcopal; séc. 19 / 20 - provável reconstrução do actual imóvel, com remodelação da fachada principal.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante.

Materiais

Estrutura, modinaturas, relógio, cruzes, cornijas, pináculos, merlões, escadas em cantaria de granito; interior rebocado; obertura interior, guarda do coro-alto, púlpito, retábulo, caixilharias de madeira; estrutura do coro-alto em cimento armado; janelas com grades de ferro; cobertura exterior com telha de aba e canudo.

Bibliografia

COSTA, M. Gonçalves da, Paróquias Beiraltinas, Penude e Magueija, Lamego, 1975; COSTA, M. Gonçalves da, História do Bispado e Cidade de lamego, vols. II, III e V, Lamego, 1979 a 1986; LARANJO, F. J. Cordeiro, No Compasso do Concelho (24 Freguesias), Lamego, 1995; Dicionário enciclopédico das freguesias, vol. III, Matosinhos, 1997, p. 576.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 19 - reforma do retábulo-mor, integrando elementos de antigas estruturas retabulares; 2000 - limpeza dos paramentos exteriores do imóvel.

Observações

Autor e Data

João Carvalho 2002

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login