Pelourinho de Castelo Rodrigo

IPA.00001445
Portugal, Guarda, Figueira de Castelo Rodrigo, Castelo Rodrigo
 
Pelourinho quinhentista, de gaiola octogonal, com soco circular de três degraus, fuste octogonal, com secçãoquadrangular na base, encimado por capitel, onde assenta a gaiola, sustentada por oito colunelos. O soco conjuga degraus quadrangulares e poligonais, possuindo remate sustentado por colunelos torsos e canelados. Capitel de secção circular e gaiola, como remate decorativo, de chapéu cónico.
Número IPA Antigo: PT020904030003
 
Registo visualizado 432 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo gaiola

Descrição

Soco constituído por cinco degraus, sendo os dois primeiros quadrangulares e intersectados por plataforma alteada do largo e os restantes poligonais. Coluna de fuste octogonal com base quadrangular chanfrada nos ângulos e remate quadrangular com folhas estilizadas nos ângulos. Capitel de secção circular possuindo anel saliente e funcionando como base da gaiola. Chapéu assente em colunelo central e oito colunelos, dos quais cinco torsos e três canelados, possuindo anéis na parte inferior e superior e sendo coroados por espécie de fogaréus. Na zona inferior, entre cada um dos colunelos existem meias esferas. Chapéu da gaiola de secção circular, em forma de cone.

Acessos

Largo do Pelourinho. WGS84 (graus decimais) lat.: 40,876755; long.: -6,963990

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto nº 8 228, DG, 1.ª série, nº 133 de 04 julho 1922

Enquadramento

Urbano, isolado no largo situado a meia encosta. Espaço caracterizado pela presença próxima da igreja e construções rústicas de dois pisos.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1147 - a carta de couto concedida por D. Afonso Henriques a Santa Maria de Aguiar menciona Castelo Rodrigo; 1209, 12 Setembro - concessão de carta de foral por D. Afonso IX de Leão; 1252 - D. Afonso III, rei de Portugal, invade Ribacôa, conquistando grande parte do território, principalmente na região de Castelo Mendo e de Castelo Rodrigo; 1289 - o infante D. Pedro, filho de Afonso X de Castela, é donatário da povoação; 1297, 12 Setembro - com o Tratado de Alcanices, Castelo Rodrigo é incorporado no reino de Portugal; 1301, 19 Outubro - nas Cortes de Lisboa, estão presentes, pela primeira vez, representantes de Castelo Rodrigo; 1383 - 1385 - tendo o alcaide jurado fidelidade a D. Beatriz, D. João I de Portugal castigou a vila ao impor no seu brasão a inversão do escudo nacional; 1387, Junho - João das Regras tornou-se Senhor de Castelo Rodrigo; 1422 - no Rol dos Besteiros, é referida a existência de 4260 habitantes; 1438 - confirmação dos privilégios da vila; 1449, 19 Novembro e 1451, 12 Maio - confirmações dos privilégios da vila; 1476 - a vila foi integrada na Casa de Marialva; 1480 - uma das torres da cerca servia de armaria; 1496 - na Inquirição, é referida a existência de 818 habitantes; 1499, 21 Novembro - início das inquirições sobre os costumes, foros e direitos, tendo em vista a reforma do foral; 1508, 25 Junho - foral manuelino, nele constando a doação do termo da vila ao infante D. Duarte, que nele exercia justiça; provável construção do pelourinho; 1527 - no Numeramento, é referida a existência de 2097 habitantes; 1530 - após o casamento de D. Guiomar Coutinho com o infante D. Fernando, D. João III faz-lhe a doação da vila e respectivo termo; 1758 - nas Memórias Paroquiais é referido que a povoação, com 64 vizinhos, pertence ao rei, tendo 64 vizinhos; tem juiz dos órfãos, que também servia a Câmara, colocados pelo monarca; 1836, 25 Junho - a sede da freguesia é transferida para São Vicente de Figueira, depois Figueira de Castelo Rodrigo.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura erm cantaria de granito.

Bibliografia

ALMEIDA, João de, Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, Lisboa, 1945; ALMEIDA, José António Ferreira de, Dir., Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1980; CARDOSO, Nuno Catarino, Pelourinhos das Beiras, Lisboa, 1936; CHAVES, Luís, Pelourinhos Portugueses, Vila Nova de Gaia, 1930; DIONÍSIO, Sant'Ana, Guia de Portugal, Lisboa, 1924; LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1873; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; MARTINS, José Canário, Roteiro Ilustrado de Castelo Rodrigo, Figueira de Castelo Rodrigo, 1983; REAL, Mário Guedes, Pelourinhos da Beira Alta, in Beira Alta, 1967; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito da Guarda, Viseu, 1998.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 10, n.º 221, fl. 1453-1460)

Intervenção Realizada

Séc. 20, década de 30 - reparação do remate.

Observações

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login