Igreja Paroquial de Linhares da Beira / Igreja de Nossa Senhora da Assunção

IPA.00001398
Portugal, Guarda, Celorico da Beira, Linhares
 
Igreja paroquial tendo elementos românicos: portal e arco entaipado no lado N., cachorrada no lado S.. Elementos seiscentistas: planta longitudinal de nave única, tecto de caixotões, retábulos, púlpito, capelas laterais adossadas ao corpo da nave. Elementos setecentistas: torre sineira, portal principal e janelão em arco abatido, coro-alto, retábulos em talha. Tábuas pintadas atribuídas a Vasco Fernandes (SANTOS, 1939), talvez pertencentes a duas séries de retábulos consagrados à Infância de Jesus e à Paixão.
Número IPA Antigo: PT020903080008
 
Registo visualizado 529 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal composta por dois rectângulos justapostos e pelo adossamento da sacristia e Casa do Despacho de planta rectangular, duas capelas de planta quadrada e torre sineira. Volumes articulados com cobertura diferenciada de duas e três águas. Fachada principal orientada a O. e com embasamento saliente, onde se rasga a porta central, em arco abatido decorado com concheados e rematado por volutas laterais e frontão curvilíneo. Sobre a porta vê-se um janelão em arco abatido e com motivo concheado, sendo o conjunto rematado por empena angular. No alçado N. observam-se vestígios de arco pleno no corpo da nave e um portal de umbrais talhados obliquamente, com tímpano liso em arco pleno e duas arquivoltas. O alçado E. é cego, possuindo apenas dois orifícios recentes. O alçado S. tem uma fresta recta na capela-mor e observa-se no corpo da nave uma cornija decorada com meias esferas e cachorros zoomórficos e antropomórficos. A torre sineira tem planta quadrada, apresentando óculos quadrilobados no piso térreo e vãos em arco pleno no piso superior; possui coroamento piramidal com jarrões. Interior de nave única com coro-alto em madeira e de recorte curvilíneo. A nave é iluminada por duas frestas em arco pleno e inclui a porta em arco pleno de acesso à torre. No lado N. possui um portal em arco pleno entaipado, a pia baptismal em forma de cálice e um púlpito. Integra duas capelas laterais. Arco triunfal de volta inteira, ladeado por dois altares. Pavimento lajeado e em tijoleira. Cobertura com tecto plano tripartido com travejamento à vista. A capela-mor é iluminada por uma fresta de ambos os lados e mostra duas portas de lintel recto. O pavimento é lajeado e o revestimento murário é composto por tábuas pintadas, possuindo tecto de caixotões.

Acessos

Largo da Igreja

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto, nº 41 191, DG, 1.ª série, n.º 162 de 18 julho 1957 *1

Enquadramento

Urbano. Construção isolada, situada a meia encosta junto ao Castelo, organizando o largo fronteiro, delimitado por casas rústicas descaracterizadas. O adro murado assenta sobre plataforma nivelada, sendo o acesso ao templo feito através de uma escadaria. Junto à fachada principal ergue-se um cruzeiro em granito.

Descrição Complementar

Portal do alçado N.: as arquivoltas encontram-se decoradas por dentículos com meias esferas, dentículos com torçal, estrela inscrita em círculo, cruz, enxaquetado, espada e figura humana. Púlpito: é composto por coluna poligonal e balcão concordante em cantaria, decorado por almofadas em forma de losango. Capela lateral N.: de planta quadrada, é iluminada por janela a N. e óculo a O., possuindo tecto de caixotão único. O altar é dedicado ao Sagrado Coração de Jesus e possui um retábulo em talha dourada de influência maneirista. Apresenta mesa rectangular e é estruturado por quatro colunas com o fuste decorado por estrias oblíquas (mostrando uma cabeça de anjo no terço inferior) e com capitéis compósitos. As colunas são rematadas pelo entablamento, saliente na zona central, encimado por cartela de grandes dimensões. Capela lateral S.: também de planta quadrada e iluminada por janela e óculo. O altar é dedicado a Nossa Senhora dos Remédios e o retábulo em talha dourada e policromada apresenta características rococó. Tem uma mesa bojuda, integrando um sacrário rodeado por volutas e um nicho central ladeado por imagens sacras encimadas por baldaquinos. A estrutura é composta por quatro colunas de fuste liso e capitel compósito, tendo ao centro uma glória solar rodeada por dois anjos de corpo inteiro. O coroamento possui frontão curvilíneo decorado por volutas e concheados. A superfície do retábulo encontra-se decorada por marmoreados polícromos. Retábulos dos dois altares laterais ao arco triunfal: talha dourada com características do estilo nacional. O retábulo do lado S. é dedicado a Nossa Senhora do Rosário, sendo composto por um nicho central em arco pleno, ladeado por duas mísulas, flanqueadas por duas colunas torsas grupadas e decoradas com parras, uvas, anjos, folhas de acanto e rosetas, prolongando-se no arco pleno superior decorado com anjos músicos. O retábulo do lado N. é dedicado a Nossa Senhora das Dores e apresenta uma estrutura idêntica, observando-se lateralmente uma tábua pintada representando Santa Luzia. Retábulo do altar-mor: talha dourada e policromada com características maneiristas e do estilo nacional. Lateralmente, observam-se duas colunas torsas grupadas com capitéis compósitos e decoradas com parras, pássaros e uvas. Ao lado das colunas existem duas tábuas pintadas representando cenas da Adoração dos Magos e da Descida da Cruz. O remate é composto por entablamento ornamentado e por frontão curvo integrando cabeça de anjo e volutas. Tecto de caixotões e tábuas pintadas da capela-mor: o tecto de caixotões é formado por trinta painéis pintados (cinco no sentido longitudinal e seis no sentido transversal), prolongando-se a última fiada na caixa murária até à altura das frestas. A retícula estruturante do tecto não se encontra ornamentada, tendo apenas rosetas nas intersecções. Os painéis pintados representam figuras de Santos. No lado S. da capela-mor observam-se cinco tábuas pintadas representando Santa Rita, São Francisco de Paula, cena narrativa da Apresentação de Jesus ao Templo, São Pedro de Alcântara e Santa Teresa. No lado N. existem outras cinco tábuas onde figuram Santa Clara, São Francisco das Chagas, Jesus Cristo, São Paulo e Santa Gertrudes.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese da Guarda)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 11 (conjectural) / 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Época medieval- existência de duas paróquias, Santo Isidoro (extinta em 1575) e Santa Maria; séc. 12 - edificação da primitiva igreja (?) atendendo ao portal lateral; 1320, 23 maio - bula do Papa João XXII concedendo a D. Dinis, por três anos, para subsídio de guerra contra os mouros, a décima de todas as rendas eclesiásticas do reino, sendo a igreja taxada em 140 libras; integra o termo e arcediagado de Seia e o bispado de Coimbra; séc. 16 - a paróquia passou a ser da apresentação do Padroado Real; 1574 - a igreja pertence ao padroado real e integra a Diocese de Coimbra; 1613 - instituição da capela lateral N. pelo Pároco Licenciado Domingos Rodrigues Cardoso (documentada por inscrição *2); 1654 - instituição da capela lateral S. por legado de Miguel Mendes (documentada por inscrição *3); passa para a apresentação da Casa do Infantado, possuindo Colegiada com dois benefícios simples; séc. 17 - construção do tecto de caixotões da capela-mor (?); 1743 - construção da Casa do Despacho (ou Casa do Azeite) da Confraria do Santíssimo Sacramento, adossada ao alçado S. (documentada por inscrição *4); 1756 - a Capela lateral de Nossa Senhora dos Remédios é administrada por Jacinto Homem da Cunha Corte Real; séc. 18 - reedificação da fachada principal (?); séc. 19 - os Condes de Linhares eram seus padroeiros; possuía duas irmandades: do Santíssimo e das Almas.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante; tecto de caixotões; tecto plano tripartido.

Materiais

Granito, cantaria e alvenaria; madeira; revestimento rebocado; telha de canudo.

Bibliografia

CASTRO, José Osório da Gama e, Diocese e Districto da Guarda, Porto, 1902; OLIVEIRA, Manuel Ramos de, Celorico da Beira e o seu Concelho, Celorico da Beira, 1939; SANTOS, Luís Reis, Pintura Primitiva do Séc. XVI, in Diário de Notícias, Lisboa, 29.12.1939; BIGOTTE, José Quelhas, O Culto de Nossa Senhora na Diocese da Guarda, Lisboa, 1948; FRANCO, José, Linhares, Terra Beiroa, Esboço Monográfico, Lisboa, 1944; OLIVEIRA, Manuel Ramos de, Igrejas, Vínculos, Párocos e Capelas de Linhares, in Beira Alta, Viseu, 1958; RODRIGUES, Adriano Vasco, Celorico da Beira e Linhares, Celorico da Beira, 1979; MOREIRA, Maria da Conceição, Linhares, Aspectos Históricos, Lisboa, 1980; NEVES, Vítor Pereira, Três Jóias Esquecidas, Marialva, Linhares e Castelo Mendo, Castelo Branco, 1993; ABRANTES, Leonel, Linhares Antiga e Nobre Vila da Beira, Folgosinho, 1995; SERRÃO, Joaquim Veríssimo - Livro das Igrejas e Capelas do Padroado dos Reis de Portugal - 1574. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian Centro Cultural Português, 1971.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

DGEMN: 1936 - apeamento de anexos existentes junto à torre sineira, entaipamento de rasgos em paredes exteriores da nave e da porta de acesso à torre, reconstrução geral dos telhados, construção de portas em madeira, tomada de juntas, beneficiação geral do retábulo do altar-mor; 1967 - reconstrução geral das coberturas, incluindo cintagem de paredes, à excepção da capela-mor; 1969 - deslocação dos painéis pintados da capela-mor para o Instituto José de Figueiredo; 1969 - obras executadas em regime de administração directa da responsabilidade do Pároco: demolição de um anexo que permitiu colocar a descoberto elementos românicos, picagem dos rebocos internos e caiação sobre novo reboco, aplicação de pavimento em tijoleira; 1970 - obras de conservação: complemento dos trabalhos antes efectuados, construção de novas portas e vedação das frestas com vitrais; 1971 - ofício da DGEMN refere obras já realizadas: reconstrução total da cobertura, execução do tecto da nave, reconstrução dos pavimentos, novos rebocos interiores, execução de portas e de vitrais aplicadas nas frestas, restauro dos painéis pintados pelo Instituto José de Figueiredo; 1971 - solicitação de obras complementares por parte do Pároco: construção de altar versus populum, consolidação dos altares existentes, colocação de bancos, remoção dos casebres existentes na envolvente; 1972 / 1974 - instalação eléctrica. IPPAR: 1997 - obras de conservação geral e restauro das tábuas pintadas.

Observações

*1 DOF: Igreja de Linhares da Beira (Igreja de Nossa Senhora da Assunção) incluindo o seu recheio artístico. *2 " Esta Capella fvndov / e dotov de 52 Missas / Perpetvas en cada anno / o Licenciado Domingos Rodriguez / Cardozo / Prior desta Igreia 1613". *3 "Miguel Mendez Deixov / e Morgado com Emcargo / de Missa qvada somana nes / ta Igreia de qve foi / Donatario por Carta da / Coroa o Dovtor Manoel Cabral I sevs Descendentes / de Io

Autor e Data

Margarida Conceição 1992 / 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login