Dólmen de Carapito I / Casa da Moura

IPA.00001369
Portugal, Guarda, Aguiar da Beira, Carapito
 
Anta megalítica que, atendendo à tipologia estabelecida por I. Moita, inscreve-se no grupo dos dólmens simples, de câmara poligonal, sem corredor, frequentes no NO. Peninsular, constituindo uma redução dos dólmens de câmara e corredor desenvolvido. No entanto, a variante mais característica da Beira é o dólmen de câmara poligonal com corredor curto ou incipiente, com a casa dos dólmens Carapito III e IV. Dólmen de grandes dimensões, apresentando dois esteios decorados com motivos solares e serpentiformes em dois esteios. Apresenta-se fragmentado, incompleto e parcialmente reconstituído. O facto de estar situado em solo fértil, indica a existência de comunidade de agricultores
Número IPA Antigo: PT020901020005
 
Registo visualizado 281 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Funerário  Anta    

Descrição

Câmara decagonal constituída por nove esteios quase trapezoidais inclinados para o centro, desprovida de corredor e com a entrada orientada. Os esteios apresentam 3,5 m. de altura média e 2,3 m. de largura média. No lado S., encontram-se erectos a pedra mestra e os quatro esteios, apresentando-se o primeiro, junto à entrada, fracturado e consolidado com grampos de ferro e cimento, e encontrando-se o terceiro a contar da entrada fragmentado na parte superior. No lado N., encontram-se erectos o primeiro esteio junto à pedra mestra e o primeiro esteio junto à entrada, ainda que este se apresente fracturado e consolidado com grampos de ferro e cimento e escorado com vários troncos de pinheiro. Os outros dois esteios encontram-se partidos junto à base e caídos e, em redor do dólmen, existem vários fragmentos, três dos quais de maior dimensão e apresentando furos destinados a futura consolidação. Junto à ribeira, encontra-se o provável chapéu, com cerca de 3,5 m. por 3,8 m. *2.

Acessos

EC. 583 em direcção a Queiriz, margem O. da Ribeira do Carapito (Carta Militar nº. 169)

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto n.º 735/74, DG, 1.ª série, n.º 297 de 21 dezembro 1974

Enquadramento

Rural. Situado numa planície, isolado, na margem O. da Ribeira do Carapito, rodeado a N. por pinhal *1.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Funerária: anta

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Afectação

Época Construção

Megalítico

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Megalítico - construção; 1948 - primeira exploração efectuada por J. Coelho, que recolheu alguns fragmentos de cerâmica grosseira, referindo que o chapéu já se encontrava caído, enquanto os esteios do lado S. se encontravam quebrados e caídos facto que teria sido provocado por queda de raio no início do séc. 20; apenas se encontravam inteiros o primeiro esteio S. junto à abertura e o primeiro esteio N. junto à pedra mestra, mencionando ainda um esteio atravessado no interior da câmara e que não existe actualmente; 1955 - visita de Irisalva Moita que refere o seu estado de ruína, afirmando, todavia, que chapéu ainda cobria o dólmen; 1966 - escavações efectuadas por Vera Leisner e Leonel Ribeiro; nessa data encontravam-se caídos o primeiro esteio S. junto à entrada e o primeiro e segundos esteios N. a contar da entrada; durante os trabalhos detectaram-se várias pedras que fariam parte do chapéu, bem como dois esteios com motivos solares e serpentiformes gravados; a fragmentação dos esteios ter-se-à devido a movimentos tectónicos e não à acção humana; datação do espólio através do método de radiocarbono, que consistia em cerâmica grosseira, micrólitos e lâminas de silex, contas de xisto e calaíte ( LEISNER, V. e RIBEIRO, L. ).

Dados Técnicos

Construção megalítica.

Materiais

Granito.

Bibliografia

SARMENTO, Francisco Martins, Expedição Scientífica à Sera da Estrella em 1881, Lisboa, 1883; VASCONCELOS, Leite de, Coisas Velhas, in O Archeólogo Português, Lisboa, 1917, vol. XXII; COELHO, José, Notas Arqueológicas, Ethnos, Lisboa, 1948, vol. III; MOITA, Irisalva, Características Predominantes do Grupo Dolménico da Beira Alta, Lisboa, 1966; LEISNER, Vera e RIBEIRO, Leonel, Die Dolmen von Carapito, Madrid, 1969; ALMEIDA, José António Ferreira de, dir., Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1980, COSTA, Fernando Jorge dos Santos e PORTUGAL, José Alves, Aguiar da Beira, a História, a Terra e as Gentes, Aguiar da Beira, 1985; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70161 [consultado em 14 julho 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

IPPC: 1988 - trabalhos arquelógicos, sob orientação de Raquel Vilaça; IPPC, Serviços de Arqueologia da Zona Centro: 1990 - consolidação de dois esteios com grampos de ferro e cimento, escoramento do primeiro esteio N. junto à entrada, execução de furos em diversos fragmentos que se encontram espalhados na área envolvente *3.

Observações

*1 - na freguesia de Carapito existem mais três dólmens, escavados em 1966 por V. Leisner e L. Ribeiro. *2 - outro esteio, decorado com motivos solares e serpentiformes encontra-se na Casa do Pároco. *3 - processo que gerou conflitos com a população local, sendo por esse motivo que um dos esteios se encontra na Casa do Pároco.

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login