Farol da Ponta da Piedade

IPA.00001300
Portugal, Faro, Lagos, São Gonçalo de Lagos
 
Arquitectura de comunicações, oitocentista. Farol costeiro com torre de farol de planta quadrada, com edifícios simétricos de 1 piso de planta rectangular, adossados a O. e E..
Número IPA Antigo: PT050807050031
 
Registo visualizado 2926 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Comunicações  Farol    

Descrição

Torre de planta quadrada revestida com azulejos amarelos e encimada por cúpula metálica vermelha. Ângulos com cunhais de pedra aparelhada. A O. e E., edifícios simétricos, de 1 piso e com coberturas metálicas de 4 águas, destinados a albelgar os faroleiros. A N., a fachada principal, com entrada axial e vãos rectangulares. Fachada posterior similar, destacando-se apenas, em ângulos opostos, 2 chaminés. Acesso a este lado do edifício, em calçada, limitado por pequeno muro rebocado. No interior, ao centro, escada de caracol metálica de acesso à lanterna do farol, envolvida por parede coberta a azulejo branco.

Acessos

EN 125, à saída de Lagos para Sagres; Estrada para a Ponta da Piedade; Praia do Porto de Mós

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Marítimo, isolado. Implanta-se sobre a falésia da Ponta da Piedade, a O. de Lagos, com o acesso principal ao edifício orientado para o lado oposto ao mar.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comunicações: farol

Utilização Actual

Comunicações: farol

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Marinha

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1883 - prevê-se, no Plano Geral de Alumiamento, " a instalação de uma luz de porto de 4ª Ordem"; 1902 - proposta do Ministério da Marinha, para "instalação de uma aparelho de 6ª Ordem, mostrando dois clarões brancos, seguidos de um vermelho"; 1911 - é cedida, com as suas dependências (Despacho da Direcção Geral dos Eclesiásticos), a Ermida de Nossa Senhora da Piedade, "para construção de uma farol de rotação"; 1912 - tomada de posse, pela Marinha, da ermida e dependências, a 15 de Fevereiro, no mesmo ano era adquirido um prédio rústico denominado "Piedade" a Artur Baptista Galvão e sua esposa; 1913 - construção, após demolição da Ermida de Nossa Senhora da Piedade; 1952 - electricidade substitui a iluminação por candeeiro a óleo.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes. A torre do farol tem uma altura de 5 m, a luz encontra-se a 51 m de altitude e o seu alcance luminoso é de 20 milhas (c. 37 km), com uma característica luminosa de relâmpagos brancos simples com um período de 7 segundos.

Materiais

Alvenaria de tijolo, mosaico cerâmico, betão armado, ferro, telha em fibrocimento, azulejo, vidro.

Bibliografia

AGUILAR, J. Teixeira de e NASCIMENTO, José Carlos, Onde a Terra acaba, História dos Faróis Portugueses, Lisboa, 1998; Direcção de Faróis, Lista de Faróis, Bóias Luminosas, Rádio Faróis, Sinais de Nevoeiro (...) existentes na Costa de Portugal, nos Arquipélagos dos Açores e Madeira e no Ultramarino, Direcção de Faróis, Lisboa, 1955; PAULA, Rui Mendes, Lagos, Evolução Urbana e Património, Lagos, 1992; VILHENA, Francisco e LOURO, Maria Regina, Faróis de Portugal, Lisboa, 1995.

Documentação Gráfica

Direcção de Infraestruturas (Tel. 3475435) e Direcção de Faróis (Marinha).

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DESA; Direcção de Infraestruturas e Direcção de Faróis (Marinha)

Documentação Administrativa

Direcção de Infraestruturas e Direcção de Faróis (Marinha).

Intervenção Realizada

Marinha: 1992 - recuperação de rebocos, remodelação da instalação eléctrica (embebida nas paredes), recuperação dos elementos da cúpula do farol, beneficiação da lanterna, colocação de betão armado na estrutura, impermeabilização do terraço da cobertura, colocação de telha em fibrocimento na cobertura, assentamento e beneficiação de porta e e caixilhos, beneficiação do portão e gradeamentos exteriores, colocação de vedação em rede metálica, colocação de tijoleira nos pavimentos interiores, reparação das paredes exteriores revestidas a azulejo, pintura a tinta de água de paredes e tectos interiores, pintura a tinta de esmalte de todos os elementos metálicos, guarnições e aros de vãos; 1994 - demolição das lajes de esteira em abóbada para colocação de viga cinta em betão armado, remodelação das cozinhas e instalações sanitárias (águas quentes e frias, esgotos, acabamentos, equipamento e mobiliário), colocação de novo depósito de água, colocação de novo mastro, recuperação das chaminés, revestimento a azulejo branco das paredes da escada em caracol, execução de rebocos e caiação no muro exterior, pintura geral da cúpula do farol, reparação do pavimento exterior da cúpula.

Observações

Autor e Data

Anouk Costa e Marta Celada 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login