Capela da Senhora do Engaranho / Capela da Senhora das Necessidades / Santuário da Senhora do Engaranho

IPA.00012008
Portugal, Vila Real, Chaves, União das freguesias de Calvão e Soutelinho da Raia
 
Arquitectura religiosa, maneirista e revivalista. Capela de planta longitudinal simples, interiormente com tecto de madeira e iluminada por fresta lateral e óculos axiais. Fachada principal terminada em empena de friso e cornija, rasgada por portal de verga recta entre pilastras toscanas e encimado por frontão interrompido, ladeado por óculos ovalados. Fachadas laterais terminadas em friso e cornija, com cunhais apilastrados, tendo na lateral direita fresta de capialço na zona do altar-mor. Interior com espaço único, e estrutura retabular de talha, revivalista, de planta recta e três eixos.
Número IPA Antigo: PT011703060098
 
Registo visualizado 136 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta longitudinal de corpo único, rectangular, precedida por alpendre, também rectangular. Volumes escalonados com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas na capela e de três no alpendre. Fachadas em cantaria de granito em fiadas de aparelho irregular, com as juntas tomadas e pintadas de branco, percorridas por embasamento, terminadas em friso e cornija, com pilastras de canto nos cunhais sobrepujadas por pináculos tipo pêra com bola. Fachada principal voltada a SO., com alpendre aberto, com dois pilares de pedra sustentando a cornija de cimento e a cobertura, pavimentado a lajes de granito e com tecto de madeira envernizada. Capela terminada em empena rematada por cruz de ferro e rasgada por portal de verga recta, enquadrado por pilastras toscanas, esculpidas nos silhares, encimado por cornija recta que sustenta frontão curvo de volutas interrompido, sobrepujado por dois pináculos piramidais, no alinhamento das pilastras, e por dois óculos ovalados laterais. Fachada lateral esquerda cega, com placa de mármore fixada no cunhal e a lateral direita rasgada por fresta de capialço, na zona do altar-mor. Fachada posterior terminada em empena, rematada por cruz latina, rasgada por nicho em arco de volta perfeita, moldurado, com interior concheado, albergando imagem. INTERIOR de espaço único, em cantaria de granito aparente, com as juntas tomadas e pintadas de branco, iluminado pela fresta, no lado da Epístola. Retábulo-mor de talha policromada a branco e apontamentos dourados, de planta recta e três eixos, definidos por falsas estípetes, decoradas superiormente com motivo fitomórfico; no eixo central, abre-se nicho de perfil curvo, com o fundo pintado com motivos vegetalistas e albergando a imagem da padroeira, encimado por friso horizontal com concheados; os eixos laterais têm mísulas sustentando imagens sublinhadas por painéis emoldurados; remate em cornija recta sobrepujada por espaldar recortado com motivos vegetalistas e concheados entre dois florões de talha e, nos extremos, pináculos piramidais. Mesa de altar, paralelepipédica, com frontal formando almofada com apontamentos vegetalistas em talha dourada. Junto ao retábulo, do lado da Epístola, existe pequeno nicho para as alfaias com mísula frontal. Pavimento em pedra e tecto de madeira, envernizada. Nas traseiras da capela encontra-se um grande monólito de granito, com uma depressão, cheia de água, que funciona como tanque e onde as crianças doentes são banhadas. A roupa que levam vestida é atirada para lá deste penedo. Do lado N., existe uma pequena fonte da invocação de São Tiago, formando pequeno nicho recortado, decorado com acantos volutados. CAPELAS: No caminho de acesso à capela, pelo lado N., erguem-se duas pequenas capelas, com invocação de São Caetano e São Brás; uma terceira capela, da invocação de São Bento, também de construção recente, existe no acesso, do lado E.. As três têm planta quadrangular e massa simples, com cobertura piramidal assente em placa formando aba. Possuem fachadas rebocadas e pintadas de branco, rasgadas frontalmente por portal de verga recta, com porta de alumínio, encimada por lápide de mármore inscrita. Interiormente têm as paredes rebocadas e pintadas e albergam mesa de altar com imagem do orago. CRUZEIRO: Sobre plataforma de planta quadrangular e um degrau, surge plinto paralelepipédico, de faces lisas, encimado pela base e coluna do cruzeiro, de fuste liso, ornado a meio por anel e com o terço inferior consolidado por anel metálico.

Acessos

Lugar da Senhora das Necessidades

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, na encosta da serra do Catrapeiro, isolada, no interior de um parque arborizado com carvalhos e pinheiros nórdicos, delimitado por muretes de pedra. O parque, pontuado com grandes monólitos de granito, possui plataformas onde se distribuem o cruzeiro, coreto, lago, várias mesas e bancos de pedra e casas de banho. Na plataforma superior, onde se ergue a capela, existem duas casas para apoio aos romeiros no dia da festa *1. Junto à fachada principal da capela surgem dois bancos de pedra, flanqueando o portal. A 500 m de distância, na direção de Calvão existe um castro, a que o povo chama outeiro dos Mouros, e onde existem dois panos de muralha.

Descrição Complementar

INSCRIÇÕES: Placa colocada no cunhal da fachada lateral esquerda - CASIMIRO CSBELEIRA Residente nos EUA Mandou restaurar as paredes desta Capela. Sobre a porta da capela de São Caetano - OFERTA DE MARIA ORFÃO 1991 S. CAETANO. Sobre a porta da capela de São Brás - EM MEMORIA DE JAIME CASTELO OFERTA DE SUA MÃE S. BRAZ. Sobre a porta da capela de São Bento - Homenagem Amadeu e Maria Cunha. Na taça da fonte de São Tiago - J.F.M.C. 2001.

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: igreja de peregrinação

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 17 / 18 - provável edificação da capela; 1758, 16 Março - o padre Bento Peixoto de Almeida nas Memórias Paroquiais da freguesia, refere a existência da capela com invocação de Nossa Senhora das Necessidades no cimo de um monte para Poente do lugar e à distância de meio quarto de légua, a qual se achava por acabar de cobrir; tinha ao pé um penedo grande que continuamente conserva em si água milagrosa, com especial virtude para os meninos engaranhados, tendo o penedo o título de Pedra Benta; à capela não acudia romaria, mas apenas algumas pessoas do lugar de Calvão e Castelões, muitas vezes pessoas com crianças tolhidas de engaranho, de que se ouvia serem curadas por aquela água, por virtude da Senhora; 1991 - edificação de uma capela da invocação de São Caetano, oferta de Maria Orfão; 1990, década - edificação de uma capela da invocação de São Brás, em memória de Jaime Castelo, oferta de sua mãe, bem como a edificação de uma outra capela, da invocação de São Bento, em homenagem a Amadeu e Maria Cunha; 2001 - arranjo do adro da capela com colocação de uma fonte da invocação de São Tiago.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura e pavimento de granito; cornijas do alpendre de cimento; porta de madeira, com vidraças protegidas por grades de ferro; tecto de madeira envernizada; retábulo de talha policroma; cobertura exterior de telha.

Bibliografia

AFONSO, Alípio Martins, Conheça Chaves e o seu termo. Um passeio pelo extinto concelho de Ervededo (1232 - 1853) in Rev. Aquae, Flaviae, Chaves, vol. 12, 1994, pp. 191 - 223; CAPELA, José Viriato, BORRALHEIRO, Rogério, MATOS, Henrique, As Freguesias do Distrito de Vila Real nas Memórias Paroquiais de 1758. Memórias, História e Património, Braga, 2006; MENDONÇA, Sofia Isabel Loureiro, Roteiro de edifícios religiosos do concelho de Chaves, Estudos Transmontanos e Durienses, 9, Vila Real, 2000, p. 283.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

J.F.C.: 2001 - edificação de alpendre, arranjo do logradouro, colocação de bancos de pedra e colocação de fonte.

Observações

*1 - A Senhora do Engaranho ou Senhora das Necessidades é "advogada" das crianças com dificuldades de crescimento. A romaria anual ocorre no primeiro domingo de Setembro, com afluência de muitos devotos.

Autor e Data

António Dinis 2005

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login