Forte de São Marcelo / Forte do Mar / Forte de Nossa Senhora do Pópulo / Castelo do Mar

IPA.00011923
Brasil, Bahía, Bahía, Salvador
 
Arquitectura militar, renascentista. Forte marítimo de planta circular que tinha como função impedir a entrada do inimigo no porto, cruzando fogo com o forte de São Francisco, São Fernando e São Paulo da Gamboa. Este desenho circular fora já utilizado por Vicenzo Casale para o Forte do Bugio, em Lisboa (LEMOS, 1989).
Número IPA Antigo: BR920503360004
 
Registo visualizado 105 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Forte    

Descrição

Edifício de planta circular composta por muralha, fosso de circulação e corpo central circular. O acesso ao terrapleno superior é feito por duas rampas que partem do fosso de circulação. No alçado virado para terra, existem seteiras que protegem a entrada do forte; acesso é feito por ponte.

Acessos

Protecção

Monumento Nacional (brasileiro), inscrição n.º 49, de 24 de Maio de 1938

Enquadramento

Fortificação foi construída sobre uma lage que aflora aquando da maré baixa.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: forte

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Francisco Frias / Tibúrcio Spanochi / Pedro Garim (atrib.)

Cronologia

1622 - início da construção da fortificação por Francisco Frias, a partir da orientação de Tibúrcio Spanochi, e apresenta já um desenho circular; tinha em vista proteger o ancoradouro do porto de Salvador; 1624 - intensificação dos trabalhos de construção do forte; 1650 - novo projecto, que conferiu a sua forma actual; 1663 - conclusão do forte, que é baptizado sob a invocação de Nossa Senhora do Pópulo; estava artilhado com 19 peças; 1714 - primeira grande reforma da fortificação sob a orientação de João de Massé; foi nesta altura construída a cisterna para a captação de águas fluviais; 1717 - cisterna foi alvo de obras de ampliação; 1728 - conclusão da cisterna; 1777 - nesta data era uma das maiores e das mais poderosas fortalezas de Salvador; 1810/1812 - o então governador da Baía ordenou que se fizessem algumas alterações à fortificação; 1833 - foi prisão colectiva para os implicados na Federação dos Guanais; 1838 - os revoltosos da Sabinada foram presos neste forte; 1835 - os participantes na insurreição dos Malés foram aprisionados neste forte; 1855 - o Ministério da Marinha instalou um pequeno farol; abrigou a Escola de Aprendizes Marinheiros; 1861 - desde a centúria anterior que guardava pólvora, até que nesta data o seu depósito foi transferido; 1863 - a Comissão Oficial do Ministério da Guerra mandou que se realizassem algumas modificações, uma vez que passaria a contar com 30 peças de artilharia; 1937 - foi classificado como munumento nacional pelo SPHAN; abrigou o quartel de Escuteiros do Mar;

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

LEMOS, Carlos, "O Brasil" in História das Fortificações Portuguesas no Mundo, Lisboa, 1989, pp. 235-272; VALLADARES, Clarival do Prado, Nordeste Histórico Monumental, vol. IV, Baía, 1990; CORREIA, João Rosado, CORRÊA, Tupã Gomes, WRIGHT, Antónia Fernanda Pacca de Almeida, STELLA, Roseli Santaella, e CORREIA, Delmira Alberto, Fortificações Portuguesas no Brasil, dos Descobrimentos à Época Pombalina. A fundação do sistema português de comunicação ultramarina. Uma redescoberta da origem cultural do Brasil, Monsaraz, 1999;

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/Arquivo Pessoal Maria João Laginha

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/Arquivo Pessoal Maria João Laginha

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1942 - escada externa foi recuperada; 1965 - Prefeitura: obras de restauro, sob orientação do IPHAN; 1979/1983 - SPHAN:obras de restauro para a instalação do Museu de História Naval da Baía

Observações

Autor e Data

Sofia Diniz 2002

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login