Casa da Torre / Torre de Garcia de Ávila

IPA.00011921
Brasil, Bahía, Bahía, Salvador
 
Arquitectura militar e arquitectura residencial, seiscentista. A apreciação que pode ser feita do que subsiste ainda da estrutura, permite uma aproximação ao solar, robusto e entrocado, do centro e do norte de Portugal, e não à tradicional casa-grande, tipologia mais conhecida e típica desta zona, nascida dos engenhos e dos escravos (FERREIRA, 2004, p. 921).
Número IPA Antigo: BR920503360002
 
Registo visualizado 102 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo torre

Descrição

Edifício de planta composta, na qual se destaca do corpo circular da igreja no topo norte.

Acessos

Na estrada de acesso à Praia do Forte

Protecção

Enquadramento

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Propriedade

Privada: pessoa colectiva

Afectação

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Garcia de Ávila (atr.)

Cronologia

1551 - Garcia de Ávila construiu um castelo com torre, ficando a designação de Casa da Torre; foi construída numa pequena colina acerca de 2 km do mar, na enseada de Tatuapara; 1587 - casa contava já com fortes defesas e mesmo baluartes; 1609 - falecimento de Garcia de Ávila; os seus herdeiros fortificaram a residencial com muralhas construídas de pedra, cal de marisco e óleo de peixe; séc. 17, meados - serviu de quartel-general das forças portuguesas durante a ocupação holandesa; 1702 - o castelo foi reconstruído e rearmado; 1716 - segundo informação encontrada no Arquivo Distrital do Porto, data deste ano a celebração de contrato entre os herdeiros da Torre, o coronel Garcia d`Ávila Pereira e mestres pedreiros para executarem trabalhos diversos de pedraria (FERREIRA, 2004, p. 920); 1805 - com a morte do último Garcia d`Ávila, o morgado da Torre passa os Pires de Carvalho e Albuquerque séc. 19 - foi base de operações do Exército Libertador, comandado por António Joaquim Pires de Albuquerque, que tinha o título de Barão da Torre de Garcia d`Ávila; 1835 - com a extinção dos morgadios, o castelo foi abandonado; 1958 - só restavam as muralhas;

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

GONÇALVES, Fávio, "Mestres de pedraria gaienses que trabalharam, no séc. XVIIII, na Torre de Garcia d`Ávila" in Mundo da Arte, n.º 16, Dezembro 1983, pp. 33-40; VALLADARES, Clarival do Prado, Nordeste Histórico Monumental, vol. IV, Baía, 1990; MOREIRA, Rafael, "Caravelas e Baluartes" in A Arquitectura Militar na Expansão Portuguesa, Lisboa, 1994, pp. 85-89; CORREIA, João Rosado, CORRÊA, Tupã Gomes, WRIGHT, Antónia Fernanda Pacca de Almeida, STELLA, Roseli Santaella, e CORREIA, Delmira Alberto, Fortificações Portuguesas no Brasil, dos Descobrimentos à Época Pombalina. A fundação do sistema português de comunicação ultramarina. Uma redescoberta da origem cultural do Brasil, Monsaraz, 1999; FERREIRA, Carlos Antero de Faria, "A Casa da Torre ou Casa-Grande dos Ávila em Tatuapara. reflexão em torno do primeiro solar português no Brasil" in D. João III e o Império. Actas do congresso internacional comemorativo do seu nascimento, Lisboa, CHAM/CEPCEP, 2004, pp. 907-946;

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/Arquivo Pessoal Maria João Laginha

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

IPHAN: 1957/1958 - obras de estabilização das ruínas da casa e reparação da capela de Nossa Senhora da Conceição; 1998 - escavações arqueológicas;

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Sofia Diniz 2002

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login