Real Gabinete Português de Leitura

IPA.00011785
Brasil, Rio Janeiro, Rio Janeiro, Rio de Janeiro (C)
 
Arquitectura cultural e recreativa.
Número IPA Antigo: BR922100680015
 
Registo visualizado 122 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Cultural e recreativo  Centro de conservação e divulgação documental  Biblioteca  

Descrição

Fachada com estátuas sobre mísulas, representando Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral, Infante D. Henrique e Luís de Camões.

Acessos

Rua Luís de Camões nº 30

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Descrição Complementar

Não aplicável

Utilização Inicial

Cultural e recreativa: biblioteca

Utilização Actual

Cultural e recreativa: instituto cultural

Propriedade

Afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Rafael da Silva Castro. CONSTRUTOR: Frederico José Branco. ESCULTOR: Simões de Almeida. PINTOR: Frederico Steckel.

Cronologia

1837 - reunião que marcou a criação do Real Gabinete de Leitura; juntou 43 emigrados portugueses e teve lugar na casa de António José Coelho Louzada; 1850 - direcção do gabinete viu-se obrigada a encontrar uma nova sede dado numero elevado de obras que já reunia; 1861 - direcção tomou a iniciativa de construção de uma casa própria que tivesse as comodidades necessárias para albergar a biblioteca e salas de leitura; 1871 - a direcção comprou o prédio onde funcionava o Hotel São Pedro, na rua da Lampadosa, actual Luís de Camões; 1872 - é lançada a ideia de uma construção de raiz para o Gabinete; para o efeito são recebidos dois projectos de arquitectura, um de Pedro Bosisio e o outro de Rafael da Silva Castro, este último adoptando o estilo manuelino, sendo o projecto aprovado; 1878 - pretendia-se que as comemorações do tricentenário da morte de Camões marcassem simbolicamente o início das obras de construção; contudo, o projecto de Rafael da Silva Castro foi preterido relativamente ao de Francisco Joaquim Bethencourt da Silva, também no estilo manuelino; 1880 - o imperador do Brasil lançou a primeira pedra, cerimonia inserida nasd comemorações do tricentenario da morte de Camões; 1881 - início efectivo das obras; foi contratado o escultor Simões de Almeida para a estatuária da fachada; 1884 - a estrutura e a cobertura do edifício já se encontravam terminadas; 1885 - estavam já colocadas as figuras da frontaria; 1887 - a livraria já estava nas galerias da sala da biblioteca; 1888, 22 Dez. - inauguração oficial do Gabinete de Leitura; 1900 - Gabinete é transformado em biblioteca pública; 1906 - o rei D. Carlos concedeu, por decreto de 12 de Setembro, o título de Real; 1931 - teve lugar no Gabinete o 1º Congresso dos Portugueses no Brasil; 1935 - governo português concede ao Gabinete, por decreto, o benefício de receber um exemplar das obras impressas em Portugal;

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

ANACLETO, Regina, "Arquitectura Neomanuelina no Brasil. Saudade da Pátria" in Camões. Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.º 11, Outubro/Dezembro 2000, pp. 38-51; COSTA, A. Gomes da, "Catedral da Cultura Portuguesa" in Camões. Revista de Letras e Culturas Lusófonas, n.º 11, Outubro/Dezembro 2000, pp. 52-63; www.realgabinete.com.br

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Estes gabinetes de leitura instituídos por portugueses no Brasil terão tido a sua influência no exemplo francês, em que se fazia o empréstimo de livros por curtos períodos de tempo, e pagando uma determinada quantia, o que não acontecia nos casos do Brasil. EM ESTUDO

Autor e Data

Sofia Diniz 2002

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login