Fortaleza de São Sebastião / Museu Nacional

IPA.00011773
São Tomé e Príncipe, Ilha São Tomé, Água Grande, Água Grande
 
Arquitectura militar, moderna. Forte de traçado abaluartado regular, com planta quadrangular e baluartes pentagonais nos vértices, escarpa exterior em talude, rematada em cordão e parapeito liso, possuindo nos ângulos flanqueados guaritas cilíndricas. Cortina virada a terra com porta fortificada de verga recta, encimada por cartela, brasão e coronel a qual, por trânsito, conduz ao pátio central, circundado por edifícios de apoio, integrando capela.
Número IPA Antigo: ST910101000003
 
Registo visualizado 138 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Forte    

Descrição

Planta quadrangular com quatro baluartes pentagonais dispostos nos vértices. Estrutura rebocada e pintada de branco, com cunhais de cantaria, e escarpa exterior em talude, com remate em cordão e parapeito liso, possuindo nos ângulos flanqueados dos baluartes guaritas cilíndricas, cobertas por cúpulas. Na cortina virada a S. abre-se porta fortificada de verga recta e moldura simples, encimado por cornija sobreposto por cartela rectangular, lateralmente recortada, brasão com as armas portuguesas e coronel. Na cortina virada a O. abrem-se várias frestas, mais recentes. Transposto o trânsito acede-se a pátio central quadrangular, enquadrado por edifícios de apoio adossadas ao terrapleno interior, revestido a cantaria; os edifícios, com cobertura em telhados de quatro águas, possuem fachadas de dois pisos, rebocados e pintados, terminadas em cornija, e rasgados por vãos rectilíneos, moldurados. Na fachada virada a S., em frente do trânsito, fica a capela, com amplo arco de volta perfeita sobre pilastras, encimado por cruz, albergando no interior imagem de São Sebastião, padroeiro da fortificação. Na fachada virada a O., entre os edifícios existe escada de acesso ao farol. Ultrapassada aquela porta, percorre-se um corredor que dá acesso a um pátio interior, onde, num altar aberto para o pátio, podemos observar São Sebastião, padroeiro da Fortaleza. Subindo a escadaria, do lado direito, chegamos ao Farol. Neste "terraço" encontramos vários canhões, e outros de carga ligeira, bastante degradados (as partes de madeira, por acção do ar/mar quase desapareceram!) e partes de construções, em mármore, que fizeram parte de edifícios públicos e igrejas. No interior, algumas obras de arte litúrgica e a reconstituição de um "quarto" de escravo.

Acessos

Avenida Marginal 12 de Julho

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Marítimo, isolado, no extremo S. da Baía de Ana Chaves. Ergue-se numa plataforma artificial construída sobre os afloramento rochosos e adaptada ao declive do terreno. Apresenta as faces N. e E. viradas ao mar e a O. virada à chamada "praia da PM"; no terrapleno interior virado a E. existem várias bocas de fogo e elementos de cantaria que fizeram parte de edifícios públicos e igrejas. Em frente da face S. do forte desenvolve-se ampla praça, com várias bocas de fogo e as estátuas dos navegadores portugueses ligados ao descobrimento do arquipélago João de Santarém, Pêro Escobar e João de Paiva, que foram retiradas das praças e jardins de S. Tomé após a independência; ergue-se ainda o obelisco comemorativo da visita do Presidente da República, Américo Tomás à então colónia portuguesa.

Descrição Complementar

No interior do museu, é possível observar vários aspectos da história e da cultura de São Tomé, nomeadamente da escravidão e da vida quotidiana nas plantações de cacau e de café, a base económica do arquipélago. Existe também um conjunto de fotografias, documentos e peças da época da escravatura, a reconstituição de diversos cenários referentes àquela época, designadamente um "quarto", estatuária, armamento etc..

Utilização Inicial

Militar: forte

Utilização Actual

Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Pública: estado de São Tomé e Príncipe

Afectação

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Luís Benavente (1950).

Cronologia

1470, 21 Dezembro - descoberta da ilha de São Tomé por João de Santarém e Pedro de Escobar, no dia do Apóstolo São Tomé, no calendário litúrgico antigo; 1471, 1 Janeiro - descoberta da ilha mais pequena, a que se deu o nome de Ano Bom; 17 Janeiro - descoberta da ilha a que chamaram Santo Antão ou Santo António Abade, hoje denominada de Ilha do Príncipe por pertencer ao príncipe D. João, posteriormente D. João II; todas as ilhas eram desabitadas pelo que o povoamento e colonização das mesmas não foram imediatos; 1481, depois - início do povoamento das ilhas, já no reinado de D. João II, com certa dificuldade; 1485, 24 Setembro - carta constituindo a ilha de S. Tomé em capitania, doada a João de Paiva, fidalgo da Casa do Rei; 1493 - transferência da doação para Álvaro de Caminha que iniciou vários povoamentos; a primeira povoação estabelecida pelos colonos foi Água Ambó, junto à Ponta Figo; depois transferiram-se para o lugar onde hoje assenta a cidade de São Tomé; 1500 - mudança da capitania para Fernando Melo, sendo a jurisdição civil e criminal ligada à capitania-mor; este incentiva a criação de estruturas eclesiásticas; 1524, 19 Maio - concessão de foral por D. João III aos habitantes de São Tomé; 1575 - conclusão da construção do forte por forças portuguesas, sendo posteriormente reconstruído e ampliado; 1866 - construção de um farol no interior do forte; 1928 - reconstrução do forte; 1960 - escolhido pelo governo português para instalação da sede do Comando de Defesa Marítima da Província; 1975, 12 Julho - após a independência, foi transformado em Museu Nacional.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura rebocada e pintada; cunhais, cordão, molduras dos vãos, brasão, cornoel e outros elementos em cantaria; guardas em ferro; terraplenos interiores em cantaria; cobertura de telha.

Bibliografia

FERNANDES, José Manuel, "Luís Benavente e as fortalezas de África (1956-1973)" in Oceanos, n.º 28, Out./Dez. 1996, pp. 42-52; http://actd.iict.pt/view/actd:AHUD5063, Abril 2011; http://viagemastomeprincipe.blogspot.com, Abril 2011; http://pt.wikipedia.org/wiki/Forte _de_São_Sebastião_(São_Tomé), Abril 2011.

Documentação Gráfica

AN/TT: Arquivo Pessoal Luís Benavente

Documentação Fotográfica

AN/TT: Arquivo Pessoal Luís Benavente

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1950, finais da década - restauro do forte pelo arquitecto Luís Benavente; 1994 - restauro do forte.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Sofia Diniz 2002 / Manuel Freitas (Contribuinte externo) 2011

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login