Palácio Real de Vendas Novas / Palácio Real de D. João V / Palácio das Passagens / Escola Prática de Artilharia

IPA.00011744
Portugal, Évora, Vendas Novas, Vendas Novas
 
Palácio barroco adaptado a quartel no séc. 20. O palácio apresenta extensa e austera fachada de três corpos articulada com dois corpos perpendiculares nos topos. O corpo central, destacado, apresentava aparatosa porta real (já desaparecida) de acesso a grande vestíbulo central, coberto com abóbada decorada por pinturas, donde partia a escadaria, posteriormente substituída; nos corpos laterais encontravam-se as câmaras del-rei e da rainha, com quartos, gabinetes, oratórios e outros aposentos. Possuia uma capela palatina anexa a E., no local onde existia uma primitiva capela quinhentista dedicada a Santo António, de planta longitudinal de nave única e capela-mor e cobertura em abóbada de berço. Interior com tectos profusamente decorados por pinturas em tromp d'oeil de temática profana, de gosto cortesão, com temas mitológicos e elementos decorativos característicamente barrocos; na capela, nave decorada com painéis de azulejo azuis e brancos, da primeira metade do séc. 18, figurando cenas da Vida de Cristo; retábulo-mor de talha. O exterior austero contrata com a rica e profusa decoração do interior em particular ao nível dos tectos decorados com pinturas em tromp l'oeil. De grande dimensão o imóvel desempenhou importante papel na urbe que se desenvolveu em torno deste edifício e da estrada real que lhe dava acesso fazendo a ligação entre a Aldeia Galega e Montemor-o-Novo.
Número IPA Antigo: PT040712010003
 
Registo visualizado 455 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Edifício e estrutura  Residencial senhorial  Paço real    

Descrição

Planta composta por palácio, capela, museu, espaços de paradas, jardim, edifícios de serviços, campo de jogos, moradias e cinco edifícios habitacionais. PALÁCIO: fachada principal de 2 corpos, o central avançado rematado por frontão. INTERIOR: tectos decorados por pinturas em tromp d'oeil, figurando grinaldas, albarradas, medalhões, balaustradas, putti, e volutas enquadrando temáticas profanas que incluem temas mitológicos: Diana, Neptuno, Mercúrio e Vénus. A E. a capela palatina de planta longitudinal, de nave única e capela-mor; cobertura em abóbada de berço; nave revestida por azulejos azuis e brancos, figurando cenas da Vida de Cristo; arco triunfl revetido de talha; retábulo-mor de talha bem como talha.

Acessos

Avenida da República, Rua da Escola Prática de Artilharia, Rua Florbela Espanca

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 740-AB/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 de 24 dezembro 2012

Enquadramento

Urbano

Descrição Complementar

Integram o complexo militar de Vendas Novas, 5 blocos habitacionais de construção recente (40 apartamentos) destinados a oficiais, sargentos, praças e funcionários civis da Escola, um Polígono de Tiro bem como outras estruturas, salientando-se, o Palácio da Caça e a Casa da Mina.

Utilização Inicial

Residencial: paço real

Utilização Actual

Militar: quartel

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Ministério da Defesa Nacional

Época Construção

Séc. 16 / 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTOS: superintendente Coronel José da Silva Pais e Vasconcelos e Custódio Vieira (atr.)

Cronologia

Séc. 16 - construção, ao tempo do Duque de Bragança D. Teodósio, de uma pousada da Casa de Bragança; 1526 - construção por D. João III da capela dedicada a Santo António; 1728 - uma vez que a antiga pousada não possuia o necessário conforto e aparato, D. João V ordena a construção no mesmo local de um palácio no local, para servir de local de pernoita à comitiva real que se dirigia para a fronteira com Espanha, aquando da célebre troca das princesas no Caia: a Infanta D. Maria Bárbara de Bragança para casar com D. Fernando, Príncipe das Astúrias e a Infanta D. Maria Ana Vitória de Bourbon que vinha para Portugal para casar com o Príncipe do Brasil, futuro rei D. José I; 1728, Fevereiro - o arquitecto e engenheiro militar Custódio Vieira é destacado para o sítio de Vendas Novas, com a incumbência de assistir na edificação do palácio real, juntamente com o Coronel J. da Silva Pais; a obra terá ficado concluída no prazo de 10 meses, o que para muito contribuiu a participação de mais de 2000 trabalhadores (Oliveira, 2006); 1833 - o palácio transita da alçada da Casa do Infantado para a Casa Real; 1853 - rainha D. Maria II ordena a entrega do palácio ao Ministério da Fazenda; 1857 - o palácio terá passado para a tutela do Ministério da Guerra, tendo início os trabalhos de preparação para a instalação da escola prática de artilharia; 1861 - passa a albergar a Escola Prática de Artilharia; 1871 - a área do Polígono de Artilharia de Vendas Novas é consolidada com a troca, entre Ministério da Guerra e a Câmara Municipal de Montemor-o-Novo, do Convento de São Francisco de Montemor-o-Novo e cerca por terrenos adjacentes ao polígono; 1880 - uma das alas do palácio, que não tinha sido terminada a tempo e havia sido construída em madeira, arde num incêndio; 1908 - a ala em madeira é reconstruída em alvenaria depois de outro incêndio; 1941, 17 Maio - Decreto-lei n.º 31.272 cria a Comissão Administrativa das Novas Instalações para o Exercito (CANIE); 1945 - início da actividade construtiva da CANIE; 1954 - conclusão da obra de uma caserna para cadetes pela CANIE e consequente entrega ao Ministério do Exército; 1957 - início do processo de aquisição da igreja de Santo António, que fazia parte ao palácio, mas que pertencia à paróquia de Vendas Novas. Como a igreja já não acomodava de forma adequada a população, houve necessidade de construir uma nova, passando a de Santo António para tutela da escola. A capela foi comprada com todo o seu recheio, incluindo as alfaias litúrgicas e quadros; 1961 - auto de recepção definitiva da igreja. Houve problemas na recepção do imóvel porque nem todos os bens que constavam no arrolamento inicial se encontravam na igreja à data; 1967 - aquisição de uma parcela de terreno, com cerca de 13.520 m2, à Casa de Bragança para ampliação da Escola Prática de Artilharia; 1980 - nova aquisição de terreno à Casa de Bragança, com cerca de 119.625 m2, para ampliação da escola e implantação do pavilhão gimnodesportivo e campo de futebol; 2000, 11 fevereiro - Proposta de classificação do imóvel por parte de um particular; 2002, 27 fevereiro - Proposta de classificação pela Escola Prática de Artilharia; 2002, 01 de Outubro - Proposta de abertura do processo de classificação pelo IPPAR/DRÉvora; 2006, 10 de março - despacho de abertura da Vice-Presidente IPPAR determinando abertura do processo para eventual classificação como IIP - Imóvel de Interesse Público do "conjunto Palácio Real de D. João V e Capela Real"; 2008, 18 julho - Proposta da DRCAlentejo para a classificação como IIP - Imóvel de Interesse Público e de ZEP; 2008, 05 setembro - nova proposta de ZEP pela DRCAlentejo; 2011, 05 dezembro - Parecer da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como MIP - Monumento de Interesse Público e favorável à ZEP; 2012, 25 julho - Anúncio n.º 13301/2012, publicado no DR, 2.ª série, n.º 143, de projeto de decisão de classificação como MIP e fixação de ZEP.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

ANÓNIMO, A Escola Prática de Artilharia: notícia sobre a sua instituição e funcionamento,1904; COELHO, António Borges e MARQUES, Gustavo, Vendas Novas - História e Património Local, Vendas Novas, 1991; CURADO, Silvino da Cruz, Afinal quem projectou e dirigiu a construção do Palácio de Vendas Novas?, Revista da Artilharia, n.º 941 a 946, Jan.- Julho 2004; ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Évora, Lisboa, ANBA, 1975; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1952, Lisboa, 1953; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1956, Lisboa, 1957; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, 1º Volume, Lisboa, 1959; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, 1º e 2º Volumes, Lisboa, 1960; OLIVEIRA, Beirão de, O Palácio das Passagens, Jornal do Exército, n.º 550, Abril 2006, pp. 1-7; Exército Português, http://www.exercito.pt, Maio 2007.

Documentação Gráfica

Exército Português: DIE

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; Exército Português: DIE

Intervenção Realizada

DGEMN: 1953 - (CANIE) obras de ampliação da caserna para cadetes; 1958 - reparação dos telhados e diversas obras pelos Serviços de Construção e Conservação; construção, pela CANIE, de um refeitório para cadetes e sargentos milicianos; 1959 - continuação das obras de arranjo dos telhados e obras de reparações e beneficiações; dentro da actividade de melhoramentos e ampliações de instalações existentes foi iniciada a obra do edifício do refeitório para cadetes e sargentos milicianos.

Observações

EM ESTUDO. *1 - a designação Palácio das Passagens alude à passagem das princesas.

Autor e Data

Sofia Diniz 2007 / Rosário Gordalina 2009

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login