Liceu Nacional da Póvoa de Varzim / Liceu de Eça de Queiroz / Escola Secundária de Eça de Queirós

IPA.00011377
Portugal, Porto, Póvoa de Varzim, União das freguesias da Póvoa de Varzim, Beiriz e Argivai
 
Liceu Nacional projetado e construído na década de 40, no âmbito do "Programa de construções, ampliações e melhoramentos de edifícios liceais", o designado "Plano de 38". Obedece, grosso modo, ao "Programa Geral para a Elaboração dos Projectos dos Liceus", programa base definido pela Junta das Construções do Ensino Técnico e Secundário (JCETS), no qual são estabelecidas as exigências e as características espaciais que os liceus devem observar, definindo a representação espacial da organização curricular, os diferentes grupos de serviços existentes (administrativos, escolares, especiais, de educação física, comunicações e diversos), e as dependências necessárias para cada um, com referência à sua posição relativa, dimensões e materiais a empregar, iluminação e exposição solar, e acessibilidade. Assim, os edifícios liceu desenvolvem-se em dois ou três pisos, consoante a exigência da topografia do terreno. Em termos programáticos os espaços relativos aos serviços escolares encontram-se divididos em dois grandes grupos (um correspondente ao 1.º ciclo, e outro aos 2.º e 3.º ciclos), qualquer um deles com acesso independente a partir do vestíbulo de entrada, o que define, na maioria dos casos, uma opção por uma planta simétrica centralizada em torno deste vestíbulo, envolvido pelas dependências do serviço administrativo (secretaria, reitoria, direção dos ciclos e instalações sanitárias). Os serviços especiais, comuns aos vários graus de ensino (biblioteca, museus, sala de professores) localizam-se, regra geral, no ponto mais central do piso térreo. A distribuição das salas de aula (regulares e especiais, salas de ciências geográfico-naturais, físico-químicas, de trabalhos manuais e de desenho, e instalações para a Mocidade Portuguesa) é feita sobretudo no primeiro piso (ou nos primeiro e segundo pisos), sempre a partir do átrio de entrada seguindo o corredor lateral de distribuição. Nos topos do imóvel, ou nos pontos de inserção dos corpos com direções perpendiculares, encontram-se as escadas. É exigência do plano de estudos a existência de uma sala de aula por classe, o que faz com que a sala de aula seja a unidade organizadora do espaço, definindo a capacidade do liceu em termos do número de turmas, logo de alunos. Os requisitos apresentados para as salas de aula são: espaço retangular de 6x9 metros, com um pé-direito de 4 metros de altura; iluminação unilateral e segundo a maior dimensão da sala, assegurada por janelas localizadas a 1,20 metros acima do pavimento numa superfície correspondente a 1/5 ou a 1/6 do total do pavimento. As salas de aula regulares e os laboratórios são orientados preferencialmente para S., as salas de desenho e trabalhos manuais e os corredores para N.. O grupo de Educação Física deve assegurar uma igual acessibilidade a todos os grupos, pelo que se encontra, normalmente, numa posição axial em relação ao átrio de entrada, em acesso direto a partir deste, ou no seguimento do corredor, encerrando o circuito interno. Destaca-se da restante composição, quer pela sua volumetria, quer pela diferença na abertura dos vãos de iluminação, onde existe uma maior liberdade do que para as restantes salas. O programa base previa ainda a existência de uma entrada independente para este espaço e o contacto direto com os campos de jogos (exteriores) que o complementam e cuja área deve permitir a realização de atletismo, ginástica ao ar livre e jogos de grupo. A organização do espaço exterior do imóvel, localizado dentro de recinto murado, diferencia as zonas de circulação, as áreas ajardinadas e de recreio e os espaços reservados à prática desportiva. Os edifícios construídos ao abrigo deste programa base apresentam um cariz monumentalista, reforçado por elementos historicistas. A fachada principal é revestida a pedra e rematada com frontões. O Liceu Eça de Queirós apresenta-se como sendo um edifício de planta rectangular simples, de dois pisos, com vinte e sete salas de aula, ginásio, anfiteatros e laboratórios, iluminadas por amplos vãos rectangulares.
Número IPA Antigo: PT011313100025
 
Registo visualizado 34 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Educativo  Escola   Liceu  Tipo Plano 1938

Descrição

Edifício de planta retangular, de desenvolvimento horizontal, de dois pisos, composto por quatro corpos retangulares, interligados, criando um pátio interior descoberto, a que se adossa do lado esquerdo, mais dois corpos, formando um "L". Coberturas homogéneas com telhados de múltiplas águas. Fachadas rebocadas e pintadas de bege, percorridas por embasamento de granito e rematadas por friso e cornija também de granito, sobrepostas por beirada simples. Fachada principal virada a SE., marcada por vários panos, alguns destacados e ligeiramente avançados, enquadrados por cunhais de granito, formados por silhares sobrepostos, com juntas preenchidas. É rasgada por composições várias composições de três janelas, interligadas por parapeito de granito.

Acessos

Rua Dr. Leonardo Coimbra

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, destacado, ocupando quase a totalidade do quarteirão definido a N. pela Rua Dr. Alberto Pimentel, a E. pela Rua Padre Afonso Soares, a O. pela Rua de Camilo e a S. pela Rua Dr. Leonardo Coimbra. Próximo encontra-se a Escola Primária da Póvoa de Varzim / Escola Nova (v. PT011313100076) e a Basílica do Sagrado Coração de Jesus (v. PT011313100040).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Educativa: liceu

Utilização Actual

Educativa: escola secundária

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: António José Pedroso

Cronologia

1904 (inicio) - A Câmara apresenta ao Governo a pretensão de criar um liceu na Póvoa de Varzim, visto o Instituto de Instrução Primária não satisfazer os objectivos para que fora criado; 14 de Julho - é publicado o Decreto que cria o Liceu Nacional da Póvoa de Varzim, sem edifício próprio, tendo passado por vários edifícios da cidade; 1912 / 1914 - esteve instalado no extinto Colégio das Doroteias; 1914 / 1916 - passou pelas instalações do Colégio Povoense, mudando neste período a designação para Liceu Nacional Eça de Queirós; 1916 / 1925 - ocupou o edifício da família Silveira Campos, que foi obrigado a abandonar por ameaça de derrocada; 1925 / 1952 - ocupou as instalações da desactivada Fábrica do Gás; 1945 - 24 de Novembro - é publicado no Decreto-Lei nº 35.201, que anuncia a construção do edifício para o liceu; iniciando-se assim as diligências necessárias para a sua construção, como a escolha do terreno, expropriações e questões urbanísticas; 1947 - é mudada novamente a sua designação para Liceu Nacional da Póvoa de Varzim; 1949, Abril - Início da construção do edifício com frequência mista para 9 turmas, pela Junta das Construções para o Ensino Técnico e Secundário; 1951, final - está prevista a conclusão; 1952, 18 de Outubro - inauguração; 1961 e 1963 - obras de ampliação; 1979 - passa a chamar-se Escola Secundária Eça de Queirós; 2006, 24 agosto - o edifício esteve em vias de classificação, nos termos do Regime Transitório previsto no n.º 1 do Artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 173/2006, DR, 1.ª série, n.º 16, tendo caducado, visto o procedimento não ter sido concluído no prazo fixado pelo Artigo 24.º da Lei n.º 107/2001, DR, 1.º série A, n.º 209 de 08 setembro 2001.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria de betão, com paramentos rebocados e pintados de beje, com excepção do corpo central da fachada principal em granito aparente; embasamento, cunhais, frisos e peitorís das janelas em granito; gradeamento de muros e portões em ferro; caixilharias de portas interiores em madeira; vidro simples nas portas e janelas; coberturas em telha.

Bibliografia

NÓVOA, António, SANTA-CLARA, Ana Teresa, Liceus de Portugal: Histórias, Arquivos, Memórias, Lisboa, ASA, 2003, p. 687 - 705; http://www.cm-pvarzim.pt/povoa-cultural/arquivo-municipal-pv/difusao-da-informacao/extensao-cultural/paginas-de-historia-com-estorias, 13 de Abril de 2011.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSARH

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DREMN, CAM, REE

Intervenção Realizada

DGEMN: 1957 - Pintura do gradeamento da vedação e dos portões; 1960 / 1961 - ampliação da ala poente, traduzindo-se no aumento de mais 14 salas de aula, duas salas de desenho e trabalhos manuais, e da adaptação de uma sala de desenho a ginásio para raparigas; 1962/63 - novas obras de ampliação, que consistiram na construção de mais três salas de aula, recreios cobertos e sanitários; 1966 - reparação geral das coberturas, levantamento e reposição de beirais, pintura de paredes interiores e tetos e colocação de estores metálicos.

Observações

EM ESTUDO.

Autor e Data

Ana Filipe 2011

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login