Casa-Museu de Camilo Castelo Branco

IPA.00001110
Portugal, Braga, Vila Nova de Famalicão, União das freguesias de Seide
 
Arquitectura civil residencial, oitocentista. Casa rural inserida em quinta, de planta rectangular, massa simples, com fachadas rebocadas e pintadas, desprovida de decoração, com algumas molduras dos vãos em granito e outras em madeira pintada. Interior totalmente recriado, com primeiro piso correspondente às antigas lojas e lagar e segundo piso, nobre com vestíbulo, corredor central, de comunicação com salas, intercomunicantes, quartos e cozinha. Último piso, correspondendo a mansarda, acrescentado durante a reconstrução da casa, com escritório, quartos e sanitários. Tectos de madeira do tipo saia-camisa e pavimento em soalho. Nesta casa Camilo Castelo Branco viveu os últimos anos da sua vida e nela escreveu o seu primeiro romance "Amor de Salvação". A casa, apesar de totalmente reconstruída consegue recriar o ambiente da época.
Número IPA Antigo: PT010312430007
 
Registo visualizado 1529 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Casa abastada  

Descrição

Planta rectangular, massa simples horizontalizante com coberturas diferenciadas em telhados de três e quatro águas, com mansarda formando um L e chaminé da cozinha, de pano inclinado, no topo E.. Fachadas de dois pisos, rebocadas e pintadas de amarelo com cunhais, friso junto ao remate e falso embasamento pintado de branco. Vãos de verga recta excepto uma das janelas da mansarda, voltada à fachada principal, em arco pleno. Remates em duplo beiral. Fachada principal voltada a S. com primeiro piso rasgado por duas portas carrais, de acesso a galeria que comunica com as lojas, e pequena porta e janelas nos extremos. Segundo piso com porta central cujo acesso é feito por escadaria de lanço recto com guarda de ferro, situada entre as portas carrais, ladeada por janelas de peitoril. Pano da mansarda ritmado por janelas de peitoril e pequeno postigo. Todos os vãos do segundo piso e da mansarda são emoldurados a madeira pintada de vermelho escuro. Fachada lateral O. rasgada por janela gradeada simples encimada por janela com moldura de granito. Fachada posterior voltada à estrada rasgada, no primeiro piso, por janelas jacentes, e no segundo piso e mansarda, por janelas de peitoril. As janelas do primeiro e segundo piso são emolduradas a granito e das da mansarda a madeira pintada de vermelho escuro. INTERIOR com primeiro piso correspondendo às antigas lojas e adega, usadas como salas de exposição e loja do museu, possuindo paredes em alvenaria de granito, pavimentos em mosaico e tecto de madeira. Segundo piso organizado por vestíbulo que comunica com corredor longitudinal central, sala de jantar, sala de visitas e à saleta de Ana Plácido . Esta última dá acesso à caixa de escadas que conduzem ao piso inferior. Pelo corredor tem-se também acesso à sala de visitas, dois quartos, despensa, cozinha e escada que conduz à mansarda. A cozinha apresenta grande chaminé com trafegueiro de granito e forno. Último piso correspondente à mansarda, também organizado por corredor central longitudinal, que comunica com o escritório, os quartos intercomunicantes de Camilo Castelo Branco e Ana Plácido, latrina e casa de banho. Os pavimentos são em soalho e os tectos de madeira do tipo saia-camisa, o da sala de visitas em forma de masseira.

Acessos

Lugar da Igreja

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 95/78, DR, 1ª Série, nº 210 de 12 setembro 1978

Enquadramento

Rural, isolado, implantado no interior de pequena quinta, actualmente dividida por vários proprietários, em terreno murado, à face da estrada, com portal voltado a largo fronteiro à Igreja Paroquial de São Miguel (v. PT010312430087), onde se implanta um cruzeiro e um busto de Camilo Castelo Branco. A N., do outro lado da estrada encontra-se o edifício recente do Centro de Estudos Camilianos, do Arquitecto Siza Vieira.

Descrição Complementar

INSCRIÇÕES: Inscrições gravadas em duas das faces do pedestal escalonado do obelisco do jardim; granito; tipo de letra: capital quadrada; leitura: (face S.) COM OS SEUS DISCIPULOS TOMÁS RIBEIRO, EUGÉNIO DE CASTILHO, J. C. VIEIRA DE CASTRO, C. C. BRANCO; (face E.) a inscrição superior desta face encontra-se bastante apagada e ilegível; MANDOU ERGUER (?) ANA PLÁCIDO.

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Cultural e recreativa: casa-museu

Propriedade

Pública: Municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1830 - Manuel Pinheiro Alves, emigrante no Brasil, quando regressa a Portugal manda construir a casa; 1850 - Pinheiro Alves casa no Porto com Ana Augusta Viera Plácido; 1863, 17 Junho - Pinheiro Alves morre na casa de Seide; a casa é herdada pelo filho Manuel Plácido; no Inverno desse ano Camilo Castelo Branco, Ana Plácido e seu filho mudam-se para esta casa; Camilo escreve neste ano o seu primeiro romance "Amor de Salvação"; 1866, Julho - Tomás Ribeiro, António Feliciano de Castilho e Eugénio de Castilho visitam a casa; Ana Plácido manda colocar um obelisco comemorativo da visita *1; 1885, 18 Junho - Camilo Castelo Branco torna-se o 1º Visconde de Correia Botelho; 1890, 1 de Junho - Camilo Castelo Branco, que se encontrava praticamente cego, suicida-se com um tiro de revólver na sala de visitas; 1895, 19 Setembro - Ana Plácido morre na casa de Seide; 1915, 17 Março - um violento incêndio destrói por completo a casa; 1917, 17 Abril - a Comissão de Homenagem ao Escritor adquire a Ana Rosa Correia e seus filhos *2 as ruínas da casa e o quintal contíguo; posteriormente a casa é reconstruída e a Comissão de Homenagem entrega-a à Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão; a Câmara instala no primeiro piso uma escola primária; séc. 20, anos 40 - no decurso de obras de beneficiação parte da casa ruiu; a escola primária abandona o edifício; 1956, 18 Junho - inauguração da Casa-Museu Camilo Castelo Branco pelo Prof. Marcelo Caetano *3, ministro da Presidência; 1994, Setembro - o museu encerra para obras; 1995, 13 Dezembro - reabertura do museu com a presença do Prof. Manuel Maria Carrilho, Ministro da Cultura; 2000, Novembro - início das obras de reestruturação da zona envolvente da casa segundo o projecto do arquitecto Álvaro Siza Vieira, prevendo a construção da Casa da Cultura na residência paroquial e a recuperação da Casa de Nuno Plácido de Castelo Branco.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Estrutura, escadaria e molduras de alguns vãos, em granito; portas, janelas, molduras de alguns vãos, tectos e escadas interiores, em madeira; pavimentos das lojas em mosaico; cobertura em telha de aba e canudo.

Bibliografia

PIMENTEL, Alberto, Vida de Camilo Castelo Branco, Lisboa, 1890; CABRAL, António, Camilo Desconhecido, Lisboa, 1918; MENESES, Ludovico de, Camilo, (documentos e factos novos), 3 vols., Lisboa, 1924-5; Catálogo do Museu Camiliano de San Miguel de Seide, Vila Nova de Famalicão, 1924; ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1988; Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado, IPPAR, vol. I, 1993; Obras na Casa de Camilo, in Diário de Notícias, 15 Setembro 2000, p. 28; CASTRO, Aníbal Pinto de, OLIVEIRA, José Manuel de, Casa de Camilo - Ceide - Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Famalicão.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

DGEMN: DSID

Intervenção Realizada

1917 - Reconstrução da casa após um incêndio; o pé direito e as janelas são alteradas e é construída a mansarda; CMVNF: séc. 20, década de 40 - obras de beneficiação; reconstrução de uma parte da casa que havia ruído durante as obras de beneficiação; década de 70 - instalação da luz eléctrica e criação de uma sala de exposições no primeiro piso; 1994 - obras de restauro; 2000 - obras de intervenção no primeiro piso e jardim; recuperação da casa do filho de Camilo, com vista à conversão em casa de hóspedes; construção de um parque de estacionamento; arranjo do Largo do Cruzeiro e Largo Ana Plácido.

Observações

No jardim encontra-se o chamado "Mirante de Ana Plácido" onde esta se sentava frequentemente a fumar charuto e a falar com quem passava. Junto à casa encontra-se a "Acácia do Jorge" que foi plantada por Jorge Camilo Plácido Castelo Branco, filho de Camilo e Ana Plácido, quando este tinha 8 anos de idade; *1 - o obelisco, que Camilo Castelo Branco chamava de "Pedra" encontra-se no jardim junto ao portal e assinala a visita de Tomás Ribeiro, António Feliciano de Castilho, Eugénio de Castilho e Vieira de Castro, que apesar deste não ter estado presente, consta da inscrição existente; *2 - Ana Rosa Correia teve uma relação com Nuno Plácido de Castelo Branco, filho de Camilo Castelo Branco e de Ana Plácido. Desta relação nasceram sete filhos; *3 - Para a organização da Casa-Museu contribuiu a antiga proprietária Ana Rosa Correia, com as suas memórias do interior, e o trabalho de Pinheiro Torres.

Autor e Data

Isabel Sereno 1994 / Joaquim Gonçalves 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login