Castelo do Germanelo

IPA.00010902
Portugal, Coimbra, Penela, União das freguesias de São Miguel, Santa Eufémia e Rabaçal
 
Castelo rural da época da Reconquista, que juntamente com outros castelos, Penela, Soure e Lousã, fazia parte da rede afonsina de fortificações de defesa das terras de Coimbra. Tem grande interesse arqueológico, pois o abandono a que foi sujeito no final da época medieval, não se conhecendo intervenções posteriores, permite-lhe preservar as características espaciais originais; advém-lhe ainda valor patrimonial por ter integrado a rede S. de fortificações de defesa das terras de Coimbra no Período da Reconquista.
Número IPA Antigo: PT020614040032
 
Registo visualizado 375 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Castelo    

Descrição

Planta irregular em forma de triângulo de faces e vértices arredondados; troço da muralha N. numa extensão de 17 ameias; as restantes, completamente em ruínas, não sobem em alguns pontos acima do nível do chão, mantendo noutros uma elevação média; abre-se no recinto, ao flanco E., um poço redondo; troços de alicerces indicam partes das construções internas.

Acessos

Rabaçal

Protecção

Categoria: SIP - Sítio de Interesse Público, Portaria n.º 203/2014, DR, 2.ª série, n.º 51 de 13 março 2014

Enquadramento

Rural, isolado, no cimo de monte a E. do Rabaçal, envolvido por mata, possui amplas vistas panorâmicas sobre a região envolvente de largos vales onde se destaca uma elevação gémea, o Gerumelo, a S.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: castelo

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 12

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1142 - mandado construir por D. Afonso Henriques para reforço da área de fortificação militar de defesa de Coimbra contra investidas muçulmanas; na defesa do castelo são utilizados presos detentores de condenações pesadas; 1142 - 1144 - com base na fortaleza o monarca cria um novo concelho que transforma num couto de homiziados, pois os criminosos que na fuga o alcançassem ficavam livres da acção da justiça; 1147 - com a conquista de Santarém o castelo perdeu em grande parte a sua razão de ser, assim como, o seu concelho criado para atraír povoadores; o castelo entra em decadência e o concelho é extinto; séc. 14 - o castelo é abandonado, pela estabilidade territorial decorrente da consolidação política; séc. 20, fim década de 30 - início 40 - aquisição das ruínas do castelo pelo Professor Salvador Dias Arnaut, medievalista e docente da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, que entretanto descobrira documento no ANTT relativo a D. Afonso Henriques com descrição completa do imóvel; procede à reconstrução da muralha N. com base em estudos arqueológicos e geológicos encontrados no ANTT, utilizando pedras de origem que se encontravam no local; escavações puseram a descoberto o sítio da porta ou das portas, a cisterna, bases de casas, o local da lareira, os socalcos que completavam a defesa; 1995 - morte do proprietário Salvador Dias Arnaut; Salvador Jorge Arnaut, seu filho, herda o imóvel; 2000 - tentativa de venda do castelo à Câmara Municipal de Penela por 20 000 contos, oferta recusada para não alimentar especulações imobiliárias; 2000 julho - agosto - castelo posto à venda através de anúncio na revista Casas de Portugal; alegadamente vendido por 25 000 contos; IPPAR e CMP tentam evitar especulações imobiliárias e utilização do castelo para fins turísticos ou habitacionais alterando o seu carácter estrutural e espacial, através da elaboração de processo de classificação do imóvel como VC, classificação que reforçaria restrições já impostas pelo PDM; 2003, 29 maio - Despacho de homologação de classificação do castelo como Imóvel de Interesse Público.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Alvenaria de pedra.

Bibliografia

CORREIA, Vergílio e GONÇALVES, A. Nogueira, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Coimbra, Lisboa, 1952; ARNAUT, Salvador Dias e DIAS, Pedro, Penela, História e Arte, Penela, 1983; Diário As Beiras, 30.08.2000 e 01.09.2000; Correio do Minho, 01.09.2000; Jornal de Notícias, 03.09.2000; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/3761359 [consultado em 23 agosto 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Francisco Jesus 2000

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login