Palacete do Visconde de Santo Ambrósio

IPA.00010529
Portugal, Lisboa, Lisboa, Campo de Ourique
 
Palacete oitocentista, de planta pentagonal cujo alçado principal coincide com o seu lado menor e se articula com pátio, com limites murados, coincidentes com o prolongamento dos alçados laterais
Número IPA Antigo: PT031106300654
 
Registo visualizado 878 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Palacete  

Descrição

Planta pentagonal, articulada com pátio de planta em hexágono irregular, volumetria peralelepipédica, cobertura efectuada por telhados a 2, 4 e 5 águas articulados nos ângulos. De 2 pisos separados por friso de cantaria, superfície murária em reboco pintado com cunhais e soco em placagem de cantaria, animada pela abertura de vãos com emolduramento simples de cantaria, a ritmo regular. Alçado principal a E., coincidente com o lado menor do pentágono, e articulado com pátio de entrada delimitado por muro com gradeamento metálico de 3 panos (com portão axial lateralmente guarnecido por pilastras de cantaria em silharia fendida superiormente rematadas por vasos) cujos extremos adossados ao edifício ostentam remate em grandes volutas. O alçado compõe-se de 3 corpos, parcialmente separados por pilastras de cantaria, sendo os laterais oblíquos em relação ao central, em plano reentrante e mais estreito. Reconhece-se piso térreo rasgado a eixo por portal de verga recta e animado por galeria em arco abatido suportada por pilastras de secção quadrada, que se converte, ao nível do 1º andar, em varanda contígua a todo o alçado - com guarda em ferro fundido ritmada por plintos. No piso superior observa-se corpo central dominado por janela de sacada com bandeira, inscrita em arco de volta perfeita em cantaria com impostas destacadas, e corpos laterais, vazados, cada um, por 2 janelas de sacada de verga curva e de menor vão. Alçados laterais a N. e a SE., com o mesmo tipo de organização de vãos, tem piso térreo rasgado por vãos de verga recta encimados, ao nível do 1º andar, por janelas de sacada de verga curva com guarda metálica em ferro fundido. O edifício é superiormente rematado por cornija continuada acima da qual se eleva platibanda em balaustrada (excepto no que respeita ao remate do corpo central, em muro decorado com estuques) ritmada por plintos decorados com urnas.

Acessos

Rua D. Dinis, n.º 2 a 2 A; Rua do Sol ao Rato, n.º 11 a 11 B. WGS84 (graus decimais) lat.: 38,719582, long.: -9,156983

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, destacado, isolado por pátio murado e gradeado, fazendo gaveto de quarteirão definido pela Rua do Sol ao Rato e de D. Dinis. Na proximidade do antigo convento das Trinitárias do Rato (v. PT031106300409) e do Edifício Adossado à Igreja de Santa Isabel (v. PT031106300652).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: palacete

Utilização Actual

Política e dministrativa: sede de associação

Propriedade

Privada

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1874 - concessão, por decreto de D. Luís, do título de barão (e posteriomente, 1884, de visconde) de Santo Ambrósio ao Dr. Francisco António Namorado (1828 - 1904), médico do rei D. Luís e político do partido Regenerador, por viver na Rua de Santo Ambrósio (actual Rua D. Dinis), precisamente neste palacete; 1892 -nesta data o edifício já era propriedade do visconde de Santo Ambrósio; 1926-1959 - é inquilino da loja na Rua do Sol ao Rato Eduardo Coelho, com estabelecimento de artigos eléctricos; 1926-1928 - é proprietário do edifício Leonel Marques Leal Pancada; 1931-1934 - é proprietária do imóvel Júlia Barradas; 1934-1944 - é proprietário do edifício o Dr. Amilcar Cortez Pinto, da família fundadora dos laboratórios «SANITAS »; década de 40 - com a morte do Dr. Amilcar Cortez Pinto, o seu filho Dr. Asdrúbal Cortez Pinto, interrompe a sua carreira nos E. U.A., para vir viver com sua mãe, neste palacete; 1947-1970 - o edifício é propriedade da Associação Central da Agricultura Portuguesa; 2001 - imóvel foi comprado pelo Sr. Manuel Faria à associação (c. de um milhão de euros).

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Alvenaria mista, reboco pintado, cantaria de calcário, estuque, ferro forjado e fundido, madeira, vidro

Bibliografia

ARAÚJO, Norberto de, Peregrinações em Lisboa, Vol. III, Livro 3, Lisboa, s.d. ; CONSIGLIERI, Carlos, RIBEIRO, Filomena, VARGAS, José M., ABEL, Marília, Pelas Freguesias de Lisboa. Santo Condestável, Santa Isabel, São Mamede, Coração de Jesus, Lisboa, 1995.

Documentação Gráfica

CML

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

CML: Arquivo de Obras, Procº nº 11553

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 1892, Julho - reparação das coberturas, limpezas interiores e exteriores; 1897, Abril - conversão em portas de vãos de janela voltados para a Rua do Sol ao Rato; INQUILINO: 1926, Novembro - transformação de uma porta em montra; 1934, Novembro - construção de um muro no interior do quintal; PROPRIETÁRIO: 1934, Dezembro - reparações interiores e exteriores; INQUILINO: 1938, Abril - limpezas e pinturas interiores e exteriores na loja da Rua do Sol ao Rato; PROPRIETÁRIO: 1941, Fevereiro - obras de beneficiação e limpezas interiores e exteriores; 1944, Março - obras de beneficiação interior e exterior, reparação de pavimentos e pinturas; 1947, Março - obras de beneficiação em duas salas do 1.º andar; INQUILINO: 1948, Outubro - pinturas exteriores; PROPRIETÁRIO: 1951, Setembro - limpezas exteriores; 1952, Novembro - realização de um desaterro no jardim; 1953, Março - construção de uma sala de sessões nos terrenos do edifício; INQUILINO: 1955, Julho - limpezas e pinturas interiores e exteriores do estabelecimento na Rua do Sol ao Rato; 1959, Março - limpezas interiores e exteriores; PROPRIETÁRIO: 1968, Dezembro - obras de beneficiação geral.

Observações

Autor e Data

Teresa Vale, Maria Ferreira e Sandra Costa 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login