Convento de São Francisco

IPA.00010257
Portugal, Setúbal, Setúbal, União das freguesias de Setúbal (São Julião, Nossa Senhora da Anunciada e Santa Maria da Graça)
 
Arquitectura religiosa, renascentista, barroca. Renascimento pela estrutura arquitectónica espacial pelos elementos construtivos. Barroco nos elementos decorativos escultóricos do frontispício da capela.
Número IPA Antigo: PT031512010027
 
Registo visualizado 1326 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Convento masculino  Ordem de São Francisco - Franciscanos (Província dos Algarves)

Descrição

Planta longitudinal, composta em U, regular, com coincidência exterior / interior. Volumes articulado com cobertura diferenciada em telhados de 2 águas, com disposição das massas em horizontalidade emprestada pela cadência de abertura de vãos de portas e janelas nos 3 pisos; fachada principal voltada a S.; fachadas de um pano delimitadas transversalmente por molduras continuadas, à altura dos andares, com uniformidade marcando os pisos; rematadas por comija simples ou por platibanda; fachada principal onde se rasgam janelas em arco de volta inteira iguais, distribuídas regularmente. INTERIOR de espaços diferenciados. Junto ao convento vêm-se as ruínas de uma capela, donde se destaca uma fachada com pórtico com arco alteado, onde se adossam duas pilastras colossais de ordem jónica, tudo encimado por frontão angular. Escadaria de ligação entre os diferentes pisos, no bloco principal.

Acessos

Ladeira de São Francisco; Rua José Carlos da Maia

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, no declive de uma colina, circundado por terrenos vazios, próximo da Avenida São Francisco Xavier.

Descrição Complementar

Existência de vestígios de frescos representando os apóstolo.

Utilização Inicial

Religiosa: convento masculino

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Ministério da Segurança Social e do Trabalho

Época Construção

Séc. 15 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1410 - construção do convento, não se conservando vestígios da época da sua fundação. Pertencia a Religiosos Observantes da Província dos Algarves tendo sido, provavelmente, a primeira ordem estabelecida em Setúbal;. Deveu-se à protecção de D. Maria Anes Escolaris; 1619 - aí se hospedou Filipe III de Castela quando visitou Setúbal; séc. 17 / 18 - o convento encontra-se muito degradado; 1747 / 1749 - executam-se trabalhos de reedificação; 1755 - é severamente atingido pelo terramoto; 1834 - os frades são expulsos com a extinção das Ordens Religiosas e o edificio incorporado nos bens próprios nacionais, pertencendo ao governo que o vendeu por arrematação a Joaquim O'Neil; 1840 - as ruínas pertenciam à família Torlades O'Neil; João Torlades O'Neil mandou demolir a maior parte do mosteiro; séc. 19 - são feitas obras no convento; 1874 - Francisco José Pereira compra o mosteiro a João O'Neil e reconstrói-o; 1875 - o mosteiro é comprado por padres da Companhia de Jesus que concluem as obras reedificando a igreja e adaptando o edifício para o estabelecimento de ensino; a igreja estabelece-se na antiga casa do Capítulo; 1876 - inauguração da igreja e do colégio a 4 de Outubro; 1878 - estabeleceu-se uma aula gratuita de instrução primária; séc. 20 - é adaptado a quartel, recebendo o Batalhão de Infantaria 11; com a saída dos militares fica devoluto; 1975 - foi cedido a título precário pela DGP à CMS; 1995 - encontra-se ocupado por famílias desalojadas; 1996 - cedência do edifício à Casa Pia de Lisboa; 1997 - protocolo de acordo entre Ministério do Equipamento e o Ministério de Solidariedade e Segurança Social do Município de Setúbal, no sentido de realojar as 61 famílias e recuperar o Convento para a instalação de um colégio destinado ao acolhimento, educação e formação de crianças e jovens carenciados; 2004 - devolução do edifício pela Casa Pia de Lisboa à DGP; 2006 - a Direcção-Geral do Património apresentou uma proposta de valorização urbanística para a ocupação da área do Convento de S. Francisco e sua envolvente (in Correio de Setúbal, 2006-04-28).

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Cantaria, alvenaria, telha.

Bibliografia

LEAL, Augusto Soares de Azevedo Barbosa de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1880; RIBEIRO, João Reis, Histórias da região de Setúbal e Arrábida, 1958; CARVALHO, Almeida, Acontecimentos, Lendas e Tradições da Região Setubalense, vol. IV, Conventos de Setúbal, 1 Parte, Setúbal, 1970; ABREU, Laurinha, Setúbal na Modernidade: memórias da alma e do corpo, 1998; DRUMOND, Paulo, Setúbal Medieval do Séc. XIII a XV, Câmara Municipal de Setúbal, 1998

Documentação Gráfica

HRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Chancelaria D. João V, liv. 124, fls. 200-201

Intervenção Realizada

Nada a assinalar

Observações

Devidamente recuperado, o edifício poderia ser convertido na Escola de Artes que Setúbal bem merece (Setúbal Cultural, C. M. S., s. d.).

Autor e Data

Albertina Belo 1995

Actualização

Cecília Matias 2006
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login