Parque de Santa Cruz / Jardim da Sereia

IPA.00001017
Portugal, Coimbra, Coimbra, União das freguesias de Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)
 
Espaço verde de recreio. Parque onde estilo barroco está bem patente nos eixos e escadarias, bem como nos elementos escultóricos. O Parque de Santa Cruz, é pela sua luxuriante vegetação e abundância de águas, um agradável refúgio do bulício da cidade. A espécie aí existente mais numerosa é o loureiro da Índia.
Número IPA Antigo: PT020603250032
 
Registo visualizado 910 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Espaço verde  Parque  Parque  Barroco    

Descrição

De planta trapezóidal composta com vastas áreas arborizadas, lagos, fontes, escadarias e alamedas delimitadas por muretes forrados de azulejos. A entrada é constituída por um pórtico de três arcos ornamentados com concreções calcárias, apoiados em pilastras, coroados por três esculturas representando a Caridade, a Fé e a Esperança; ladeado por dois pavilhões quadrados de cobertura piramidal de quatro águas, decorados com pintura mural tanto exterior como interiormente. A pintura interior representa cenas alusivas a Santo Agostinho, São Teotónio e D. Afonso Henriques. Ao pórtico segue-se o recinto do Jogo da Péla, curta avenida ladeada por muros baixos com decorativos bancos de azulejo, dividida no sentido do comprimento por muretes marcados nas extremidades por pilares com urnas, e que desemboca numa cascata em três corpos, cenograficamente construída com concreções calcárias, tendo ao centro a escultura de Nossa Senhora da Conceição, e em plano mais recuado dois grandes medalhões de azulejo figurativo, ladeados pelas estátuas dos evangelistas, representando o da esquerda Sara e Agar no Deserto e o da direita o profeta Eliseu lançando sal nas águas de Jericó. Deste terreiro parte um escadório de sete lanços com patamares intermédios, onde se podem ver repuxos e tanques de água; a ladeá-los bancos de pedra com o encosto de azulejos representando paisagens, animais e motivos alusivos à água. No último patamar alcança-se a Fonte da Nogueira ou da Sereia com uma espécie de gruta ao centro da parede do fundo, abrigando a figura de um tritão abrindo a boca a um golfinho donde corre água para uma concha. Sobre a parede, num nicho constítuido por pilastras dóricas, entablamento e frontão curvo, surge uma imagem de Nossa Senhora. No lado NO. do parque um grande lago circular, envolvido por cedroa, com um ilhota central onde se construiu uma fonte. A Alameda de Santo Agostinho que atravessa o parque no maior sentido da largura, é ladeada por loureiros.

Acessos

Praça da República, Rua Lourenço de Almeida Azevedo, Rua Pedro Monteiro e Rua de Tomar

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 251/70, DG, 1ª série, n.º 129, de 03 junho 1970

Enquadramento

Urbano, isolado, acompanhando o declive do terreno, vedado por sebes e muros que lhe delimitam o espaço. Rodeado pelas novas artérias nascidas pela urbanização da Quinta de Santa Cruz, que desembocam na praça da República, antiga praça de D.Luís*1, Rua Lourenço Almeida Azevedo, Rua Pedro Monteiro, Rua de Tomar e Rua Garrett. A E. o espaço é marcado pelo edifício do Teatro Académico Gil Vicente (v. IPA.00010071), a O. a Cadeia Penitenciária de Coimbra (v.IPA.00010921).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Produtiva: mata / Recreativa: parque *2

Utilização Actual

Recreativa: parque

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO PAISAGISTA: António Viana Barreto

Cronologia

1723 / 1752 - criada a antiga cerca dos monges de santa Cruz, constituída por carvalhos e loureiros, funcionava como parque de recreio e meditação dos monges, estando à frente da comunidade D. Gaspar da Encarnação, que chegou a ser ministro do gabinete de D.João V; 1890 - abertura da rua Lourenço de Almeida Azevedo, tendo incorporado parte dos terrenos do parque; 1956 - projecto de Arquitetura Paisagista por António Viana Barreto onde foi projectada, entre outras a limpeza do parque em termos de material vegetal e a correção de caminhos.

Dados Técnicos

Materiais

INERTES: Cantaria, azulejos.

Bibliografia

BORGES, Nelson Correia, Coimbra e Região, Lisboa, 1987; DIAS, Pedro, Coimbra: Arte e História, Porto. 1983; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/73923 [consultado em 12 agosto 2016]. [consultado em 12 agosto 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: Arquivo Pessoal de António Viana Barreto, Arquivo Pessoal de Ilídio de Araújo

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN- Arquivo Pessoal de António Viana Barreto

Intervenção Realizada

CMC: 2004/2005 - limpeza das cantarias, substituição dos telhados dos torreões e restauro da pintura mural, consolidação dos azulejos dos bancos.

Observações

*1 - Atualmente a Praça da República encontra-se em plano bastante acima do primitivo. O acesso ao pórtico de entrada do parque fazia-se por uma escadaria de 13 degraus, que desapareceu devido ao aterramento do recinto .*2 Parque destinado ao recreio dos religiosos, em certos dias, chamados "dies rusticationis", para onde iam depois da hora de vésperas; *3 - Parque incluído na Rota da Cascata Barroca.

Autor e Data

Cecília Matias 2003 / Teresa Camara 2005

Actualização

Margarida Silva 2005
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login