Casa Burmester

IPA.00005412
Portugal, Porto, Porto, União das freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos
 
Palacete.
Número IPA Antigo: PT011312070173
 
Registo visualizado 162 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Palacete  

Descrição

Edifício isolado no logradouro, com o alçado principal voltado a N.. Divide-se em cinco corpos, escalonados no terreno, com os corpos laterais recuados e o central avançando sobre os restantes. Assenta num embasamento, granítico, rasgado nos corpos centrais por frestas, de iluminação da cave, com gradeamentos em ferro fundido. Nos corpos laterais, desenvolvem-se escadarias de sete degraus, que fazem o acesso ao interior do edifício. Ao nível do primeiro piso, os corpos laterais abrem-se uma porta e os corpos intermédios por uma janela de arco abatido, com peitoris em ferro fundido. O corpo central é rasgado por três janelas geminadas, inseridas num grande arco abatido e com peitoris de ferro fundido. Nas extremidades do arco, assentam duas mísulas, que sustentam a varanda do piso superior, para onde se abrem três portas, de arco abatido e rematadas por motivos decorativos vegetalistas. Nos corpos laterais, abrem-se janelas de arco abatido e com peitoris em ferro fundido. A separação dos pisos é feita por um friso granítico, que circunda todo o edifício. Os corpos laterais são rematados por uma arquitrave e cornija, onde assenta directamente o beiral do telhado. No corpo central, ergue-se uma balaustrada granítica, rematada nas extremidades por duas chaminés. Os alçados laterais, de desenho repetido, são compostos de dois corpos, um deles mais recuado. Desenvolvem-se sobre um embasamento granítico, rasgado por duas frestas no corpo mais avançado e outra no corpo recuado. No primeiro e segundo pisos repetem-se os vãos, agora janelas de arco abatido e molduras graníticas. O corpo S. apresenta, também, três corpos, num jogo de volumetria, em que o segundo e quarto corpos avançam sobre os restantes. No embasamento, abrem-se frestas, com correspondência nos vãos dos pisos superiores. Lateralmente, abrem-se janelas de arco abatido, substituídas nos corpos intermédios por janelas geminadas, inseridas num único arco abatido. O corpo central apresenta varandas em ambos os pisos, abertas por portas de arco abatido. Da varanda do primeiro piso acede-se ao jardim, através de uma escadaria de oito degraus. O beiral assenta na cornija. No centro do logradouro, ergue-se um chafariz, de tanque oitavado, que intercala meios círculos com vértices. No centro, ergue-se uma coluna, na qual assenta uma taça, decorada com quatro carrancas. Segue-se nova coluna decorada, rematada por peixes, de caudas enroladas num eixo central. Voltado para a Rua do Campo Alegre, ergue-se um alto muro, de aparelho granito. A E., é rasgado por um portão em ferro fundido. Ao centro, desenha-se uma meia laranja, aberta por duas janelas, que ladeiam o portão central. Este, abre-se entre dois pilares rusticados, sobre os quais assenta um frontão invertido, cujo lintel é decorado com uma rosa, lembrando os símbolos da heráldica alemã dos Burmester. Entre os extremos da meia-laranja e no eixo do muro, eleva-se um gradeamento baixo, intercalado por pilares graníticos.

Acessos

Rua do Campo Alegre, n.º 1055

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, confrontando a N. com a Rua do Campo Alegre e a O. com a Travessa de Entre-Campos. A E. encontra-se a Casa de Primo Madeira (v. PT011312070208 / PT011312070340) e a S. a Colónia Operária de Sidónio Paes. O logradouro é rodeado de muros altos em aparelho granítico, salvo em parte da zona voltada para a Travessa de Entre-Campos, onde foi substituído por um gradeamento de ferro fundido. Para a Rua do Campo Alegre, o muro é rasgado por dois portões, um nobilitado e de acesso à casa e outro de servidão. Junto à casa implanta-se jardim.

Descrição Complementar

O logradouro desenvolve-se em toda a envolvente do edifício. Aquando da instalação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e a construção dos respectivos pavilhões. Os vestígios ainda existentes permitem-nos observar ainda os canteiros de traçado curvilíneo, de vegetação densa, dentro do gosto romântico. Pela análise da Fotografia Aérea do Porto (1939), sabemos ter sido destruída a mata e um labirinto de sebe.

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Política e administrativa: serviços académicos

Propriedade

Pública: Universidade

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ENGENHEIRO: José Estevão Parada e Silva Leitão. MESTRE-DE-OBRAS: Manuel Francisco Ferreira, Mestre-de-Obras.

Cronologia

1897, 22 de Fevereiro - É concedida licença a Gustavo Burmester, para a construção de muro de um edifício; o requerimento foi assinado por José Parada Leitão e o termo de responsabilidade por Manuel Francisco Ferreira; 1898, 26 de Abril - é concedida licença a Gustavo Burmester, para a construção de muro de vedação, sob a responsabilidade técnica de Manuel Francisco Ferreira; 1899, 18 de Agosto - é concedida licença a Gustavo Burmester, para abertura de portal no muro de vedação, sob a responsabilidade técnica de Manuel Francisco Ferreira; 1980/1985 - Elaboração do programa base, plano geral e execução do projecto "Plano Geral do Polo 3" que consistiu no tratamento integrado dos espaços exteriores pertencentes ao Polo 3 da Universidade do Porto onde este jardim se encontra incluído; 2006, 3 de fevereiro - Proposto como imóvel de Interesse Patrimonial pela Carta de Património do PDM do Porto.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Alvenaria de granito, rebocada e pintada nos alçados laterais; coberturas com estruturas de madeira, revestida a telha de barro, de tipo marselha; caixilharia em madeira pintada.

Bibliografia

Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, 1º Volume, Lisboa, 1959; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, 1º Volume, Lisboa, 1960; GILBERT, Arnold, J. W. Burmester. A saga da familia Burmester - duzentos e cinquenta anos no Vinho do Porto, Porto, 2000; GRAÇA, Manuel de Sampayo Pimentel Azevedo, Construções de Elite no Porto (1805-1906), Porto, 2004 (FLUP), Vol. I, p. 157-159, Vol. II, p. 566-585.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN / DSID; AHMP/ CMP: Livro de Plantas de Casas, n.º CXLIV, fl. 41-45; n.º CLII, fl. 106-110; n.º CLVIII, fl. 218-221; Arquivo Pessoal Francisco Caldeira Cabral

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; AHMP/ CMP: Fotografia Aérea do Porto de 1939

Documentação Administrativa

AHMP/ CMP: Livro de Plantas de Casas, n.º CXLIV, fl. 41-45; n.º CLII, fl. 106-110; n.º CLVIII, fl. 218-221; Arquivo Pessoal Francisco Caldeira Cabral

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Manuel Graça 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login