Moinho de Água da Vista Má / Moinho de Água da Má Vista / Moinho de Água da Maria Vinagre

IPA.00032065
Portugal, Évora, Mora, Cabeção
 
Estação de moagem composta por dois moinhos de água e várias dependências, um em cada margem da ribeira, quase frente a frente.
Número IPA Antigo: PT040707020069
 
Registo visualizado 1478 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Extração, produção e transformação  Moagem    

Descrição

Estação de moagem composta por dois moinhos e demais dependências, localizados quase frente a frente em ambas as margens da ribeira.

Acessos

Cabeção, Rua do Cemitério, passando as traseiras do Cemitério (v. IPA.00032064), a 240m prosseguir para poente; a 637m o caminho bifurca; seguir em frente, para sul, em direcção à Ribeira da Raia; prosseguir para poente, marginando a Ribeira; as ruínas do moinho ficam a c. de 1km, sendo que o moinho propriamente dito, se encontra quase totalmente submerso. As ruínas do segundo moinho ficam na freguesia de Pavia, na margem oposta da Ribeira; o acesso a este moinho faz-se pela EN251, na direção Pavia - Mora, a c. de 8,310Km, tomar o caminho de terra batida à mão direita e seguir para nordeste; a c. de 1,178Km, encontrando um caminho a poente, continuar por mais 410m, sempre na direção nordeste, até o caminho infletir para sudeste; neste ponto seguir então pelo carreiro à mão esquerda, em direção a norte - noroeste, até encontrar o moinho a c. de 320m, a pouca distância da margem da Ribeira da Raia.

Protecção

Incluído no Plano Sectorial da Rede Natura 2000: Sitio de Interesse Comunitátio Cabeção (PTCON0029)

Enquadramento

Rural, fluvial, isolado, parcialmente submerso e envolvido por vegetação, na margem norte da Ribeira da Raia, incluído na Pista Internacional de Pesca Desportiva de Cabeção. Magnífico enquadramento paisagístico, a c. de 3Km a nascente do Açude do Gameiro. A nascente, a c. de 1Km os vestígios da projetada Ponte Ferroviária sobre a Ribeira da Raia (v. PA.00035521) e, a c. de 4,5Km, o Moinho de Entre Águas (v. IPA.00025613). A maioria das estruturas encontra-se envolvida pela vegetação, predominando o canavial, o Oleandro (Nerium oleander), a Oliveira (Olea europaea) e o Pinheiro-manso. A nível da fauna encontramos, entre outros, o Rato-de-cabrera (Microtus cabrerae), o Texugo (Meles meles); nas linhas de água vários anfíbios e répteis como a Rã-verde (Rana perezi), a Rã-de-focinho-pontiagudo (Discoglossus galganoi), o Sapo-parteiro (Alytes obstetricans) e a Cobra-de-água-viperina (Natrix maura), bem como várias espécies aquícolas salientando-se o Barbo (Barbus) a Boga (Chondrostoma polylepis) e a Carpa (Cyprinus carpio); no campo da avifauna, destaque para a comunidade de rapinas, com populações numerosas de Águia-de-asa-redonda (Buteo buteo) e de Águia-calçada (Hieraetus pennatus); vários passeriformes, com destaque para os Chapins, Toutinegras, o Rouxinol-grande-dos-caniços (Acrocephalus arundinaceus) e o Melro-preto (Turdus merula).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Extração, produção e transformação: moagem

Utilização Actual

Em ruína

Propriedade

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18 / 19 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 18 - 19 - data provável de construção; 1870, 17 de Julho - posturas da Câmara Municipal de Mora, revogando as anteriores, nas quais surge legislação vária relativa aos moínhos de água do Concelho, nomeadamente proibição de moer trigo nas pedras barroqueiras ( próprias para centeio ) ou de moer grão fora do concelho, bem como obrigação de todos os moleiros "de pé de mó, como os maquilões ( os moços que levavam a farinha ao domícilio ) ou carregadores", de prestarem fiança por todo o mês de Janeiro e obrigação dos forneiros de fornos públicos de cozerem o pão e "mais artigos precisos a toda e qualquer pessoa"; 1876 - referido por José Maria Baptista na Chorographia do Reino de Portugal; 1943 - a Carta Militar de Portugal, n.º 409, assinala dois moinhos, um em cada margem da ribeira, o da margem sul ligeiramente mais a poente.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Pedra

Bibliografia

BAPTISTA, José Maria - Chorographia Moderna do Reino de Portugal. Lisboa: Typographia da Academia Real das Sciencias, 1876, Vol. V, pp. 275 e 277.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Rosário Gordalina 2011

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login