Hotel Tivoli

IPA.00007784
Portugal, Lisboa, Lisboa, Santo António
 
Arquitectura comercial e turística.
Número IPA Antigo: PT031106140463
 
Registo visualizado 692 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Comercial e turístico  Unidade hoteleira  Hotel  

Descrição

De planta em U composta por 3 corpos adossados efectua coberturas em terraço de tijoleira ou betão. Os corpos diferenciam-se pelos vãos das janelas e pela diferenciação de altura do último piso. Corpo central orientado a E. tem a função de entrada principal. Composto por 10 pisos sendo o 1º de pé direito duplo por constituir a zona comum. 1º piso com vãos duplos de amplas dimensões formando montras com e curvo na continuação da fachada a S. Ao centro, porta de entrada com pala rectangular. Restantes pisos constituídos por série de 9 janelas de peito rectangulares de guilhotina por pisos inseridas num corpo ligeiramente avançado. Na base deste corpo avançado, pequenas aberturas de vão que percorrem a fachada servindo salas equivalentes ao 2º piso. Junto a esta fachada, encaixa o corpo S. que é contituído por varandas rectangulares de pedra corridas que servem 3 janelas de sacada euqivalentes a diferentes quartos. No último piso, varanda fechada correspondendo ao restaurante panorâmico no interior.Na fachada S. do edifício repete-se o pano avançado mas este com 8 janelas de peito, seguem-lhe varanda equivalente à outra fachada mas de menores dimensões ladeada por pano liso de pedra onde ao nível do 9º piso se encontra uma placa com o nome do Hotel "Tivoli Hotels". Na fachada N., equivalente ainda ao corpo central, pano cego seguido de janela de peito tripartida por piso seguidas de pano rasgado por 3 aberturas de vão que se estende ao longo de toda a fachada iluminado o interior a níveis diferenciados. na base, embasamento de mármore que diminui de tamanho consoante acompanha o desnivelamento do terreno. O 3º corpo, o de menores dimensões segue este sendo composto por 9 pisos, diferenciados no último piso a meio por uma varanda fechada à dir. na base, garagem com entrada de automóveis pela ampla porta de correr. Nos restantes pisos, 6 janelas de peito rectangulares simples por piso. Nas fachadas posteriores janelas de peito em todos os pisos, sendo de evidenciar que a formação do U da planta só se inicia no 2º piso, sendo o 1º formado por rectângulo onde se desnvolve a sala de convívio da entrada. A cobertura é de vidro o que permite a ilumnação semi-natural da sala.INTERIOR: 8 pisos com 329 quartos sendo 30 suites e suites juniores. 1ºpiso, com ampla sala rectangular com colunatas após a zona de entrada onde estão a recepção à esq. e a caixa e bengaleiro na direita. Após pequena escadaria, sala de convívio e no piso superior ligação às salas de reuniões. A ligação entre os dois pisos é feita pelas escadas laterais à direita ou pelo restaurante Beatriz Costa instalado no gaveto. No 10º piso, Restaurante Terraço com vista panorâmica.

Acessos

Avenida da Liberdade, n.º 185

Protecção

Incluído na classificação da Avenida da Liberdade (v. IPA.00005972) / Incluído na Zona Especial de Proteção Conjunta dos imóveis classificados da Avenida da Liberdade e área envolvente

Enquadramento

Urbano, destacado. Integra um gaveto de quarteirão do lado O. da Av. da Liberdade. Na proximidade, Pq. Mayer e palacete Mayer. Nos terrenos do hotel, piscina exterior bar "Tivoli Club", jardim com árvore da borracha centenária, campo de ténis e garagem com 70 lugares de estacionamento. Dentro destes, edifício de dois pisos de finais do séc. 19 desactivado. O terreno faz ligação ao Hotel do mesmo grupo, Tivoli Jardim permitindoo uso comum dos serviços de exterior.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comercial e turística: hotel

Utilização Actual

Comercial e turística: hotel

Propriedade

Privada: pessoa colectiva

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Anselmo Fernandez (1961); António Pardal Monteiro (1961); Artur Bentes (1971); Porfírio Pardal Monteiro (1952); Rodrigues Fernandes (1990)

Cronologia

1942- o proprietário do original edifício do hotel Tivoli compra o terreno contíguo para futura construção de edifício moderno; 1952 - data do projecto, da autoria de Porfírio Pardal Monteiro; 1958 - conclusão da primeira fase de construção; 1961- alterações ao projecto original pelo arquitecto António Pardal Monteiro, sobrinho de Porfírio Pardal Monteiro, e Anselmo Fernandez

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Betão armado, mármore, vidro, ferro, alumínio, madeira

Bibliografia

Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no Ano de 1961, 2 º Vol, Lisboa, 1962; Guia Urbanístico e Arquitectónico de Lisboa, Lisboa, AAP, 1987; Plano Director Municipal, Lisboa, CML, 1995; CALDAS, João Vieira, Pardal Monteiro - Arquitecto, Lisboa, AAP, 1997; PACHECO, Ana Assis, Porfírio Pardal Monteiro, 1897-1957, A obra do Arquitecto, UNL, 1998

Documentação Gráfica

Arquivo Histórico do Hotel Tivoli

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

CML: Processo de obra nº 20504; Arquivo Histórico do Hotel Tivoli

Intervenção Realizada

DGEMN: 1961 - estudos da corrosão do circuito de água quente do Hotel Tivoli e ensaios comparativos de diversos materiais utilizados em sistema de água quente, pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil; 1969 - reparação das fachadas; 1971- aumento de 6 áreas de quarto no último piso da 1º fase que originalmente era varanda de vidro; 1981- construção da piscina e court de ténis; 2000 - criação de mezzanine no restaurante Beatriz Costa; 2001- avanço do restaurante da cobertura

Observações

EM ESTUDO O projecto inicial não é totalmente acompanhado pelo arquitecto Pardal Monteiro. Este acompanha a construção dos corpos a N. sendo o gaveto do corpo S. alterado por António Pardal Monteiro.

Autor e Data

Luísa Castro-Caldas 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login