Igreja da Santa Casa da Misericórdia de Sarzedas

IPA.00007309
Portugal, Castelo Branco, Castelo Branco, Sarzedas
 
Arquitectura religiosa, barroca. Igreja da Misericórdia composta por uma nave, com coro-alto e capela-mor mais baixa e estreita. Fachada delimitada por pilastras sobre plinto, rematadas por pináculos, ladeando um frontão triangular. Sineira e sacristia adossadas ao edifício. Coberturas em masseira com travejamento. Retábulos tardo-barrocos pintados de branco com apontamentos dourados.
Número IPA Antigo: PT020502230024
 
Registo visualizado 297 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja de Confraria / Irmandade  Misericórdia

Descrição

Planta longitudinal composta, com nave, capela-mor mais estreita, sacristia e torre sineira. Volumes articulados de disposição na horizontal com cobertura em telhado de duas águas. Fachada principal orientada a O., com pano limitado por duas pilastras em granito encastradas com aparelho isódomo, coroadas por dois pináculos. Ao centro, portal em arco abatido, encimado por cornija contracurvada. Junto à soleira, ombreiras decoradas por duas volutas. Porta de duas folhas em madeira com bandeira. Encima o portal, janela com lintel e soleira em arco abatido coroada por frontão e cornija. Remate em empena com frontão coroado por cruz latina. Lateralmente, torre sineira *1 com campanário em granito, em arco pleno, emoldurado por volutas. Acesso exterior à torre sineira com porta de ferro com lintel em arco abatido em granito. Os demais alçados encontram-se adossados a outras construções. Acesso ao interior através de degrau. INTERIOR de uma nave com coro-alto em madeira e capela-mor mais baixa e estreita. Tectos tripartidos em madeira pintada com travejamento, o da capela-mor de tom azul com estrelas. O piso da nave é em soalho e ao centro, em cimento. Coro-alto de madeira com acesso por escadas situadas no lado N., iluminado por janelão. Sob o coro-alto, guarda vento de madeira pintada. Do lado da Epístola, púlpito com bacia em granito suportada por consola e guarda em madeira. Junto a este, uma imagem assente em mísula de madeira, com correspondência no lado oposto. Altar lateral emoldurado por vão com lintel em arco perfeito com impostas salientes e pedra de fecho decorada, tendo protecção em madeira. Neste, integram-se duas imagens. Do lado do Evangelho, ergue-se um retábulo com características semelhantes. Arco triunfal de volta perfeita com impostas salientes, ladeado por dois altares em madeira, contendo imagens. Capela-mor iluminada por duas janelas, com piso em lajeado de granito. Retábulo de talha dourada. Do lado da Epístola, surge mísula com imagem. A partir deste espaço acede-se à sacristia.

Acessos

Largo Gil Sanches e Paio Pais

Protecção

Incluído na Zona de Proteção do Pelourinho de Sarzedas (v. PT020502230004)

Enquadramento

Urbano, localizada a meia encosta. A Igreja encontra-se ladeada por outras construções e confina com a via pública. Próximo localiza-se o Pelourinho.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja de confraria / irmandade

Utilização Actual

Religiosa: igreja de confraria / irmandade

Propriedade

Privada: Misericórdia

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18 (conjectural) / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 18 - data provável da sua edificação; 1752, 21 Junho - D. José manda que se faça o tombo da Misericórdia, declarando-se que tinha 201 irmãos de ambos os sexos; tinha uma imagem do Senhor crucificado, de vulto, uma de Nossa Senhora da Soledade, de roca, um Crucificado mais pequeno, para as procissões, um sudário, 2 cálices com patenas de prata, 4 castiçais de estanho, uma lâmpada de metal amarelo, 2 caixões para os paramentos, em castanho, com 3 gavetões, um sino, uma bandeira, um cofre forrado que servia para o Santíssimo, 8 lanternas de folha de Flandres, um caixão de castanho, que serve de cartório; a igreja tinha dois altares, o mor com painéis da Paixão, com o Crucificado e Nossa Senhora da Soledade, e cobertura pintada com tarjas de arquitectura de flores; a poente, confina com as casas do capitão João Gonçalves Ruivo, de Sarnados do Ródão, tendo de N. a S., 11 varas e 3/4; parte do anscente por onde confina com as casas da Irmandade de N. a S. 11 varas e 3/4; a S., onde confina com a Praça, mede 6 varas e, a N., seis varas; tinha um alpendre lajeado de cantaria com colunas, à entrada principal, com 2x3 varas; tinha duas casas atrás da sacristia, confinando, a E., com celeiros da Coroa; casa da sacristia dividia-se em duas dependências, uma delas a casa do sino, que confinam, a E., com celeiros; tem uma casas para peregrinos, e, junto a estas, a hospitaleira; esta tem um balcão com escadas de pedra, no lado da Praça; 1950 / 1960 - aplicação de friso em azulejos na nave.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Madeira, reboco, granito, argamassa, telha de meia cana, ferro, azulejos.

Bibliografia

DIAS, José Lopes, Albergarias da Beira Baixa, in Separata da Acção Médica, fasc. 39, Lisboa, Janeiro - Março 1946; OLIVEIRA, Acácio C., Sarzedas e o seu termo - aspectos geográficos, históricos e etnográficos, s.l. 1987; MARCELO, M. Lopes, Beira Baixa - novos guias de Portugal, Lisboa, 1993.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMCB

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

SCMS

Intervenção Realizada

SCMS: 1950 / 1960 - obras de restauro e aplicação de azulejos no friso; 1995 - restauro nas coberturas interiores e exteriores, pintura de interiores e exteriores.

Observações

*1 - torre sineira não foi terminada, optando-se pela colocação de um campanário.

Autor e Data

Luís Castro 2000

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login