Casa Mora / Casa das Moras / Edifício do Museu Municipal do Montijo

IPA.00007019
Portugal, Setúbal, Montijo, União das freguesias de Montijo e Afonsoeiro
 
Casa abastada revivalista, em arquitectura tradicional portuguesa, de vertente classicizante, neobarroca e arte nova. Casa de residência do século 19, de cidade, larga e nobre, palacete burguês, de grande simplicidade de linhas, de desenho regular e simétrico, de gosto ecléctico, com motivos decorativos, figurativo e orgânicos filiados, também nos detalhes, nas correntes neoclássica e neobarroco, com serralharia artística e envidraçados coloridos da arte nova. Casa residencial urbana, elegante, erudita, de tipo palacete burguês, revelando uma monumentalidade compacta, ao gosto do século 19.
Número IPA Antigo: PT031507020013
 
Registo visualizado 167 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Casa abastada  

Descrição

Planta trpezoidal, irregular. Exterior - interior não coincidente. Massa simples disposta com verticalidade. Cobertura exterior em telhado de duas águas e clarabóia com cobertura de cúpula sextavada, tipo mourisco, de linhas sanqueadas. Fachada principal orientada a S., com embasamento, com painéis de cantaria, estruturada em simetria, de um pano desenvolvido entre cunhais estreitos, apilastrados, marcados por faixas verticalizantes, de modinaturas toscanas, com dois pisos, definidos pela sequência de vãos abertos com correspondência nos dois pisos, em sobreposição. No piso inferior abre-se ao centro o portal com bandeira com gradeamento, em arco perfeito, com chave em medalhão com máscara, flanqueada por um par de janelas e um par de portas de arco rebaixado. O piso superior correspondente ao andar nobre é marcado a toda a sua largura por um largo balcão central, com barriga, flanqueado por um par de varandas lineares, de parapeito, com trabalho de cantaria e serralharia artística nos modilhões de suporte e nas grades de ferro lavradas. O remate é em platibanda alta assente em cornija bem marcada. Fachadas laterais simples planas com um pequeno janelo de iluminação a E. ao nível do sótão; a O. duas janelas ao nível do primeiro piso, e três de pequenas dimensões de tipologia diferente, ao nível do sótão; o remate é em empena angular que com olhos de volutas na ligação com as platibandas. Fachada a N. mais sóbria que a do frontispício, de um pano e dois pisos, tendo como elemento divisor uma elegante varanda corrida a toda a largura ao nível do andar nobre; no piso inferior rasgam-se portas alisares lineares, a que se sobrepõem janelas de sacada. O remate é em platibanda decorada com rendilhado de faiança e dois pináculos laterais. Emergindo do telhado um original lanternim-mirante, de vidros coloridos, de iluminação interior. INTERIOR de espaço diferenciado em rés-do-chão, primeiro andar, sótão e mirante. No rés do chão destaca-se o vestíbulo da casa com tecto de decoração elegante em estuque e pavimento antigo em enxequetado preto e branco, que dá acesso para as salas do museu por portadas idênticas ás do portal principal, com chaves decoradas; estas salas são as únicas descaracterizadas, servindo as exposições temporárias, têm ligação entre si por arcos de asa de cesto, cobertas por tectos planos lisos, com pavimento em placas de mármore moderno. Do vestíbulo sobe-se ao piso nobre por escadaria de dois lances opostos, com guarda-corpo em gradeamento de ferro com decoração requintada. No piso nobre abre - se o corredor para onde dão as antigas salas de estar, de jantar junto à cozinha ainda equipada, a sa da antiga capela e quartos. Estas salas são de decoração diversificada, com belos desenhos em estuques com baixo relevos nos tectos: na capela com friso superior pintado numa decoração barroca, com estrelas, e querubins, tema este que se repete formando uma rosácea central com símbolo cristão no meio, de onde pende candeeiro também decorado com pequenos querubins em metal; as outras salas são igualmente muito decoradas com estuques e pinturas, ora formando rendas muito elaboradas, ora imitando papel de parede, com alizares, ora em pinturas de gosto naturalista em "trompe l'oeil", com quadraturas muito ornamentadas; os pavimentos são em madeira; na cozinha destaca-se o lar em cantaria com azulejaria branca no interior, e os azulejos do pano murário de padronagem azul e branco, com friso, de grande frescura ornamental. Sobe-se ao sótão por escada em madeira de dois lances, e encontramos um espaço esconso coberto por tecto em madeira; um lance de escada também em madeira, alcança o mirante com banco em madeira a toda a volta, com cobertura em madeira sextavada. Jardim arborizado e com canteiros de flores, murado com portão, onde se espalham em exposição, diversas peças arqueológicas 1*.

Acessos

Avenida dos Pescadores, n.º 50 a 54

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Edital da Câmara Municipal do Montijo de 05 setembro 2008

Enquadramento

Urbano, em planície, flanqueado por construções mais baixas, que o envolvem lateralmente, em processo de urbanização, com jardim murado que envolve a fachada posterior.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Câmara Municipal do Montijo

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1875 - Construção da residência de Domingues Tavares; 1878 - Domingues Tavares é Presidente da Câmara do Montijo; 1896 - Domingues Tavares é de novo nomeado para Presidente da Câmara; Séc. 20 - foi residência do advogado Dr. Manuel Justiniano Mora; 1985 - aquisição do edifício pela Câmara Municipal do Montijo e consequente ajustamento da residência a Biblioteca Municipal, principalmente ao nível do rés-do-chão; 1992 - estudo para adaptação do edifício que pertencera à Família Tavares Mora a Museu Municipal; 1993 - Fundação e inauguração do núcleo principal do Museu Municipal de Montijo; 2008, 20 agosto - despacho camarário de abertura do processo de classificação do imóvel; 2009, 30 março - proposta de encerramento do processo de classificação da DRCLVT, por não ter valor nacional; 03 abril - despacho de encerramento do processo de classificação do Diretor do IGESPAR.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes

Materiais

Alvenaria, cantaria, mármore preto e branco, madeira, ferro fundido, vidro, estuque, faiança, tijoleira, telhas.

Bibliografia

GRAÇA, Luís, Edifícios e Monumentos Notáveis do Concelho de Montijo, Montijo, 1989; LUCAS, Isabel Maria Mendes Oleiro, Subsídios para a História do Concelho do Montijo - Cronologia Geral, Montijo, 1997.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN / DSID; CMM: arquivo do gabinete técnico

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN / DSID; CMM: arquivo fotográfico

Documentação Administrativa

CMM

Intervenção Realizada

CMM: 1985 - Obras de adaptação da residência a Biblioteca Municipal no piso térreo, incluindo a substituição do piso e tratamento e pintura das paredes; 1992 - obras de adaptação no piso térreo para a instalação do Museu Municipal com mudança de pisos, e com arranjos e pinturas gerais exteriores; obras para a remodelação de instalação eléctrica apropriada; anos 90 - arranjo do jardim.

Observações

1*: Como museu municipal e casa-museu que é, alberga grande diversidade de peças de vários tipos com grande abrangência de épocas.

Autor e Data

Albertina Belo 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login