Capela de Nossa Senhora da Consolação

IPA.00006599
Portugal, Ilha da Madeira (Madeira), Funchal, Imaculado Coração de Maria
 
Capela barroca, reconstruída em meados do séc. 19, de planta longitudinal composta por nave única e capela-mor, com frontispício em empena ondulada e vãos em eixo, com portal de arco pleno e cornija, encimado por janela. No interior, retábulo-mor barroco, de estilo nacional, quadros da nave com molduras rococó e restante decoração neoclássica.
Número IPA Antigo: PT062203010022
 
Registo visualizado 399 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta longitudinal, composta de nave única e capela-mor, à qual se encosta para E. torre sineira quadrada, anexo e a sacristia rectangulares. Volumes articulados com coberturas diferenciadas, de 2 águas na capela e de uma nos anexos, com beirais simples e duplos de telha de canudo portuguesa, e torre com eirado e muro de recorte ondulado, tipo "chapéu de cónego" assente em cornija. Fachada principal a S. com embasamento pintado a cinza, terminada em empena ondulada, com cimalha de cantaria com balanço assente em cornija pintada a vermelho, encimada por cruz de Cristo e urnas sobre os cunhais. Portal de cantaria com arco de volta perfeita assente em pilastras com capitéis e bases ressalvados e lintel de balanço; portadas de madeira com almofadas pintadas a verde; janelão superior com arco de volta perfeita, moldura de cantaria cinzenta com filete relevado exterior e vitral da evocação da capela. Torre no alinhamento da fachada, com painel de azulejos ao nível do piso térreo, janela ao nível da da capela, com moldura de cantaria e portadas de madeira envidraçadas e bandeira fixa; mostrador de relógio debruado superiormente por filete relevado de cantaria insular. Fachada E. dominada pela demarcação da torre, com fresta no piso térreo e sineira no superior; edifício de apoio de um piso com 2 frestas e uma porta; e pequena sacristia com janela gradeada e porta. Fachada O. quase cega, com frestas na nave e capela-mor, esta ligeiramente recuada, articulando-se com fontanário. No INTERIOR, coro-alto sobre colunas de madeira pintadas a marmoreado, com capitéis e terço inferior com dourados, e balaustrada de madeira torneada; no lado da Epístola, púlpito semicircular de madeira pintada a branco e ouro com baldaquino encimado por penacho entalhado e dourado, enquadrado por 2 óleos com motivos marianos e aparatosas molduras entalhadas com "asa de morcego"; no lado do Evangelho, dois outros óleos semelhantes. O arco triunfal é de volta perfeita, em cantaria colorida de Cabo Girão aparente e lintel superior de balanço embutido superiormente, mas a que faltam as ilhargas de ligação, encimado por listel pintado, ladeado por 2 altares em talha branca e dourada postos de ângulo dedicados a Nossa Senhora e Santo António, e 2 óleos sobre tela; nave com soalho de madeira, coberta com tecto de estuque branco sobre cornija; espaço demarcado da nave por degrau de madeira. Na capela-mor, altar assente em degrau elevado, com 3 degraus ao centro e retábulo de talha dourada, com 2 arquivoltas e frontão com cartela sem inscrição; magnífico frontal de altar pintado a imitar marchetaria, assinado e datado; parede de fundo pintada com panejamentos e laterais preenchidas com pinturas. Cobertura em falsa abóbada de berço de estuque assente sobre cornija.

Acessos

Imaculado Coração de Maria, Rua da Levada de Santa Luzia e Rua da Torrinha

Protecção

Categoria: VCR - Valor Cultural Regional, Resolução do Presidente do Governo Regional n.º 1007/90, JORAM, 1.ª série, n.º 169 de 04 outubro 1990

Enquadramento

Urbano, isolado, erguendo-se sobre adro empedrado a calhau rolado miúdo, com desenho de "rosa dos ventos" e data a calhau branco, murado com banco corrido sobre a R. da Levada e gradeado, articulando-se com fontanário a N., com muito boa vista sobre a cidade e acesso por 2 portões enquadrados por pilastras de cantaria pela R. da Torrinha.

Descrição Complementar

Os altares da nave são semelhantes e constituídos por pares de colunas marmoreadas, com capitéis coríntios dourados e assentes em predela com estilóbatos salientes, enquadrando nicho sobrelevado e encimado por baldaquino com apontamentos de talha dourada; complexo frontão com cartela entalhada e dourada central e remate superior entalhado e dourado, tudo indicando uma oficina regional dos inícios do Séc. 19 próxima do gosto do mestre Estêvão de Nóbrega. Os grandes óleos laterais com motivos marianos apresentam molduras profusamente entalhadas e em madeira aparente, dos finais do Séc. 18 ou inícios do 19 e dentro do mesmo gosto e oficina. O altar-mor apresenta-se enquadrado por 2 pares de colunas dentro do estilo "nacional", encimado por um frontão complexo de gosto mais clássico. O nicho central apresenta igualmente 2 pares de colunas "nacionais", com um enquadramento neoclássico. Existem ainda 2 grandes aletas laterais ao gosto dos finais do Séc. 18. O frontal de altar é em falsa "entárcia", com 3 panos, apresentando o central os retratos de São Francisco e de Santo António em ovais com amplos enquadramentos vegetalistas e, ao centro, uma custódia com epigrama de Cristo, emblema depois também usado pela Companhia de Jesus. Os corpos laterais apresentam idêntica decoração com borboletas, pássaros e flores várias de excepcional execução. Encontra-se assinado no painel central com "Anno Domini MDCCVII faciebatt F. Carolus A. Bronio, italus capus.us prov. Mediolanensis". Nas paredes uma pintura mariana a óleo de boas dimensões dos meados do Séc. 18 e uma outra atribuível à oficina de João Nicolau Ferreira. A sacristia possui bom arcaz de gavetas almofadadas e alguns registos religiosos dos meados do Séc. 19.

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: capela

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ENTALHADORES: Julião Francisco Ferreira e Estêvão Teixeira de Nóbrega (atr.). MESTRE DAS OBRAS REAIS: Domingos Rodrigues Martins (atr). PINTORES: Frei Carlos de Brónio (1707), e João Nicolau Ferreira (séc. 18).

Cronologia

Séc. 17 - fundação; séc. 18 - reconstrução do actual edifício; 1860 - início de nova reconstrução e acrescentamento ( data inscrita no sub-coro ); 1861, 1, Julho - final dessa campanha de obras; 1870, cerca - colocação do frontal de Carlos Brónio, datado de 1707 e proveniente do convento de São Francisco; 1881 - data de conclusão do adro de calhau rolado; 1940, 26 setembro - inventariação do "painel (emblem de Cristo)" da capela da Consolação, pelo Decreto nº 30 762, publicado no DG, 1.ª série, n.º 225; 1945 - execução do painel de azulejos da fachada por "Batistini, F. Maria de Portugal" e segundo desenho de "H. Hinton, fecit 1945".

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Cantaria mole e rígida regional aparente, alvenaria de cantaria regional rebocada, mármore, madeira ( carvalho e outras ), amarrações mistas de tirantes de madeira e de ferro, talha dourada e pintada, pintura sobre madeira e tela, azulejos, registos vários de santos, vidro, prataria e ourivesaria, e telha de meio canudo.

Bibliografia

NORONHA, Henrique Henriques de, Memórias Seculares e Eclesiásticas...1722, Funchal, 1997; SILVA, Padre Fernando Augusto da, Elucidário Madeirense, 3 vols., Funchal, 1945; MATA, Lília, Capela de Nossa Senhora da Consolação. Templo foi restaurado e aguarda classificação, Diário de Notícias, Funchal, 3 Nov. 1989; CARITA, Rui, História da Madeira, 5º vol., Funchal, 1996; Século XVIII. Economia e Sociedade, Funchal, 1999.

Documentação Gráfica

Mapoteca do IGC (planta do Funchal de Reinaldo Oudinot, 1804), Lisboa; GR / Equipamento Social; DRAC, Funchal

Documentação Fotográfica

Museu Vicentes Photographos; antiga Junta Geral; DRAC; Funchal

Documentação Administrativa

ARM; CMF; Juízo dos Resíduos e Capelas; Arquivo Eclesiástico do Paço Episcopal, Funchal

Intervenção Realizada

Proprietário: 1940 / 1945 - obras de conservação geral; DRAC: 1987 - obras gerais de conservação com levantamento e reposição das coberturas.

Observações

Em 1995 foi feito levantamento sumário do imóvel e inventário dos bens móveis, com vista à elaboração da Carta de Património do Funchal.

Autor e Data

Rui Carita 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login