Casa senhorial d'El-Rei D. Miguel

IPA.00006523
Portugal, Santarém, Rio Maior, Rio Maior
 
Casa abastada maneirista e barroca, de dois pisos, o inferior inicialmente adaptado a serviços, o superior a residência; capela oratório na extremidade da fachada principal, exteriormente assinalada por frontão e ornatos de carácter erudito, ocupando o piso sobre a entrada principal; alpendre com escada exterior assinalando o acesso mais antigo da casa. Da primeira época de construção resta este alpendre, a janela mainelada e a janela de sacada coroada por lintel arquitravado, com balcão de colunelos em ferro; do período barroco os tectos em masseira e a capela oratório com a sua fachada de decoração barroca e os ornatos em estuque do seu interior. No solar terá pernoitado D. Miguel, antes da batalha de Almoster, facto que terá levado os proprietários a mandarem decorar o tecto da sala principal com as armas reais e a tradição local a associar a casa solarenga ao nome daquele rei.
Número IPA Antigo: PT031414080006
 
Registo visualizado 94 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Casa abastada  

Descrição

Planta composta por 2 corpos em forma de U. Volumes articulados com coberturas diferenciadas em telhado. O corpo mais antigo mostra 2 fachadas - a menor virada a S., para a igreja da Misericórdia, com 3 vão rectangulares rasgados no piso térreo, um de acesso ao piso superior através de escada de comunicação com alpendre saliente, apoiado em colunas de fuste facetado e pedestais elevados, ladeado por janela de guilhotina; a maior, virada a nascente, a fachada principal do edifício, assimétrica, rematada por pano encimado por frontão redondo, ponteado por pináculos e uma cruz, com o piso térreo vazado por 3 vãos rectangulares moldurados, o superior por 2 janelas de sacada, uma mainelada e uma de guilhotina; a janela de sacada rasgada sob o frontão com uma moldura bem recortada coroada por concha encima a porta principal; o corpo mais recente, virado a nascente, N. e a poente, de maior altura, com 2 pisos e um mezanino, com rodapé, cunhais apilastrados e cimalha moldurada, é vazado por portas e frestas rectangulares no piso térreo, janelas de guilhotina no superior, óculos ovais no mezanino. INTERIOR - várias divisões intercomunicantes, abrindo para as fachadas, no corpo mais antigo; salas abrindo para um corredor no corpo mais recente; 3 escadas interiores de acesso ao piso superior, uma saíndo do átrio debaixo da capela, as outras no corpo N. e poente; capela composta por pequena nave rectangular e pequena ousia quadrangular, separadas por arco triunfal, encimado por óculo; na parede fundeira um nicho de arco redondo, com apainelados e edículas nas faces laterais, é encimado por dossel semi-circular; nas pilastras, frontão e dossel, ornatos em estuque branco sobre um fundo vermelho, figurando grinaldas, volutas, uma coroa e a pomba do Espírito Santo, rodeada por resplendor. A escada de acesso ao piso superior, o átrio, a escada principal e as salas do piso superior eram cobertas por tectos em masseira, pintados com vários motivos, entretanto retirados para restauro - os tectos da capela mostram cercaduras de acantos, com cabeças de meninos com toucados de acantos (na nave) e motivos marianos (na capela-mor); o da escada principal imitação de casca de tartaruga, os das salas nobre cartelas com enrolamentos de folhagem, um deles centrado pelas armas reais portuguesas coroadas e assentes sobre uma cruz de Malta.

Acessos

Rua Serpa Pinto, n.º 74 a 88; Rua Mouzinho de Albuquerque, n.º 16; Travessa do Espírito Santo, n.º 3 a 5

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, adossado. Implantada na malha urbana da cidade, no centro histórico de Rio Maior, ao lado da igreja da Misericórdia (v. PT031414080008), deita a fachada principal para a rua principal, a antiga R. Direita, a fachada lateral para a Trav. do Espírito Santo, a posterior para a R. Mouzinho de Albuquerque.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 19 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 16 - data provável de construção do corpo mais antigo; séc. 17 - obras de remodelação (janela de sacada arquitravada, janela mainelada); 1760 / 1770, c. de - construção do corpo da capela, tendo então sido transferido o alpendre aí existente para a fachada S.; ampliação do edifício e decoração dos interiores; séc. 19 (inícios) - construção do corpo do lado N.; séc. 20 - demolição da cozinha setecentista no piso térreo, aumento deste piso e acrescento de uma nova cozinha no piso superior; construção de uma casa de banho no piso superior, do lado N.; 1996, 8 março - dDspacho do Vice-Presidente do IPPAR que determina a abertura do processo de instrução relativo à eventual classificação do imóvel; 2004, 29 outubro - por despacho do Presidente do IPPAR foi encerrado o processo de classificação do imóvel, com revogação do despacho de 1996; Foi dado conhecimento do despacho à autarquia, que poderá vir a classificar o imóvel como imóvel de interesse municipal.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Taipa e alvenaria de pedra e tijolo; pavimentos em madeira (tábua corrida sobre vigas), pedra, tijoleira e terra batida; molduras e colunas em cantaria; cobertura em telha cerâmica; caixilharia e portas em madeira.

Bibliografia

Documentação Gráfica

DGEMN: DSID

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

CMRM: Relatório do processo de classificação, 1996

Intervenção Realizada

CMRM: 1996 - recuperação para instalação do Museu Municipal; sondagens arqueológicas; 2000 - obras gerais de recuperação.

Observações

No corpo mais antigo a Câmara de Rio Maior instalou um Museu, no corpo mais recente a Casa de Cultura.

Autor e Data

Isabel Mendonça 1997

Actualização

Cecília Matias 2006
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login