Celeiro da Vala Real

IPA.00006407
Portugal, Santarém, Salvaterra de Magos, União das freguesias de Salvaterra de Magos e Foros de Salvaterra
 
Arquitectura civil, agrícola e industrial. Celeiro situado junto à vala de ligação ao Tejo, para secagem e armazenagem de cereais; as fachadas mais compridas são simetricamente vazadas por portas ladeadas por frestas. O sistema de ventilação pela sobreposição de telhados. O edifício fez parte do conjunto edificado pertencente à Casa do Infantado *5.
Número IPA Antigo: PT031415040002
 
Registo visualizado 81 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Armazenamento e logística  Celeiro    

Descrição

Planta rectangular, alongada; volume simples com cobertura em telhado de 4 águas, a que se sobrepõe um pequeno telhado de arejamento, do lado NE.. Fachada principal a SE., marcada lateralmente por cunhais apilastrados, em cantaria, e vazada por 4 frestas rectangulares molduradas e ferradas, centradas por porta de verga recta, encimada pelo escudo português rematado por cruz, com 2 degraus de acesso; junto à extremidade SO. um nicho em mármore com frontão triangular rematado por cruz em pedra, um antigo Passo da Paixão, com a data inscrita de 1657 *1. A fachada oposta mostra um embasamento elevado em cantaria, o mesmo enquadramento de cunhais apilastrados e o mesmo rasgamento de frestas e porta, esta antecedida por escada de vários degraus. Nas fachadas menores, viradas a SO. e NE. rasga-se um janelão rectangular e sobre este a inscrição em ferro "CL" (Companhia das Lezírias) 20.06.1910". Interior: espaço amplo com 3 naves delimitadas por 8 arcos redondos sobre pilares prismático da nave central; esteios em pedra, dispostos a meio do vão dos arcos divisórios das 3 naves *2. Do lado NE., um antigo secador de arroz, com escada em madeira, situado por baixo da zona de ventilação do telhado *3.

Acessos

Rua José Luís Brito Seabra

Protecção

Em estudo

Enquadramento

Periurbano, planície, isolado. Implantado junto à vala que faz a comunicação da vila com o rio Tejo, a meio de um terreno de terra batida, abre a fachada principal para uma via de circulação da vila, não muito distante da igreja da Misericórdia. O desnível existente entre a rua e o terreno onde se rasga a vala, para o qual deita a fachada posterior, foi vencido pela construção de um embasamento desse lado.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Armazenamento e logística: celeiro

Utilização Actual

Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Câmara Municipal de Salvaterra de Magos

Época Construção

Séc. 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1657 - data provável de construção do edifício, pertencente à Casa do Infantado, criada em 1654 por D. João IV para o seu segundo filho, o infante D. Pedro; 1836 - o edifício passa para a Companhia das Lezírias do Tejo e Sado, a seguir à extinção da Casa do Infantado; 1910, 20 de Junho - criação da Companhia das Lezírias do Tejo; 1975, 13 de Novembro - nacionalização da Companhia das Lezírias; 1997, 1 de Junho - protocolo de cedência de espaço entre a Companhia das Lezírias e a Câmara Municipal de Salvaterra de Magos.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Alvenaria de pedra rebocada e caiada; cunhais, embasamento e molduras em cantaria; cobertura em telha cerâmica; tecto e vigamentos em madeira; pavimento em terra batida.

Bibliografia

CÂNCIO, Francisco, Ribatejo Histórico e Monumental, Vol. 3, Coimbra, 1939.

Documentação Gráfica

DGEMN - DSID

Documentação Fotográfica

DGEMN - DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - existem ainda em Salvaterra mais outros 3 nichos idênticos, todos eles datados de 1657: um na vizinha Igreja da Misericórdia, um na Igreja Matriz, e outro na Capela Real (141504001); certamente pela presença deste Passo da Paixão, a pedra de armas do Infantado surge, no portal do celeiro, rematada por cruz; *2 - estes esteios serviram certamente de apoio a estruturas de criação de compartimentos para armazenagem dos cereais (tulhas); *3 - o secador de arroz originou a criação de um sistema de ventilação pela sobreposição de telhados; *4 - existe um projecto de adaptação do edifício a centro cultural; *5 - em Salvaterra de Magos existe ainda um interessante núcleo construído, que foi também pertença da Casa do Infantado: a Real Falcoaria (141504001), criada em 1752 para a prática da caça com falcão, de que restam as casas da residência dos falcoeiros e a torrela para os falcões, nas suas imediações; do Palácio, destruído em 1858, resta a Capela Real e as 2 chaminés da cozinha.

Autor e Data

Isabel Mendonça 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login