Hospício de São Francisco e Capela de São João da Ribeira

IPA.00005872
Portugal, Ilha da Madeira (Madeira), Funchal, Funchal (São Pedro)
 
Arquitectura religiosa, barroca. Capela barroca de planta longitudinal, fachada principal em empena com portal de cantaria com arco pleno e cimalha de balanço, encimado por janelão, torre à face da fachada rematada por eirado aberto e muro ondulado, interior com retábulos de talha e azulejos rococós.
Número IPA Antigo: PT062203080068
 
Registo visualizado 70 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro    

Descrição

Planta longitudinal, composta de nave única, torre sineira quadrada e capela-mor, à qual se encosta para S. a sacristia, assente sobre o antigo cenóbio franciscano. Volumes articulados com coberturas diferenciadas, em telhados de 4, 3, 2 e uma água, com beirais simples e duplos de telha de canudo portuguesa, e torre em eirado. Fachada principal a O. com embasamento pintado a cinza, terminada em empena, com cimalha de cantaria com ligeiro balanço e encimada por cruz de calvário. Portal de cantaria com arco de volta perfeita assente em pilastras com capitéis e bases ressalvados e lintel de balanço; portadas de madeira com bandeira superior fixa, com almofadas rebaixadas e decoradas com incisões, tudo pintado a vermelho; janelão superior quadrado, de guilhotina, com moldura de cantaria cinzenta. Torre no alinhamento da fachada, com janela funda ao nível da da capela, com moldura de cantaria e portadas de madeira, uma cega e outra com postigo envidraçado; sineira com arco de volta perfeita com moldura de cantaria; remate com muro de recorte ondulado, tipo "chapéu de cónego". Fachada S. dominada pela demarcação da torre, com porta no piso térreo e sineira no superior; nave com pequena janela superior de iluminação e todo o resto escondido pelas instalações franciscanas, que sobem ao nível da torre. Fachada N. completamente cega, mas fechada pela cerca das franciscanas que avança até ao nível da fachada, onde se abre porta, com edifício mais recuado e subindo ao nível dos restantes com os quais se une por detrás da capela. No interior, coro-alto sobre pilastras quadradas de madeira pintada, com balaustrada de madeira; nave com soalho de madeira, coberta com tecto de madeira pintada a branco sobre cornija de madeira e largos panejamentos inferiores pintados com borlas pendentes; no lado do Evangelho, púlpito de madeira pintada a branco e ouro com baldaquino encimado por pomba do Espírito Santo, junto do qual, em baixo existe porta de acesso às escadas interiores do mesmo. O arco triunfal é pintado a marmoreados e ladeado por 2 altares de talha postos de ângulo, dedicados a Nossa Senhora da Conceição e Santo António; espaço demarcado da nave por degrau com balaustrada de madeira com porta central. A capela-mor apresenta altar assente em degrau elevado, com degrau ao centro e mais 2 além do centro da capela, retábulo de talha dourada, com frontão interrompido encimado por cartela com inscrição alusiva a São João e a data de 1750; nas paredes laterais, lambril de azulejos encimados por telas alusivas à vida do santo, com molduras de talha. Tecto em falsa abóbada de meia cana de madeira pintada com uma alegoria arquitectónica em trompe l'oeil.

Acessos

Largo de São João da Ribeira

Protecção

Em vias de classificação

Enquadramento

Urbano, flanqueado, integrado num conjunto de edificações de que faz parte a antiga residência do capelão, hoje ocupada por freiras franciscanas, desenvolvidas sobre a sacristia envolvendo toda a cabeceira da capela e sobindo um piso sobre a cobertura na nave. Ergue-se sobre adro murado e gradeado para a ribeira, com uma escada de acesso de 8 degraus.

Descrição Complementar

Os altares da nave são semelhantes, e constituídos por pares de colunas de fuste marmoreado, capitéis coríntios dourados e rematadas superiormente por painéis pintados e urnas em talha. Os centros são ocupados por duplos nichos, constituindo os superiores pequenos oratórios com molduras entalhadas e douradas, com os interiores pintados com elementos rococó. As bases albergam ainda um outro nicho. O retábulo-mor apresenta fundo camarim coberto com tela de São João, emoldurado por par de colunas torsas em vulto, com entalhe profundo e figurando campânulas pendentes e rosáceas douradas sobre fundo azul, assentes em largas mísulas com folhas de acanto. Remate em frontão com cartela central ladeada por grandes aletas, encimadas por aves Fénix e festões, prolongando-se pelas paredes com largas telas com passos alusivos à vida do Santo, com molduras de talha assentes ainda em largas réguas entalhadas. Abaixo, o silhar é ocupado por 2 painéis de azulejos das oficinas de Lisboa, rematados com enquadramento de concheados em "asas de morcego", entre 1751 e 1754, vigência como governador da Madeira do conde de São Miguel, cujas armas rematam o painel do lado da Epístola. No lado do Evangelho, acesso à sacristia por porta com moldura de cantaria pintada, com portadas de madeira almofadada. Ao lado da porta e nas costas do arco triunfal existe pia de água benta de cantaria em forma de concha com voluta superior para caldeirinha. Na sacristia, arcaz com espaldar em forma de tríptico, com cimalhas de balanço, marmoreado e dourado, assente em predela, com o painel central com baldaquino e os laterais com pinturas da oficina de Nicolau Ferreira e importante lava-mãos em cantaria regional ocupando toda a altura da parede e encimado por frontão rematado com Cruz de Cristo e o cordeiro, símbolo do orago da capela.

Utilização Inicial

Religiosa: hospício

Utilização Actual

Religiosa: igreja

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Funchal)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 15 / 16 / 17 / 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ENTALHADOR: Estêvão Teixeira de Nóbrega; Julião Francisco Ferreira (1750). MESTRE DAS OBRAS REAIS: Domingos Rodrigues Martins; Diogo Filipe Garcês; João Moniz de Abreu; Manuel de Vasconcelos. PINTOR: João Nicolau Ferreira; José Zeferino Nunes (Cyrilo) (1921). PRATEIRO: Luís José Eloy da Silva.

Cronologia

1423, 9 Março - carta do papa Martinho V ao franciscano João de Baeça confirmando a licença do anti-papa Bento XIII de evangelizar as Canárias; 1432, cerca - data da instalação dos franciscanos no cenóbio de São João; 1436, 27 Jan. - carta do papa Eugénio IV ao franciscano João Maiorquino, presbítero de Valência, autorizando-o a fundar 3 ermitérios na ilha da Madeira; 1450, 28 Abril - autorização do papa Nicolau V para a fundação de um ermitério na Madeira, então já a funcionar em São João, com cerca de 10 irmãos leigos e tendo como guardião frei Pedro das Covas, ou frei Pedro Mourão, "homem velho e de muita autoridade"; 10 Dezembro - "Letras" do mesmo papa ao vigário das Canárias com idêntica autorização; 1459 - retirada dos franciscanos da Ilha por desinteligências com a Ordem de Cristo, instalando-se em Xabregas; 1462, 1 Maio - carta do papa Pio II ao bispo de Évora, a pedido de D. Afonso V e do infante D. Fernando para que os frades Jerónimos pudessem fundar na Madeira mosteiro da sua regra; 12 Dezembro - carta do mesmo Papa a frei Afonso Bolaños, vigário dos franciscanos das Canárias autorizando-o a alargar a sua jurisdição à Madeira e costa de África; 1471, 9 Dezembro - 1ª referência camarária a São João como limite da vila do Funchal para Câmara de Lobos; 1476 - regresso da comunidade franciscana à Madeira, sob custódia de frei Rodrigo de Arruda, dado breve de Sixto IV e instalação na antiga residência de São João; 1476 - instalação da comunidade em terrenos de Clara Esteves, dentro da vila do Funchal, em troca do hospício e início da construção do convento de São Francisco; c. 1630 - data de alguns azulejos existentes na sacristia; c. 1660 / 1670 - data de alguns azulejos existentes na sacristia; 1720 - início da reconstrução da capela e hospício anexo pela fazenda real dado o adiantado estado de ruína provocado por um aluvião anterior; 1750 - data inscrita no altar-mor, obra atribuível a Julião Francisco Ferreira; 1751 / 1754 - vigência do governador D. Álvaro Xavier de Távora, conde de S. Miguel encomendador dos azulejos da capela-mor; 1762 - reformulação da confraria de São João Baptista pelo bispo D. Gaspar Afonso da Costa Brandão; 1793 - data inscrita no 1º painel do lado do Evangelho do altar-mor do pintor João Nicolau Ferreira; c. 1795 - trabalho da oficina de mestre Estêvão de Nóbrega nos altares colaterais; 1803, 9 Outubro - importante aluvião no Funchal causa grandes estragos na capela; 1850, cerca - reparação da capela a cargo de António Ferreira Nogueira e Manuel Fernandes Jardim; 1921 - pintura do tecto da capela-mor por José Zeferino Nunes ( Cyrilo ).

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Cantaria mole e rígida regional aparente, alvenaria de cantaria regional rebocada, mármore, madeira ( carvalho e outras ), amarrações mistas de tirantes de madeira e de ferro, talha dourada e pintada, pintura sobre madeira e tela, vidro e telha de meio canudo.

Bibliografia

CARITA, Rui, A capela de São João da Ribeira (II), Jornal da Madeira, 29 de Março 1988; IDEM, História da Madeira, vol. 1º., Funchal, 1989; COSTA, José Pereira da, Vereações da Câmara do Funchal, século XV, Funchal, 1995; FRUTUOSO, Gaspar, Saudades da Terra, Livro II, anotado por Álvaro Rodrigues de Azevedo, Funchal, 1873; LEITE, Jerónimo Dias, Descobrimento da Ilha da Madeira..., Coimbra, 1947; MARQUES, João Martins da Silva, Descobrimentos Portugueses, Lisboa, 1944; Memórias Seculares e Eclesiásticas...1722, Funchal, 1997; MOTA, Helena, DRAC aponta imóvel em S. João: Agressão à Capela in Diário de Notícias, Funchal, 30 Mar. 1998; NORONHA, Henrique Henriques de, Genealogia... Ilha da Madeira, ano de 1700, São Paulo, Brasil, 1948; SILVA, Padre Fernando Augusto da, Elucidário Madeirense, 3 vols., Funchal, 1945.

Documentação Gráfica

Mapoteca do IGC ( planta do Funchal de Reinaldo Oudinot, 1804 ), Lisboa; GR / Equipamento Social e DRAC, Funchal; IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

Museu Vicentes Photographos; DRAC, Funchal; IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

AN/TT; Junta da Antiga Provedoria da Alfândega do Funchal; ARM, CMF; Paróquia de São Pedro, Funchal

Intervenção Realizada

Observações

Em 1989 foi feito levantamento sumário de inventário dos bens móveis, entregue na Diocese e na Paróquia de São Pedro.

Autor e Data

Rui Carita 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login