Rua de D. João I

IPA.00005870
Portugal, Braga, Guimarães, União das freguesias de Oliveira, São Paio e São Sebastião
 
Componente urbano. Eixo viário. Rua. Rua inserida em núcleo urbano seiscentista apresentando como tipologia dominante do espaço construído: casa de dois pisos de lote estreito, primeiro piso de granito e segundo piso com varanda corrida de madeira. As varandas de madeira de algumas casas de dois pisos são interessantes, apresentando balaústres torneados. Algumas casas apresentam ainda taipa como material dominante no segundo piso, assim como janelas de madeira. Existe ainda na rua um conjunto residencial do tipo "ilha", conhecido por Bairro Catarina Eufémia com entrada por um portal de uma casa de dois pisos.
Número IPA Antigo: PT010308130035
 
Registo visualizado 412 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto urbano  Elemento urbano  Eixo viário  Rua    

Descrição

Estrutura urbanística: aglomerado organizado em rua com orientação P. - E., estreita, sinuosa e em declive, com abertura à direita para as ruas da Lameira e do Dr. Bento Cardoso e à esquerda para a do Dr. Avelino da Silva Guimarães. Os lados da rua são preenchidos por módulos habitacionais compostos, na sua maioria, por dois pisos: casas sobradadas, com primeiro piso em pedra e varanda corrida de madeira no segundo piso; casas sobradadas, com duas portas no primeiro piso e duas portas de varanda estreita sobre cachorros simples no primeiro piso; casas sobradadas, de dois pisos, de granito com vãos de verga curva; casas seiscentistas e setecentistas, de dois pisos, definidas por cunhais rematadas por empena, com vãos assentes em cachorros, portal ornamentado e por vezes armoriado *3 e ainda alguns poucos exemplares de casas térreas. No início da rua, do lado S., num pequeno largo ergue-se o Padrão de D. João I *4 e uma Capela seiscentista de invocação de São Lázaro, com portal maneirista e a inscrição "ESTA IGREIA SEFEZ NO ANO DE 1600". No alto da rua, do lado N., situam-se a Igreja de São Domingos *5, a Capela da Venerável Ordem de S. Domingos e o edifício da Venerável Ordem Terceira.

Acessos

Avenida Conde de Margaride, Rua da Lameira, Rua Dr. Bento Cardoso, Rua Dr. Avelino da Silva Guimarães, Rua de Paio Galvão, Praça do Toural

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interese Público, Decreto nº 735/74, DG, 1ª Série, nº 297 de 21 dezembro 1974 / Parcialmente incluída na Zona Especial de Proteção do Padrão de D. João I (v. PT010308600012)

Enquadramento

Urbano, desenvolve-se entre a Av. Conde de Margaride e a R. Paio Galvão, na confluência desta rua com a Pç. do Toural. Possui trânsito automóvel no sentido ascendente até à abertura para a R. Dr. Bento Cardoso e descendente daí até ao final. A parte inicial do seu traçado, do lado Poente, acompanha a Ribeira de Couros.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Pública: estatal / Pública: municipal / Privada: pessoa singular / Privada: Igreja Católica

Afectação

Não aplicável

Época Construção

Séc. 14 / 16 / 17/ 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1270 - os religiosos de S. Domingos tiveram licença de D. Afonso III para edificar o seu convento em Guimarães; 1375 / 1397 - edificação de um novo convento no sítio onde actualmente se encontra, em virtude de D. Dinis ter mandado arrasar o anterior, situado mais a Nascente, para melhorar o sistema defensivo da cidade; séc. 16 - edificação do Padrão de D. João I, no local onde o rei iniciou o seu percurso descalço, pelas ruas de Guimarães, quando se dirigiu à Igreja de Nossa Senhora da Oliveira para cumprir o voto prometido antes da Batalha de Aljubarrota; 1595 - referência à posse pela Câmara Municipal, no início da actual R. de D. João I, de um hospital e gafaria dos Lázaros; 1600 - edificação da capela de S. Lázaro no local onde existia uma gafaria; 1607 - Jerónimo Fernandes, ensamblador, lavra o altar da capela de S. Lázaro; 1741 - construção do portal rococó da capela da Venerável Ordem de S. Domingos; 1750 - Amaro José Farto, mestre-pedreiro galego, recebe por conta da Ordem de S. Domingos 150 carros de pedra fina para continuar a obra da capela e fazer a capela-mor; 1770 - construção do pórtico barroco da Igreja de S. Domingos; 1774 - remodelação da capela-mor da Igreja de S. Domingos; 1791 - conclusão das obras da capela da Venerável Ordem de S. Domingos.

Dados Técnicos

Elementos dominantes: Paredes autoportantes.

Materiais

Dominantes: Granito; alvenaria; madeira; taipa; telha.

Bibliografia

AAVV, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1976, pp. 293 - 301; MORAES, Maria Adelaide Pereira de, Guimarães, Terras de Santa Maria, Guimarães, 1978; ALVES, José Maria Gomes, Património Artístico e Cultural de Guimarães, Guimarães, 1981; GUIMARÃES, Agostinho, Azulejos Artísticos de Guimarães - séculos: XVI, XVII, XVIII, Guimarães, 1983, pp. 50 - 51; CRAESBEECK, Francisco Xavier da Serra, Memórias Ressuscitadas da Província de Entre Douro e Minho no ano de 1726, Ponte de Lima, 1992; IPPAR, Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado - Distrito de Braga, Lisboa, 1993, p. 61.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN / DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - Esta rua pertence a duas freguesias, São Paio e Creixomil; *2 - coordenadas tomadas num ponto central da R.; *3 - no alto da R. em frente à Igreja S. Domingos, aparecem os dois edifícios barrocos mais significativos. Um deles, a Casa dos Peixotos Guimarães, onde actualmente funciona o Tribunal do Trabalho, possui no átrio de entrada e na escada nobre que conduz ao primeiro piso um lambril de azulejos seiscentistas, policromos, tipo tapete; *4 - este monumento é também conhecido por Padrão ou Cruzeiro dos Pombais ou Cruzeiro de S. Lázaro.

Autor e Data

João Santos / António Dinis 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login