Capela de Santa Luzia

IPA.00005242
Portugal, Viana do Castelo, Vila Nova de Cerveira, União das freguesias de Campos e Vila Meã
 
Arquitectura religiosa, românica, gótica e maneirista. Pequena capela conventual românica, de planta longitudinal composta por nave e capela-mor quadrangular, inserida na segunda fase do românico português, e com algumas alterações de estilo gótico na nave e arcosólios. Caracteriza-se pelo seu carácter rural e singeleza de linhas, algo irregulares, sobretudo a S., devido às obras do séc. 15, que ali eliminaram o contraforte. No séc. 17, com o novo conceito de iluminação, assiste-se à modificação de fenestração e à elaboração de um retábulo, a pintura mural, em estilo maneirista. Das antigas dependências conventuais não existem quaisquer vestígios o que, aliado às pequenas dimensões da capela nos faz pensar terem sido de materiais essencialmente perecíveis.
Número IPA Antigo: PT011610010004
 
Registo visualizado 318 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Mosteiro feminino  Ordem de São Bento - Beneditinas

Descrição

Planta longitudinal composta por nave quadrada irregular e capela-mor também quadrada, da mesma largura e à mesma altura. Cobertura homogénea com telhado a duas águas de telha de aba e canudo, sobre beiral do mesmo tipo. Fachadas em cantaria com aparelho "vittatum". Fachada principal orientada terminada em empena com cruz de cantaria no remate e rasgada por portal de arco quebrado armoriado, com escudo de Belmir e cruz dos Pereiras na flecha, e duas pequenas janelas de avental laterais. Fachadas laterais rasgadas por janela quadrangular na capela-mor e por uma porta travessa na nave na fachada virada a N., conservando esta contraforte separando a nave da capela-mor e a virada a S.certa irregularidade nos paramentos; capela-mor percorrida por cornija sobre modilhões. No INTERIOR, pavimento de lajes graníticas, algumas sigladas, paramentos rebocados e pintados de branco e cobertura de madeira em masseira. Possui junto ao portal axial pia de água benta assente em plinto e junto ao portal lateral, encimado por arco de volta perfeita assinalando a sua antiga estrutura descentrada em relação ao actual, uma outra encastrada na parede. Arco triunfal de volta perfeita, de duas arquivoltas, uma delas sobre colunas com garras nas bases e capitéis decorados. Na capela-mor abrem-se lateralmente dois arcosólios, com arco de volta perfeita: o do lado do Evangelho possui escudo dos Pereiras e espada na tampa e o do lado da Epístola, pertencente a Rodrigo Álvares Pereira, irmão de D. Nuno Álvares Pereira, é ornado com três cruzes em forma de flor-de-lis na tampa e na face frontal; ambos os arcos dos arcosólios possuem vestígios de pintura mural ainda cobertas de cal. Na parede testeira, estrutura retabular em pintura mural, com uma só camada de reboco muito fina, de dois registos, tendo no inferior, entre colunas caneladas com o terço inferior ornado, a imagem de São Francisco, de São Domingos e de Santo António, encimado por entablamento decorado por acantos e putti, sobrepujado pela figura de Cristo na cruz com Maria Madalena aos pés ladeado pelas imagens da Virgem e a de São João Evangelista * 1. Subjacente a esta pintura, existe no lado da Epístola uma outra, com representação parcial da figura de Santa Luzia, segurando prato com um par de olhos. Altar de pedra com frontal apresentando pintura decorativa de motivo vegetalista a imitar brocado.

Acessos

Campos, EN13; lugar da Quinta; Rua do Rio, seguindo caminho florestal até à capela

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 28/82, DR, 1.ª série, n.º 47 de 26 fevereiro 1982

Enquadramento

Rural, isolado, implantação harmónica. Ergue-se no meio de campos agrícolas de regadio, protegido por pequeno adro murado, rebocado, com pavimento de granito contornando a capela e gravilha no restante. Junto ao cunhal N. / E., existe uma "fonte de chafurdo" num poço, com base ao nível da base das fundações da capela, jorrando água de um tubo colocado na base da parede da capela-mor e com acesso por dois degraus.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: mosteiro feminino

Utilização Actual

Religiosa: capela

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Viana do Castelo)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 13 / 15 / 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1098 - segundo inscrição na fachada principal, foi fundada juntamente com convento de freiras beneditinas, no reinado de Afonso VI, de Leão; 1258 - Inquirições dizem que o Mosteiro de Valboa tinha em São João de Campos um casal coutado por padrões; séc. 15 - construção da nave, mais estreita que a capela-mor e feitura dos arcosólios; 1455, 21 Novembro - sua abadessa, D. Inês Barbosa, por falta de freiras, renuncia ao cargo, sendo os bens transferidos para o Mosteiro de Merufe (Monção); posteriormente deve ter sido restaurado; 1500 - aquando da visita do Vigário Geral, o mosteiro era governado por um clérigo secular, João Novais, coagido a renunciar, restituindo-se o governo às abadessas; 1528, 11 Fevereiro - por falta da observância da Regra de S. Bento, D. Diogo de Sousa, Arcebispo de Braga, uniu o mosteiro e suas rendas ao de Santa Ana, da Cidade de Viana do Castelo, passando ali a realizar-se, às segundas feiras, quinzenalmente, e nas festas de Nossa Senhora, missas de Sufrágio; 1642 - data do retábulo em pintura mural; sucessivamente, os terrenos do mosteiro foram sendo emprazados; 1850 - emprazados a quinta e capela; 1988, 29 Novembro - capela adquirida pela Fábrica da Igreja Paroquial.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura de granito, com paramentos exteriores à vista e com juntas muito cimentadas e interior rebocado e pintado; pinturas murais; pavimento de lajes; janelas com caixilharias de madeira e vidro e gradeamento de ferro; cobertura interiores de madeira e exteriores de telha.

Bibliografia

VIEIRA, José Augusto, O Minho Pittoresco, Lisboa, 1886; ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, Primeiras impressões sobre a arquitectura Românica portuguesa in Revista da Faculdade de Letras, vol. 2, Porto, 1971, p. 65 - 116; «Cerveira intervém em capela exemplar românico e gótico». In Diário do Minho. 10 janeiro 2017, p. 17; DIOGO, José, Em Vila Nova de Cerveira Entaipada e coberta a cal uma pintura do séc. XVII in Cerveira Nova, Vila Nova de Cerveira, 20 Nov. 1979; DIOGO, José Leal, Inventário da Heráldica Concelhia, Vila Nova de Cerveira, 1981; ALVES, Lourenço, Os frescos da Capela de Santa Luzia, na freguesia de Campos - Vila Nova de Cerveira in Centro de Estudos Regionais, Viana do Castelo, 1984, p. 70 - 73; ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, O Românico in História da Arte em Portugal, vol. 3, Lisboa, 1986; ALVES, Lourenço, Arquitectura Religiosa do Alto Minho, Viana do Castelo, 1987; ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Porto, 1988; DREMN, Capela de Santa Luzia. Viana do Castelo, Vila Nova de Cerveira, Campos. Diagnóstico do Estado Actual - Propostas Prévias, 2000.

Documentação Gráfica

DGPC: DGEMN:DREMN, DGEMN:DSID

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID; Arquivo " Mural da História "

Documentação Administrativa

DGPC: DGEMN:DREMN, DGEMN:DSID

Intervenção Realizada

DGEMN: 1978 - Remoção do retábulo, deixando à vista as pinturas murais; remoção da caiação do arco triunfal; 1979 - trabalhos de conservação; 1991 / 1992 - trabalhos de construção civil e de conservação: descasque da caiação da capela-mor; regularização do terreiro do adro, revestimento com calçada à portuguesa e construção de muro de vedação no mesmo; passeio de calçada de lajedo; isolamento dos pavimentos; tectos da nave e capela-mor; portas e caixilhos da fachada principal; PROPRIETÁRIO / CMVila Nova de Cerveira: 2016 / 2017 - reabilitação da cobertura e consolidação das pinturas murais.

Observações

*1- A pintura da parede fundeira da capela-mor esteve em parte coberta por um retábulo de madeira, tendo sido este removido. *2 - A água da fonte sob a capela-mor é considerada pelos devotos de Santa Luzia como benéfica para problemas de olhos.

Autor e Data

Paula Noé 1992 / 2003

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login