Capela de São Filipe

IPA.00005153
Portugal, Ilha da Madeira (Madeira), Funchal, Funchal (Santa Maria Maior)
 
Arquitectura religiosa, maneirista. Pequena capela vincular, reconstruída, seguindo a traça primitiva, integrada em antigo conjunto residencial, mantendo ainda alguns elementos da construção do séc. 17. De planta longitudinal, composta por nave com coro-alto e capela-mor, de frontispício em eixo com portal de cantaria com arco de volta perfeita, rematado por friso e cornija, encimado por janela e remate em empena, que possui sineira no lado esquerdo.
Número IPA Antigo: PT062203040021
 
Registo visualizado 49 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta longitudinal, composta de nave e capela-mor, à qual se encosta para O. e para S. o antigo solar. Volumes articulados com coberturas diferenciadas de 2 e 4 águas e beirais duplos de telha de canudo portuguesa sobre a fachada O. da capela e em todo o antigo solar. Fachada principal virada a S., terminada em empena, encimada por cruz de Malta, tendo a E. telha invertida a servir de gárgula e a O. campanário de cantaria rija, de arco de volta perfeita, com empena, cimalha de balanço e impostas bastante finas. Toda a fachada é rebocada, pintada a cal branca e rematada por estreita faixa, parte em cantaria, parte refeita em alvenaria de cimento. Portal de cantaria com arco de volta perfeita, chave relevada e decorada, face decorada com filete rebaixado em ponta de diamante, filete intermédio longitudinal relevado sobre pontas de diamante e lintel de balanço, pilastras com decoração idêntica à face do arco, com capitéis e astrágalo, assentes em bases relevadas e degrau saliente; portadas de madeira com almofada a toda a altura; janela superior quadrada com moldura de cantaria e portadas de madeira envidraçadas. Fachada O. da capela cega. INTERIOR simples, com coro-alto separado por fasquiado de madeira sobre a nave, chão com lápide indicativa da "sepultura dos inocentes" de 1666, degrau para o altar, paredes parcialmente revestidas a azulejos de padrão "massaroca" a rematarem o altar de madeira pintado a branco e com remates alveolados pintados a ouro, reconstruído a partir de elementos do antigo consumido pelas chamas.

Acessos

Funchal (Santa Maria Maior), Rua de São Filipe

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 44 452, DG, 1.ª série, n.º 152 de 05 julho 1962

Enquadramento

Urbano, adossado, integrado num conjunto de edificações que constituem um antigo solar, hoje Padroado de Nossa Senhora das Dores, com comandamento sobre o bairro de Santa Maria. Pátio fronteiro com calhau rolado.

Descrição Complementar

Fachada principal do antigo solar no seguimento da da capela, com 2 pisos e 3 vãos; 3 portas no piso térreo com molduras de cantaria, recortadas sobre embasamento tratado a respigado de cimento e pintado de cinza forte; portadas de madeira envidraçadas pintadas a branco e tapa-sóis de madeira fasquiada pintados a verde escuro; 3 janelas no piso superior com igual tratamento e volantes de guilhotina envidraçados; pátio geral da casa e capela com muro baixo, empedrado de calhau rolado miúdo e, frente à capela, cimentado. Fachada O. com fenestração correspondente a 3 pisos, rematados a N. por importante chaminé com largura correspondente à da capela.

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: capela / Assistencial: associação de beneficência

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1622 - casamento de Francisco Gentil de Limoges com D. Isabel, filha de Gaspar de Acciauoli de Vasconcelos e D. Ana de Albuquerque Cavalcanti; 1659, 20 Mai. - falecimento de Pedro Barrote, convertendo-se à hora da morte à religião católica e instituindo Filipe Gentil como seu herdeiro; 1662 - instituição por Filipe Gentil de Limoges, como cabeça de morgadio; 1666 - inscrição tumular "Sepultura dos inocentes que tiranamente mataram na Achada desta cidade, 1666", aludindo aos crimes cometidos por certa ama dos expostos da Achada de S. Roque; 1683 - falecimento de Filipe Gentil de Limoges; 1925, 13 Abr. - inauguração pelo prelado diocesano do restauro mandado fazer pela proprietária condessa de Torre Bela; 1978 - incêndio consumindo parcialmente a capela e totalmente o solar.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Cantaria mole e rígida regional aparente, alvenaria de cantaria regional rebocada, madeira, amarrações mistas de tirantes de madeira e de ferro, azulejos, vidro e telha de meio canudo.

Bibliografia

CARITA, Rui, História da Madeira, vol. 3º., Funchal, 1992, pp. 48, 433 e 434; FRUTUOSO, Gaspar, Saudades da Terra, Livro II, anotado por Álvaro Rodrigues de Azevedo, Funchal, 1873; MARTINS, Rosário, 20 mil contra violência doméstica. Patronato cria centro para mulheres, Diário de Notícias, Funchal, 30 Março 1998; NORONHA, Henrique Henriques de, Genealogia... Ilha da Madeira, ano de 1700, São Paulo, Brasil, 1948; Memórias Seculares e Eclesiásticas...1722, Funchal, 1997; SILVA, Padre Fernando Augusto da, Elucidário Madeirense, 3 vols., Funchal, 1945; SIMÕES, Santos, Azulejaria dos Açores e da Madeira, Lisboa, 1963, p. 171; TRUEVA, José Manuel de Sainz, Capela de São Filipe, Património, para quê ?, Diário de Notícias, 8 Janeiro 1984.

Documentação Gráfica

Mapoteca do IGC (planta do Funchal de Reinaldo Oudinot, 1804), Lisboa; GEAEM (Arma de Engenharia), Lisboa; GR / Equipamento Social e DRAC, Funchal; IHRU: DGEMN/ DSID

Documentação Fotográfica

Museu Vicentes Photographos; ARM; DRAC, Funchal; IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

BNLisboa, Resíduos e Capelas da Madeira; ARM; CMF e Juízo dos Resíduos e Capelas, AD ( PE ), Funchal

Intervenção Realizada

Padroado de Nossa Senhora das Dores: 1990 - início da reconstrução da capela.

Observações

Em 10 de Janeiro de 1983 a Câmara Municipal do Funchal pediu a recuperação da capela. Em 13 de Dezembro de 1989 a DRAC dá parecer sobre o projecto. Pelas fotografias antigas existentes, verifica-se que, por exemplo, o muro do pátio do antigo solar era, junto à capela, mais alto, possuindo banco típico, agora desaparecido; na parede exterior da capela, do lado O. da porta, existia pia de água benta, ainda não reposta nem no interior nem no exterior da capela; no tecto do sub-coro existiam as armas dos Torre Bela, que poderiam ser repostas.

Autor e Data

Rui Carita 1999

Actualização

Paula Figueiredo 2001
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login