Cerca Seiscentista / Muralha Seiscentista / Frente Fortificada de Faro

IPA.00004493
Portugal, Faro, Faro, União das freguesias de Faro (Sé e São Pedro)
 
Arquitectura militar, da Restauração. Fortaleza com cinco baluartes e dois meios baluartes, circundados exteriormente por valas, que envolviam a cidade de mar a mar. É dos poucos equipamentos militares desta época existentes no Algarve. As suas dimensões correspondem aos limitados recursos e à brevidade da sua construção.
Número IPA Antigo: PT050805040040
 
Registo visualizado 124 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Militar  Frente fortificada    

Descrição

Da antiga cerca subsistem: 1 - vestígios da metade de um baluarte em ângulo, cujos lados medem 31 e 27 metros com muros em talude de 2,30 metros de altura, no exterior nalgumas partes aparelho de cantaria argamassada e noutras taipa, no interior rebocada; 2 - vestígios da cortina ao longo de 129 metros com 2 m de altura, obstruída com casa térrea junto ao baluarte, interrompida por escada metálica junto à antiga Casa de Fresco, localmente designada por Celeiro de São Francisco (v. PT050805050005), interrompida por via de circulação e com diversos muros e construções adossadas neste século; 3 - vestígios de meio baluarte em ângulo cujos lados medem 48 e 34 metros com 0,5 m de altura com muros interrompidos na sua quase totalidade por construções adossadas e com ângulo nascente cortado por uma guarita do antigo quartel; 4 - troço de baluarte em talude, na R. de Loulé, nº 2 e 4, com 2,50 metros de altura, 8,30 metros de comprimento e 0,4 metros na base e 0,2 no topo; 5 - vestígios arqueológicos do baluarte fronteiro à Ermida de Nossa Senhora da Esperança (v.PT050805050058).

Acessos

Largo do Pé da Cruz, Rua Dr. Pereira de Sousa e Rua de Loulé, nº 2-4

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 67/97, DR, 1.ª série-B, n.º 301 de 31 dezembro 1997

Enquadramento

Urbano, no centro Histórico (v. PT050805050140), no limite da cidade, na Horta do Ferragial entre o Convento de São Francisco (v. Pt050805050005) e a Ermida de Nossa Senhora do Pé da Cruz (v. PT050805050062), tendo sido posteriormente adossados edifícios e muros de logradouros. Grande parte da cerca foi destruída e as valas circundantes estão completamente atulhadas e cobertas por vegetação. O outro troço, é urbano, adossado, no Centro Histórico, num quarteirão da Zona Ribeirinha *2.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: frente fortificada

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada

Afectação

Época Construção

Séc. 17 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ENGENHEIRO: Rufino António de Moraes, 2º Tenente Engenheiro (séc. 19)

Cronologia

1659 - o Governador Militar do Algarve, Martim Correia da Silva, encarrega um Sargento-mor de construir uma cerca composta por cinco baluartes e dois meios baluartes, que servisse de defesa contra uma eventual invasão espanhola; 1662 - Martim Correia da Silva aconselha o rei D. Afonso VI a escrever aos Cónegos e mais Dignidades da Sé de Faro para lhes agradecer a contribuição voluntária de três mil cruzados destinada à construção da cerca; 1758 - os párocos das freguesias da Sé e de São Pedro de Faro respondem à Academia Real de História referindo que os baluartes de fábrica moderna apresentam muitas rasgaduras e na sua maior parte estão destruídos; 1833 - as tropas liberais consolidaram parte da antiga cerca e prolongaram-na para norte, tendo-se encarregue desta tarefa o 2º Tenente Engenheiro Rufino António de Moraes, que executou também a planta; 1994, 02 de Junho - proposta a classificação pela Câmara Municipal de Faro; 1996, 09 de Outubro - proposta a classificação pela Associação para a Defesa do Património Cultural e Natural do Concelho de Faro.

Dados Técnicos

Muros autoportantes

Materiais

Cantaria, alvenaria e taipa

Bibliografia

Cartas dos Governadores do Algarve (1630-1663), Lisboa, 1978; CALLIXTO, Carlos P., A Linha Fortificada que, durante a Guerra Civil, defendeu a cidade de Faro do Cerco Miguelista in Anais do Município de Faro, vol. 19, Faro, 1989; LAMEIRA, Francisco Ildefonso C., Faro - Edificações Notáveis, Faro, 1995; IDEM, A Cerca Seiscentista, Faro, 1996; PAULA, Rui M. e PAULA, Frederico, Faro Análise da Evolução Urbana, Revista Sociedade e Território, Junho de 1991; IDEM, Faro Evolução Urbana e Património, Faro, 1993.

Documentação Gráfica

CMF

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1980 - 1981 - recuperação da zona a E..

Observações

*1 - abrange ainda a freguesia da Sé; *2 - os edifícios religiosos outrora protegidos pela cerca eram o Convento de São Francisco, a Ermida de Nossa Senhora do Pé da Cruz, o Colégio da Companhia de Jesus, a Ermida de Nossa Senhora da Esperança, a Igreja Matriz de São Pedro, o Convento de Santo António dos Capuchos, a Ermida de Santa Maria Madalena e a Igreja da Misericórdia.

Autor e Data

Francisco Lameira 1996

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login