Pelourinho de Vila Nova de Souto d'El-Rei / Pelourinho de Arneirós

IPA.00004278
Portugal, Viseu, Lamego, Vila Nova de Souto d'El-Rei
 
Pelourinho setecentista, de pinha cónica, com soco de três degraus circular, de onde evolui um fuste simples, rematado por anel, sobre o qual se eleva um pináculo. Mantém vestígios das antigas argolas de sujeição no fuste.
Número IPA Antigo: PT011805240009
 
Registo visualizado 202 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição eclesiástica  

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco de três degraus de recorte circular, de diferentes alturas, encontrando-se o primeiro degrau parcialmente soterrado pelo declive do terreno. Coluna monolítica de superfície lisa, tendo um orifício no fuste para fixação do ferro de sujeição. Remate composto por listel plano, debruando a periferia da coluna, sem capitel. Remate em pináculo levemente cónico.

Acessos

EN 2, ao Km 108,2, para Arneirós; EM 1081, a 1,8 Km junto à estrada *1. WGS84 (graus decimais) lat.: 41,083188, long.: -7,823377

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Rural, a meia encosta, destacado e isolado, junto à estrada, em zona de interesse paisagístico.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 18 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1305 - era denominado como Souto dos Pobres ou Souto d'El Rei; séc. 16 - a povoação pertencia ao termo de Lamego e tinha cento e trinta e oito moradores; o seu nome inicial era Arneirós; constitui um couto eclesiástico da Diocese de Lamego; séc. 18 - provável edificação do pelourinho; 1758, 13 Julho - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco Manuel da costa Guerra, é referido que a povoação, com 170 fogos, era pertença do rei; esta sujeito à justiça de Lamego; séc. 18, final - D. José dá-lhe a categoria de vila, com o nome de Vila Nova de Souto d'El Rei; 1836 - extinção do concelho.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

CHAVES, Luis, Os Pelourinhos - Elementos para o seu Catálogo Geral, Lisboa, 1939; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; REAL, Mário Guedes, Revista da Beira Alta, Vol. XXXVII, nº. 1, 1978; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Viseu, Viseu, 1998; TAPADINHAS, Maria Albertina, "Lamego medieval", in O Compassao da Terra - a arte enquanto caminho para Deus, vol. I, Lamego, Diocese de Lamego, 2006.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 4, n.º 86, fl. 527-534)

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

*1 - os marcos dos quilómetros, in loco não correspondem nem ao nº. da estrada, nem ao Km..

Autor e Data

João Carvalho 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login